21º Congresso Nacional aprova reivindicações específicas dos bancários do BB

06.10.2020

O 21º Congresso Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil, realizado no Novotel Jaraguá, em São Paulo, aprovou neste domingo 30 a estratégia e as reivindicações específicas da Campanha Nacional dos Bancários 2010, ao final de três dias de discussões, que contou com a participação de 329 delegados e observadores de todo o país. "Foi […]

O 21º Congresso Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil, realizado no Novotel Jaraguá, em São Paulo, aprovou neste domingo 30 a estratégia e as reivindicações específicas da Campanha Nacional dos Bancários 2010, ao final de três dias de discussões, que contou com a participação de 329 delegados e observadores de todo o país.

"Foi um dos melhores encontros últimos anos, que teve a participação de todas as correntes políticas presentes na categoria e em que prevaleceu a pluralidade e o debate democrático, visando à unidade nacional na busca de novas conquistas na campanha nacional deste ano", avalia Marcel Barros, secretário-geral da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT).

As propostas chegaram após as discussões nos grupos que se reuniram no sábado divididos por quatro grandes temas: Plano de Carreira, Cargos e Salários (PCCS), remuneração e jornada; saúde e condições de trabalho; o papel do Banco do Brasil e o sistema financeiro nacional; e organização do movimento.

As principais resoluções aprovadas pelo 21º Congresso do Funcionalismo do BB são as seguintes:

Estratégia

– Intensificação de atos e mobilizações pelos sindicatos e paralisações específicas, de acordo com a pauta de negociações por corporação, já em junho, para demonstrar o descontentamento com a direção do banco que não cumpre os acordos, desvaloriza o bancário e desrespeita usuários e clientes.

– Unificação das atividades durante a Campanha Salarial (a ser deflagrada após a Conferência Nacional dos Bancários em julho) com assembléias, paralisações e atos conjuntos.

– Defesa do fortalecimento da organização por local de trabalho com eleição de mais delegados sindicais, assegurando no mínimo um delegado por dependência seja qual for a quantidade de funcionários lotados nela.

– Efetivação das negociações pelo Comando Nacional, assessorada pela Comissão de Empresa dos Funcionário.

Propostas

– Construir e apresentar uma proposta do PCCS baseado nas premissas aprovadas na plenária de dirigentes sindicais, para entrega ao BB até 30 de junho.

– Propor como piso do PCCS o salário mínimo do Dieese, hoje equivalente a R$ 2.139,06).

– Adotar a jornada de 6 horas para todos, sem redução de salários.

– Excluir da alçada dos gestores imediatos a decisão sobre comissionamentos e descomissionamentos.

– Não criar obrigação de migração de planos.

– Incorporar anuênio e gratificação semestral.

– Buscar a isonomia.

– Instituir políticas afirmativas nos processos de seleção interna.

– Elevação do interstício para 12% e 16%

– Seleção internas por provas (como concurso interno) para comissionamento

– Criação de faixas salariais em todas as comissões como progressão horizontal

– Fim da trava de 2 anos;

– Na jornada de 6 horas incluir os 15 minutos de descanso e 20 minutos para CABB;

– Fim da Lateralidade e dos desvios de função com a volta das substituições para todos os cargos

– Extensão a todos os funcionários da licença premio;

– Garantir Intersticio do BB no VCPi dos incorporados no Banco nossa Caixa

– Continuar a Negociação sobre a Gratificação Variável que seja garantido a continuidade da luta neste ponto.

– Efetivação de todos os caixas substitutos

– Isenção das tarifas e anuidades das tarifas novas

– Unificação dos salários entre os Gerente de Módulo de serviços e de negócios

– Equiparação dos Atendentes A e B

– Garantia da Comissão para os afastados por licença saúde e licença maternidade, independente do tempo do afastamento garantindo os benefícios de vale refeição e alimentação.

– Fim das limitações do DEST aos gastos de pessoal do BB

– Reafirmar a defesa dos bancos públicos e seu perfil social para o desenvolvimento nacional e definir estratégias de ação sindical com esse fim

– Ampliação do CMN com inclusão de representantes da sociedade civil organizada.

– Aumento da dotação das agências e número mínimo de 3 caixas efetivos por dependência

– Regulamentação do artigo 192 da Constituição

– Estatização do sistema financeiro

– Eleição de representante dos funcionários para o Conselho de Administração

– Incorporar à pauta de reivindicações da Campanha Salarial 2010 a reintegração dos demitidos sem justa causa nos anos 96 e 97

– Criação de comitês de clientes e usuários do banco

– Comitê de ética paritário

– Campanha contra o veto ao fator previdenciário

– Fim do modelo PSO/USO

– Combate à terceirização no serviço bancário

– Fim do correspondente bancário

– Fim das centrais "clandestinas" de Crédito e Cobrança (desrespeito a NR17 e impacto na dotação das agências e normativos);

– Campanha Nacional contra o veto ao Fator Previdenciário;

– Fortalecimentos das Campanhas de Combate ao Assédio Moral: resgate da coletividade;

– Fim do Descomissionamento para funcis no QS;

– Fortalecimentos das Cipas (encontro de Cipeiros );

– Cobrar via Comissão de Empresa imediata aprovação do Regimento do Conselho de Usuários;

– Encontro Regionais de Saúde / Conselho de Usuários;

– Manutenção do Vale-Refeição e cesta-alimentação para funcionários afastados;

– Realocação durante a licença-saúde (não retornar a mesma atividade que o adoeceu), que o funcionário volte para a GEPES;

– Previ:
1. resgate das contribuições patronais Previ Futuro;
2. fim da idade mínima para aposentadoria;
3. Fim do voto de minerva;
4. diminuição da parcela previ;
5. contra a resolução cgpc 26;
6. reavaliação do tempo mínimo de filiação à PREVI para concessão do financiamento imobiliário para o Previ futuro; utilização do FGTS
7. manter a CARIM aberta;

José Luiz Frare
Rede de Comunicação dos Bancários

Notícias Relacionadas

Após repercussão das denúncias de assédio sexual, Pedro Guimarães pede demissão

Testemunhos das vítimas vieram a público na terça-feira (28) e assustam pela quantidade de casos e pelo grau de desrespeito e crueldade; Ministério Público investiga em sigilo O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, entregou seu pedido de demissão na tarde desta quarta-feira (29) ao presidente da república, Jair Bolsonaro. A decisão foi tomada […]

Leia mais

NOTA OFICIAL

NOTA OFICIAL Pelo imediato afastamento de Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, e o acolhimento e preservação das vítimas Nós, bancárias de todo o Brasil, manifestamos nossa indignação pelos atos de assédio sexual praticados por Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, que ganharam repercussão na noite de desta terça-feira, 28/06/2022, ao serem divulgados […]

Leia mais

Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul repudia ações de Pedro Guimarães, acusado de assédio sexual

Além de apuração das denúncias, representação dos empregados pede afastamento do presidente da Caixa Após se tornar pública a acusação de assédio sexual feita por diferentes empregadas da Caixa Econômica Federal ao presidente Pedro Duarte Guimarães, a Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, se solidariza com as vítimas e manifesta […]

Leia mais

Sindicatos filiados