BB insiste em reduzir ciclos avaliatórios da GDP

16.08.2022

Campanha Nacional O Banco do Brasil voltou a propor a redução dos ciclos avaliatórios da Gestão de Desempenho Profissional (GDP), durante a sétima rodada virtual de negociação da pauta específica com a Comissão de Empresa (CEBB), realizada nesta terça-feira, dia 16 de agosto. O banco quer apenas um ciclo avaliatório para descomissionar; o aditivo à […]

Campanha Nacional

O Banco do Brasil voltou a propor a redução dos ciclos avaliatórios da Gestão de Desempenho Profissional (GDP), durante a sétima rodada virtual de negociação da pauta específica com a Comissão de Empresa (CEBB), realizada nesta terça-feira, dia 16 de agosto. O banco quer apenas um ciclo avaliatório para descomissionar; o aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), em vigor até o dia 31 deste mês de agosto, estabelece três ciclos consecutivos.

Para a representante da Federação dos Bancários de SP e MS na CEBB, Elisa Ferreira, o Banco do Brasil está na contramão no debate sobre metas, assédio moral e adoecimento. “O banco tem usado a GDP como instrumento de pressão em nome das vendas de produtos. A CEBB quer aprimorar os mecanismos de combate ao assédio moral e à cobrança abusiva de metas inatingíveis, evitando inclusive o adoecimento”.

Elisa Ferreira destaca que os atuais três ciclos devem ser estendidos aos gestores, que hoje podem ser descomissionados com apenas um ciclo. “A cláusula 50ª do aditivo é um dos poucos instrumento para combater os abusos. Mas, é preciso mais. É preciso definir o conceito de uma GDP abaixo do esperado”.

Mais redução: O BB propôs reduzir também a assistência psicoterapêutica para funcionários que sofreram assaltos, bem como aumentar o número de verbas das quais serão descontados os vales transporte, dentre outras.

Sindical: A CEBB reivindicou avanços no que se refere à representação dos trabalhadores nos locais de trabalho: maior número de delegados sindicais por base, incluindo na PSO, e garantias de liberação. O BB não manifestou nenhuma disposição em atender a Comissão.

Avaliação: “Após semanas de negociações, nenhum sinal de avanço. Na verdade, retrocesso. O BB quer cortar direitos”, avalia Elisa Ferreira.

Próxima rodada: 17 de agosto. Tema: cláusulas sociais.

Reprodução: Sindicato dos Bancários de Campinas

Notícias Relacionadas

Financiários exigem fim de terceirizações e formalização do teletrabalho no setor

Movimento sindical também denunciou o aumento de contratações de correspondentes bancários, repassando os serviços para empresas que não cobrem os mesmos direitos reivindicados pela categoria Representantes dos trabalhadores financiários realizaram, nesta terça-feira (16), mais uma rodada da mesa de negociações com a Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi), desta vez, para […]

Leia mais

COE Santander reitera defesa dos direitos dos empregados durante negociação com o banco

A garantia do emprego foi um dos principais temas reivindicados A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Santander deu início às negociações do acordo específico com o banco, na tarde desta terça-feira (16). A defesa dos direitos dos trabalhadores e a garantia do empregos foram os principais temas debatidos. O movimento sindical cobrou o […]

Leia mais

Banco do Brasil se compromete a não mexer na gratificação dos caixas durante a Campanha Nacional 2024

A garantia foi dada pela direção do banco na terceira mesa de negociação da Campanha Nacional 2024, nesta sexta-feira (12), e tema será tratado durante período de renovação da CCT. O Banco do Brasil se comprometeu a não mexer na gratificação dos caixas durante a Campanha Nacional 2024 e a negociar a pauta durante o […]

Leia mais

Sindicatos filiados