Centrais exigem Trabalho Decente durante manifestação na Paulista

07.10.2013

Em parceria com as demais centrais sindicais, a União Geral dos Trabalhadores (UGT) realizou na manhã de hoje (07), uma manifestação pela garantia do Trabalho Decente. As centrais se organizaram em frente ao Shopping Paulista e seguiram em caminhada até o prédio da Fiesp, na Avenida Paulista, 1313, no centro comercial de São Paulo. Para […]

Em parceria com as demais centrais sindicais, a União Geral dos Trabalhadores (UGT) realizou na manhã de hoje (07), uma manifestação pela garantia do Trabalho Decente. As centrais se organizaram em frente ao Shopping Paulista e seguiram em caminhada até o prédio da Fiesp, na Avenida Paulista, 1313, no centro comercial de São Paulo. Para entregar a pauta unitária de reivindicações das centrais à Fiesp, o grupo caminhou pela Paulista em coro: “Trabalho Decente para toda nossa gente”.

Na data de hoje, 07 de outubro, se comemora o Dia Mundial do Trabalho Decente e desde 2008 as Organizações que atuam na defesa do trabalhador recordam a necessidade da promoção de Trabalho Decente e Digno e defendem a garantia dos direitos trabalhistas já conquistados.

A UGT, a CUT e a FS, juntamente com a Confederação Sindical Internacional (CSI) e a Confederação Sindical das Américas, se unem este ano para levar as bandeiras de luta que vêm sendo levantadas ao longo do ano para a marcha, juntando-se a centenas de outras manifestações que ocorrerão no mundo na Jornada Mundial do Trabalho Decente.
O foco deste ano não é, como em outras edições, contra o governo, mas sim contra os empresários, que têm adotado uma postura de resistência ao diálogo social, apesar dos esforços que vêm sendo feitos pelas Centrais Brasileiras e pelo Governo.
 
Percebe-se uma postura mundial dos empresários contra o diálogo social como ferramenta para o Trabalho Decente. Na 101ª Conferência Internacional do Trabalho, em 2012, em Genebra, os empresários de todo o mundo se levantaram e abandonaram a reunião da Comissão de Normas da Organização Internacional do Trabalho (OIT), no momento em que se discutia o direito de greve como algo consagrado na Convenção 87 da OIT. Foi uma atitude inédita na Conferência, e marcou o início de uma postura de rechaço ao diálogo por parte dos empresários ao redor do mundo.

Fonte: UGT 

Notícias Relacionadas

Banco do Brasil aprova atualização da Tabela PIP para beneficiar trabalhadores do Previ Futuro

Mudança na Pontuação Individual do Participante permite aumento na contribuição adicional e soma mais recursos para a aposentadoria, atendendo a antiga reivindicação dos funcionários O Banco do Brasil aprovou as mudanças na Tabela PIP (Pontuação Individual do Participante), uma reivindicação antiga dos trabalhadores, que permitirá aumentar a contribuição adicional para a aposentadoria. O anúncio foi […]

Leia mais

Eleições da Funcef: votação segue até sexta-feira (19)

Participantes da ativa e assistidos dos planos de previdência podem votar até sexta-feira (19), mas a orientação é não deixar para a última hora Teve início nesta terça-feira (16), a votação para as Eleições Funcef. Participantes dos planos de previdência da Funcef podem votar para definir quem vai ocupar a diretoria de Administração e Controladoria, […]

Leia mais

Feeb SP/MS dá posse para nova Diretoria

                Diretoria eleita assume quadriênio 2024/2028 A Federação dos Empregados em Estabelecimentos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SP/MS) empossou a nova diretoria da entidade, eleita durante o VIII Congresso Interestadual, realizado em março, em São Paulo. A posse foi oficializada no dia 08 […]

Leia mais

Sindicatos filiados