Bancários vão parar a partir do dia 18

13.09.2012

Os bancários da base da Federação de São Paulo e Mato Grosso do Sul participaram nesta quarta-feira, 12, de assembléias em seus sindicatos e deliberaram por greve a partir do dia 18, por tempo indeterminado, em resposta à proposta de 6% de reajuste salarial apresentada pela Fenaban na mesa de negociação. Assembleias organizativas serão realizadas […]

Os bancários da base da Federação de São Paulo e Mato Grosso do Sul participaram nesta quarta-feira, 12, de assembléias em seus sindicatos e deliberaram por greve a partir do dia 18, por tempo indeterminado, em resposta à proposta de 6% de reajuste salarial apresentada pela Fenaban na mesa de negociação. Assembleias organizativas serão realizadas na próxima segunda-feira, 17.

O representante da Federação, Aparecido Roveroni, ressalta que desde o início das negociações os bancários se mostraram dispostos a resolver as questões na mesa, os bancos, porém, apresentaram uma proposta insuficiente, frustraram a categoria e em nenhum momento demonstraram interesse em avançar. “Nossa resposta é a paralisação. Estamos preparados para isso e continuaremos na luta por melhores condições para o bancário. É ele que garante os lucros estrondosos dos bancos e precisam ter a valorização devida por isso”, finaliza.

Para o secretário-geral da Feeb-SP/MS, Jeferson Boava, chegou a hora do enfrentamento. “No dia 28 de agosto, durante a sexta rodada, a Fenaban apresentou sua contraproposta, que inclui reajuste de 6%; reivindicamos 10,25%. Naquele dia e nas duas rodadas posteriores, dias 29 de agosto e 4 de setembro, o Comando considerou insuficiente o reajuste. No último dia 5, o Comando enviou ofício à Fenaban sinalizando que estava aberto ao diálogo até o dia da assembleia. Os banqueiros nada propuseram. Diante de total descaso, a greve é a nossa resposta. Com luta, vamos quebrar a intransigência da Fenaban”.

As principais reivindicações dos bancários

>>  Reajuste salarial de 10,25% (aumento real de 5%).

>>  Piso salarial de R$ 2.416,38.

>>  PLR de três salários mais R$ 4.961,25 fixos.

>> Plano de Cargos e Salários para todos os bancários.

>> Elevação para R$ 622 os valores do auxílio-refeição, da cesta-alimentação, do auxílio-creche/babá e da 13ª cesta-alimentação, além da criação do 13º auxílio-refeição.

>> Mais contratações, proteção contra demissões imotivadas e fim da rotatividade.

>> Fim das metas abusivas e combate ao assédio moral

>> Mais segurança

>> Igualdade de oportunidades.

Leia também: Negociações específicas do BB e Caixa serão retomadas nesta sexta  

Notícias Relacionadas

Saúde, segurança, metas e violência contra as mulheres pautam reunião das Financeiras

Coletivo Nacional dos Financiários e Acrefi voltam à mesa de negociação pela Campanha Nacional 2024 Na tarde desta sexta-feira (19), o Coletivo Nacional dos Financiários da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) realizou mais uma rodada de negociações com a Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi). A pauta do […]

Leia mais

Quarta mesa de negociação do BB discute diversidade e igualdade de oportunidades

Para Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB), Banco do Brasil deu sinais de avanços importantes na reunião Na manhã desta sexta-feira (19), em São Paulo, foi realizada a quarta mesa de negociação específica da Campanha Nacional 2024 para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) do Banco do Brasil. A pauta principal […]

Leia mais

CEE Caixa realiza nova rodada de negociações focada em diversidade e igualdade de oportunidades

Além de diversidade e igualdade, foram discutidos temas como FUNCEF, escala de férias, telefone celular e escola inclusiva A Comissão Executiva dos Empregados (CEE) da Caixa Econômica Federal conduziu nesta sexta-feira (19) mais uma mesa de negociação para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) dos empregados da instituição. O tema central da discussão […]

Leia mais

Sindicatos filiados