BC mantém juros pela 9ª vez seguida e cita reforma fiscal

01.09.2016

No dia em que o impeachment da presidente Dilma Rousseff foi confirmado no Senado, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central anunciou a manutenção da taxa básica de juros, a Selic, em 14,25% ao ano. A decisão dos diretores da instituição, mais uma vez unânime, foi a nona consecutiva pela manutenção dos juros […]

No dia em que o impeachment da presidente Dilma Rousseff foi confirmado no Senado, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central anunciou a manutenção da taxa básica de juros, a Selic, em 14,25% ao ano. A decisão dos diretores da instituição, mais uma vez unânime, foi a nona consecutiva pela manutenção dos juros básicos.

A diferença é que, agora, o BC listou claramente no comunicado após a decisão fatores necessários para “maior confiança no alcance das metas para a inflação” e, no limite, para um corte de juros.

Entre esses fatores, o BC citou a necessidade de que a alta dos preços dos alimentos “seja limitada”. Este foi um dos motivos que levaram à manutenção dos juros em patamar elevado. Apontou também que os itens que compõem o IPCA – o índice oficial de inflação – mais sensíveis à política de juros precisam começar a ceder, indicando “desinflação em velocidade adequada”.

Um terceiro fator destacado pelo BC como requisito para o início do processo de corte de juros está ligado à questão fiscal: “Que ocorra redução da incerteza sobre a aprovação e implementação dos ajustes necessários na economia, incluindo a composição das medidas de ajuste fiscal, e seus respectivos impactos sobre a inflação”.

Na prática, com a definição do cenário político, após a posse de Michel Temer na Presidência, o BC deixa claro que observará a pressão dos alimentos sobre os preços e o ritmo da queda inflacionária, mas também o quanto o ajuste fiscal avançará. No fim do comunicado, o Copom destacou que “avaliará a evolução da combinação desses fatores”.

A frase do encontro anterior, de julho, em que o BC citava “não haver espaço para flexibilização da política monetária” – ou seja, corte de juros –, foi retirada do comunicado.
Nesta quarta, o IBGE divulgou o Produto Interno Bruto (PIB) do 2º trimestre, que mostrou recuo de 0,6%. Apesar da queda da atividade econômica, a indústria e os investimentos mostraram uma leve reação.

Fonte: Estadão

 

Notícias Relacionadas

Bancários do Santander assinam Acordo Coletivo de Trabalho

Assinatura ocorreu na sede do Banco e contou com representantes dos bancários e dos bancos Bancários do banco Santander, representados pela Comissão de Organização dos Empregados (COE) Santander, assinaram nesta terça-feira (27), na sede do Banco, o Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) geral dos funcionários. A assinatura aconteceu na sede do Banco Santander, em São […]

Leia mais

Bancários aprovam acordos de trabalho do Santander

97,18% dos funcionários aprovaram o acordo com o banco Bancários do banco Santander de todo o país aprovaram, nesta quinta-feira (22), com 97,18% dos votos, o Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) geral dos funcionários, aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria bancária, o ACT do Programa de Participação nos Resultados Santander (PPRS) e […]

Leia mais

Negociação dos Financiários continua sem avanços

Financeiras apresentam proposta abaixo da expectativa da categoria Representantes dos Financiários e a Federação Interestadual das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Fenacrefi) se reuniram nesta quinta-feira (22) para dar continuidade às negociações da campanha salarial da categoria. A pauta de reivindicações da categoria, com data-base em 1º de junho, foi entregue no dia 15 […]

Leia mais

Sindicatos filiados