Bancos brasileiros cresceram mesmo com a crise internacional

18.09.2013

Em setembro de 2008, ativos do setor estavam em R$ 3 trilhões, em junho deste ano chegaram a R$ 5,7 tri, aumento de 89%. Isso representa 126% do PIB Os bancos brasileiros continuaram crescendo mesmo após a crise financeira mundial. Em setembro de 2008, quando eclodiu a crise, o total de ativos de 156 bancos […]

Em setembro de 2008, ativos do setor estavam em R$ 3 trilhões, em junho deste ano chegaram a R$ 5,7 tri, aumento de 89%. Isso representa 126% do PIB

Os bancos brasileiros continuaram crescendo mesmo após a crise financeira mundial. Em setembro de 2008, quando eclodiu a crise, o total de ativos de 156 bancos que entregaram balanços ao Banco Central era de R$ 3,006 trilhões. Em junho deste ano, os ativos de 140 bancos – 16 desapareceram por conta das fusões no setor – alcançaram R$ 5,705 trilhões, salto de 89%.

Assim, os ativos dos bancos no Brasil, que chegava a 100% do Produto Interno Bruto passou, em cinco anos, para 126% do PIB do país.
O presidente da Austin Rating, Erivelto Rodrigues, destaca o índice de Basiléia como outro dado que mostra a solidez do setor bancário no país.

Nos últimos cinco anos, esse índice também aumentou, o que significa que as instituições financeiras têm patrimônio para bancar as operações de empréstimo e, portanto, estão mais protegidas contra uma crise. A Austin Rating é uma agência brasileira classificadora de risco de crédito.

Outros dados mostram que o setor no país atravessou a crise mundial com crescimento. O lucro líquido, que em setembro de 2008, estava em R$ 21,6 bilhões, em junho deste ano chegou a R$ 35,89 bi. O patrimônio líquido passou de R$ 281,4 bi em setembro de 2008 para R$ 554 bi em junho passado. O crédito saltou de R$ 1,23 trilhões para R$ 2,37 trilhões no mesmo período. O número de contas correntes ativas, que eram 82 milhões, chegou a 97 milhões, e o total de cartões de crédito pulou de 514 milhões para 749 milhões.

Fonte: Brasil Econômico 

Notícias Relacionadas

Campanha Nacional: Combate ao Assédio Moral volta a ser negociado com Federação Nacional dos Bancos (Fenaban)

Bancos negam que causa de adoecimento está relacionada à cobrança de metas O Comando Nacional dos Bancários se reuniu com a Federação Nacional dos Bancos nesta segunda-feira (15), para mais uma negociação. O combate ao assédio moral foi novamente tema do debate. Apesar de mais uma vez os bancos negarem que a causa do adoecimento […]

Leia mais

CEBB negocia com o banco cláusulas econômicas e representação sindical

Ao término da negociação, bancários leram manifesto pela democracia Bancários do Banco do Brasil se reuniram nesta sexta-feira (12) com o banco para mais uma negociação da Campanha Nacional dos Bancários 2022, que tem por objetivo a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) específico dos trabalhadores do Banco do Brasil e do aditivo à […]

Leia mais

Federação dos Bancários orienta Sindicatos para realização de lives na próxima semana

Objetivo é promover o dialogo com a categoria e fortalecer pautas de luta na Campanha Nacional Conforme orientação do Comando Nacional, todo o movimento sindical deve dialogar com a categoria na próxima semana. A Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, reforça o pedido para os seus 23 sindicatos filiados, para […]

Leia mais

Sindicatos filiados