Centrais exigem Trabalho Decente durante manifestação na Paulista

07.10.2013

Em parceria com as demais centrais sindicais, a União Geral dos Trabalhadores (UGT) realizou na manhã de hoje (07), uma manifestação pela garantia do Trabalho Decente. As centrais se organizaram em frente ao Shopping Paulista e seguiram em caminhada até o prédio da Fiesp, na Avenida Paulista, 1313, no centro comercial de São Paulo. Para […]

Em parceria com as demais centrais sindicais, a União Geral dos Trabalhadores (UGT) realizou na manhã de hoje (07), uma manifestação pela garantia do Trabalho Decente. As centrais se organizaram em frente ao Shopping Paulista e seguiram em caminhada até o prédio da Fiesp, na Avenida Paulista, 1313, no centro comercial de São Paulo. Para entregar a pauta unitária de reivindicações das centrais à Fiesp, o grupo caminhou pela Paulista em coro: “Trabalho Decente para toda nossa gente”.

Na data de hoje, 07 de outubro, se comemora o Dia Mundial do Trabalho Decente e desde 2008 as Organizações que atuam na defesa do trabalhador recordam a necessidade da promoção de Trabalho Decente e Digno e defendem a garantia dos direitos trabalhistas já conquistados.

A UGT, a CUT e a FS, juntamente com a Confederação Sindical Internacional (CSI) e a Confederação Sindical das Américas, se unem este ano para levar as bandeiras de luta que vêm sendo levantadas ao longo do ano para a marcha, juntando-se a centenas de outras manifestações que ocorrerão no mundo na Jornada Mundial do Trabalho Decente.
O foco deste ano não é, como em outras edições, contra o governo, mas sim contra os empresários, que têm adotado uma postura de resistência ao diálogo social, apesar dos esforços que vêm sendo feitos pelas Centrais Brasileiras e pelo Governo.
 
Percebe-se uma postura mundial dos empresários contra o diálogo social como ferramenta para o Trabalho Decente. Na 101ª Conferência Internacional do Trabalho, em 2012, em Genebra, os empresários de todo o mundo se levantaram e abandonaram a reunião da Comissão de Normas da Organização Internacional do Trabalho (OIT), no momento em que se discutia o direito de greve como algo consagrado na Convenção 87 da OIT. Foi uma atitude inédita na Conferência, e marcou o início de uma postura de rechaço ao diálogo por parte dos empresários ao redor do mundo.

Fonte: UGT 

Notícias Relacionadas

Após repercussão das denúncias de assédio sexual, Pedro Guimarães pede demissão

Testemunhos das vítimas vieram a público na terça-feira (28) e assustam pela quantidade de casos e pelo grau de desrespeito e crueldade; Ministério Público investiga em sigilo O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, entregou seu pedido de demissão na tarde desta quarta-feira (29) ao presidente da república, Jair Bolsonaro. A decisão foi tomada […]

Leia mais

NOTA OFICIAL

NOTA OFICIAL Pelo imediato afastamento de Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, e o acolhimento e preservação das vítimas Nós, bancárias de todo o Brasil, manifestamos nossa indignação pelos atos de assédio sexual praticados por Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, que ganharam repercussão na noite de desta terça-feira, 28/06/2022, ao serem divulgados […]

Leia mais

Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul repudia ações de Pedro Guimarães, acusado de assédio sexual

Além de apuração das denúncias, representação dos empregados pede afastamento do presidente da Caixa Após se tornar pública a acusação de assédio sexual feita por diferentes empregadas da Caixa Econômica Federal ao presidente Pedro Duarte Guimarães, a Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, se solidariza com as vítimas e manifesta […]

Leia mais

Sindicatos filiados