BB reajusta planos Feas, com voto de Minerva

21.11.2020

O Conselho Deliberativo do Economus votou no dia 06 de novembro, as propostas da Diretoria Executiva sobre custeio dos planos Feas (Fundo Economus de Assistência Social e criação do plano Economus Futuro. De acordo com estudos atuariais apresentados pelo Economus, a preocupação é com iminente esgotamento dos recursos do Feas, responsável por subsidiar os planos de […]

O Conselho Deliberativo do Economus votou no dia 06 de novembro, as propostas da Diretoria Executiva sobre custeio dos planos Feas (Fundo Economus de Assistência Social e criação do plano Economus Futuro. De acordo com estudos atuariais apresentados pelo Economus, a preocupação é com iminente esgotamento dos recursos do Feas, responsável por subsidiar os planos de saúde Feas Pamc, Feas Básico e Novo Feas. O estudo apresentado leva em consideracao o atual modelo de custeio, o perfil da população assistida, bem como o comportamento da inflação médica. A votação resultou na aprovação do reajuste de contribuição apenas do participante, passando de 8% para 15,95%, a partir de 1º de janeiro de 2021, e a criação do citado plano Economus Futuro. Pisos de contribuição do Novo Feas foram mantidos e retirado os tetos de contribuição e fechamento para novas adesões, exceto para inclusão de novos dependentes (filho e novo cônjuge).

Conselheiros indicados pelo Banco do Brasil votaram favoráveis às propostas e os eleitos pelos participantes, votaram contra. Após empate o resultado foi dado com o chamado voto de minerva, do patrocinador. 

Informações, histórico e material de perguntas e respostas dos planos são possíveis acessar no hotsite do Feas.  

Economus Futuro
Custeio em regime de cotas, per capita e por faixa etária, com coparticipação em consultas e exames (30%), limitado a 10% por mês do salário bruto do titular (o excedente acumulado será debitado nos meses seguintes) e pagamento de franquia para internações e cirurgias (R$ 750,00). O novo plano não terá subsídio do Fundo Feas e/ou do Banco do Brasil.

Avaliação
As mudanças impostas pelo BB ocorreram em meio ao processo de negociação. De acordo com a representante da Federação dos Bancários de SP e MS na Comissão de Empresa (CEBB), Elisa Ferreira, houve desrespeito do processo de negociação por parte do BB. "Até o o momento o banco não marcou a primeira reunião para tratar sobre a pauta de reivindicações".

De acordo com a representante, questões referentes ao plano de saúde dos funcionários do Banco Nossa Caixa (BNC) estão pautadas desde a incorporação em dezembro de 2009 e o BB sempre desconversou, até que recentemente concordou em abrir negociação.

A Federação dos Bancários de SP e MS solicitará reunião com Economus para esclarecimentos sobre a pauta. 

Notícias Relacionadas

Santander implementa teletrabalho em áreas administrativas

Modalidade é válida para áreas administrativas e contemplam eixo São Paulo e Rio de Janeiro O Santander anunciou que irá implementar o teletrabalho (home office). A modalidade é válida para bancários das áreas administrativas, lotados majoritariamente no eixo São Paulo e Rio de Janeiro, segundo as regras previstas na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria. As […]

Leia mais

Santander paga PLR e demais adicionais no dia 28 de fevereiro

Representantes da Comissão de Organização de Empregados (COE/Santander) foram informados nesta terça-feira (01), sobre a data de pagamento da Participação nos Lucros e Resultados (PLR). O valor será creditado no dia 28 deste mês. Junto com a PLR bancárias e bancários do Santander receberão os percentuais do Programa Próprio de Resultados do Santander (PPRS), do […]

Leia mais

Feeb SP/MS monta grupo de trabalho para discutir metas com Banco Itaú

Prazo para organização de grupos de representação se encerrou no último dia 31 Bancários representados pela Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul formalizaram o pedido junto ao banco para montagem de um grupo de trabalho para discussão de metas. De acordo com a cláusula 87 da Convenção Coletiva […]

Leia mais

Sindicatos filiados