Câmara vota esta semana projeto que regulamenta a terceirização

14.03.2017

Texto que tramita na Casa autoriza a prática de forma geral e irrestrita para qualquer setor de uma empresa. A CUT diz que proposta vai permitir a contratação de terceirizados em todos os setores sem qualquer garantia de direitos trabalhistas. Já os empresários afirmam que objetivo é combater o desemprego. Uma prática sem lei – […]

Texto que tramita na Casa autoriza a prática de forma geral e irrestrita para qualquer setor de uma empresa. A CUT diz que proposta vai permitir a contratação de terceirizados em todos os setores sem qualquer garantia de direitos trabalhistas. Já os empresários afirmam que objetivo é combater o desemprego.

Uma prática sem lei – a terceirização hoje no Brasil é sustentada apenas por uma súmula do Tribunal Superior do Trabalho. Mas, após décadas tramitando no Congresso Nacional, ela pode agora ser regulamentada. E não apenas isso: o texto que está pronto para ser votado na Câmara dos Deputados nesta semana autoriza a terceirização geral e irrestrita para qualquer setor de uma empresa.
Hoje, um hospital, por exemplo, não tem vínculo direto com os profissionais da limpeza e segurança. Com a regularização, médicos e enfermeiros também poderão ser contratados por meio de uma empresa terceirizada. E isso pode valer para órgãos e empresas públicas, como ministérios e os Correios.

Defensores dizem que a terceirização já acontece de maneira informal. Reclamam que a falta de uma lei clara prejudica a competitividade. Uma pesquisa da Confederação Nacional da Indústria mostra que alguns países como Chile e Alemanha, que disputam mercado com o Brasil, não restringem a terceirização. O presidente da CNI, Robson de Andrade, afirma que o objetivo é aumentar a oferta de empregos e diminuir o número de ações na Justiça.

“Nós estamos tratando de uma terceirização especializada, formal, legal, que contribua com todos os encargos trabalhistas de férias, de FGTS e de INSS”.

Mas a medida é alvo de críticas das entidades que representam os trabalhadores. O texto que está na Câmara não traz as garantias exigidas pelos sindicatos, como mecanismos para evitar a troca de funcionários com carteira assinada por pessoas jurídicas e a responsabilidade solidária – ou seja, se a empresa deixar de pagar os direitos trabalhistas, a contratante é quem arca com o prejuízo. A vice-presidente da CUT, Carmen Foro, diz que a terceirização aliada com as reformas da previdência e trabalhista vem para precarizar as relações de emprego.

“Todos os dados já mostraram que um trabalhador terceirizado tem salários menores e condições piores. Votar a terceirização num ambiente de desemprego é algo absolutamente grave”.

No Senado também há um texto pronto pra ser votado. Mas ele é mais restrito – atende, por exemplo, algumas demandas dos sindicatos. Para evitar desgastes, a base aliada se articula para aprovar tanto o texto da Câmara quanto o do Senado. Assim, Michel Temer poderá sancionar partes de cada proposta. Os sindicatos, no entanto, temem que apenas o projeto que consideram mais duro para os trabalhadores ande de fato no Congresso.

Fonte: CBN – Rodrigo Serpa (rodrigo.serpa@cbn.com.br)

Notícias Relacionadas

Santander implementa teletrabalho em áreas administrativas

Modalidade é válida para áreas administrativas e contemplam eixo São Paulo e Rio de Janeiro O Santander anunciou que irá implementar o teletrabalho (home office). A modalidade é válida para bancários das áreas administrativas, lotados majoritariamente no eixo São Paulo e Rio de Janeiro, segundo as regras previstas na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria. As […]

Leia mais

Santander paga PLR e demais adicionais no dia 28 de fevereiro

Representantes da Comissão de Organização de Empregados (COE/Santander) foram informados nesta terça-feira (01), sobre a data de pagamento da Participação nos Lucros e Resultados (PLR). O valor será creditado no dia 28 deste mês. Junto com a PLR bancárias e bancários do Santander receberão os percentuais do Programa Próprio de Resultados do Santander (PPRS), do […]

Leia mais

Feeb SP/MS monta grupo de trabalho para discutir metas com Banco Itaú

Prazo para organização de grupos de representação se encerrou no último dia 31 Bancários representados pela Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul formalizaram o pedido junto ao banco para montagem de um grupo de trabalho para discussão de metas. De acordo com a cláusula 87 da Convenção Coletiva […]

Leia mais

Sindicatos filiados