Banco do Brasil cobra volta ao trabalho presencial do bancário com coabitantes em risco

21.07.2020

Posicionamento do Banco vai contra política de negociação do movimento sindical Um comunicado divulgado na manhã desta terça-feira, 21, pelo Banco do Brasil, causou indignação à categoria. O texto foi liberado após a portaria conjunta n° 20 do Ministério da Saúde e a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, editada no […]

Posicionamento do Banco vai contra política de negociação do movimento sindical

Um comunicado divulgado na manhã desta terça-feira, 21, pelo Banco do Brasil, causou indignação à categoria. O texto foi liberado após a portaria conjunta n° 20 do Ministério da Saúde e a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, editada no dia 18 de junho do governo. “O documento anula e restringe a portaria anterior com relação aos procedimentos das empresas no combate e prevenção à pandemia do Covid-19. Se por um lado o banco argumenta a continuidade do atendimento à população, por outro, põe em risco a saúde dos coabitantes do trabalhador”, explica a Elisa Pereira, representante da Feeb SP/MS no COE do Banco do Brasil.

A nova portaria orienta o afastamento apenas dos trabalhadores que fazem parte do grupo de risco. Enquanto a anterior previa o afastamento do trabalho de quem coabitava com pessoas do grupo de risco.

Para Elisa, o Banco agiu contra os funcionários, uma vez que a determinação deveria acontecer após abertura de diálogo e negociação sobre o tema. “É revoltante em meio à pandemia bancários terem que lidar com questões que acentuam os problemas de saúde do trabalhador, como as metas abusivas e agora a falta de proteção para seus coabitantes”, aponta.

De acordo com o movimento sindical, as medidas a serem tomadas não podem se sobrepor à defesa da vida e segurança da saúde dos funcionários, trabalhadores e clientes do Banco do Brasil. “Agindo assim, o banco desgasta todo esforço de negociação realizado até o momento em proteção à saúde dos trabalhadores do Brasil”, argumenta Elisa.

De acordo com o comunicado liberado pelo Banco do Brasil, gestores poderão chamar bancários coabitantes que vivem com pessoas do grupo de risco a se apresentarem para o trabalho presencial até o dia 27 de julho.

Os sindicatos cobram uma reunião o quanto antes com o Banco para tratarem do assunto e seguirem com a luta em proteção da vida e da saúde dos funcionários e de seus familiares, conforme compromisso firmado no início da pandemia.

“Trata-se de uma opção pela necropolítica, termo cunhado pelo filósofo e cientista político camaronense Achille Mbembe, ensaio que discute como governos escolhem quem vive e quem morre. Nosso papel é optar pela defesa do trabalhador sempre”, destaca Elisa.
 

Notícias Relacionadas

Dia Mundial de Combate à Aids

O dia 1º de dezembro é o Dia Mundial  de Combate à Aids. A data foi escolhida pela Organização Mundial de Saúde e é celebrada anualmente desde 1988 no Brasil, um ano após a Assembleia Mundial de Saúde que fixou a data de comemoração. O objetivo da data é conscientizar as pessoas para o problema, acabar […]

Leia mais

Caixa propõe usar GDP na Promoção por Mérito

Na terceira rodada de negociação, Caixa rejeita proposta apresentada pelos representantes dos empregados e insiste na utilização da GDP O Grupo de Trabalho (GT) sobre Promoção por Mérito na Caixa Federal se reuniu ontem (29) com representantes do banco para a terceira reunião sobre o tema. A primeira ocorreu no último dia 10 e a […]

Leia mais

Vitória da Categoria: PL 1043 é retirado da pauta de votação

Projeto de Lei que autoriza a abertura das agências e o trabalho bancário aos sábados, domingos e feriados foi retirado da pauta de votação na CDC da Câmara dos Deputados; pressão da categoria foi fundamental O Projeto de Lei 1.043/2019, que autoriza a abertura de agências e o trabalho bancário aos sábados domingos e feriados foi […]

Leia mais

Sindicatos filiados