Cientista político defende regulação do sistema financeiro nacional

22.07.2012

Crédito: Joka Madruga Para Moisés Marques, concentração bancária no Brasil é perigosa Rede de Comunicação dos Bancários Andrea Ponte Souza e Renata Bessi A concentração bancária, que vem se mostrando uma tendência no cenário nacional, é perigosa, pois resulta em maior concentração de poder financeiro e político. A afirmação é do cientista político Moisés Marques, […]

Crédito: Joka Madruga

Para Moisés Marques, concentração bancária no Brasil é perigosa

Rede de Comunicação dos Bancários
Andrea Ponte Souza e Renata Bessi

A concentração bancária, que vem se mostrando uma tendência no cenário nacional, é perigosa, pois resulta em maior concentração de poder financeiro e político. A afirmação é do cientista político Moisés Marques, coordenador-geral do Centro 28 de Agosto do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região. "Os bancos possuem informações sobre a vida de seus clientes, possuem dinheiro para financiar eleições", advertiu ele, durante painel sobre conjuntura e sistema financeiro, neste sábado (21), no segundo dia da 14ª Conferência Nacional dos Bancários, em Curitiba.

Moisés avaliou que o sistema financeiro nacional passa por um momento delicado, em que os grandes bancos estão se apossando dos médios e pequenos. "Os pequenos bancos trabalham alavancados, ou seja, emprestam mais do que possuem, e costumam equacionar esse problema vendendo as dívidas para os maiores. Mas os grandes bancos, percebendo que os pequenos estão com problema de liquidez, estão deixando de comprar esses ativos e se lançando no movimento de engoli-los. Daí a tendência das fusões e concentração de poder", explicou Marques, citando como exemplos a aquisição de parte do Votorantim pelo Banco do Brasil e a do BMG pelo Itaú.

Ele ressaltou também a crise econômica mundial causada pela ganância dos bancos e a necessidade de mecanismos de regulação do sistema financeiro. "Os bancos precisam ser organizados e regulados para deixar de ser vetores de crise."

Nova geografia mundial do poder

Moisés também traçou um quadro geral das mudanças por que passa o mundo, destacando o descenso nas economias dos EUA e Europa; a ascensão dos Brics; o "surgimento" da África; novas questões no Oriente Médio; e a nova geografia do poder, com o Brasil, por exemplo, ganhando outra dimensão internacional. "Há uma nova geografia mundial do poder, surgiram novas formas de conflito, novos atores nas relações internacionais. Além disso, novos temas mundiais passaram a pautar a conjuntura, como o meio ambiente."

Notícias Relacionadas

Saúde, segurança, metas e violência contra as mulheres pautam reunião das Financeiras

Coletivo Nacional dos Financiários e Acrefi voltam à mesa de negociação pela Campanha Nacional 2024 Na tarde desta sexta-feira (19), o Coletivo Nacional dos Financiários da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) realizou mais uma rodada de negociações com a Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi). A pauta do […]

Leia mais

Quarta mesa de negociação do BB discute diversidade e igualdade de oportunidades

Para Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB), Banco do Brasil deu sinais de avanços importantes na reunião Na manhã desta sexta-feira (19), em São Paulo, foi realizada a quarta mesa de negociação específica da Campanha Nacional 2024 para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) do Banco do Brasil. A pauta principal […]

Leia mais

CEE Caixa realiza nova rodada de negociações focada em diversidade e igualdade de oportunidades

Além de diversidade e igualdade, foram discutidos temas como FUNCEF, escala de férias, telefone celular e escola inclusiva A Comissão Executiva dos Empregados (CEE) da Caixa Econômica Federal conduziu nesta sexta-feira (19) mais uma mesa de negociação para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) dos empregados da instituição. O tema central da discussão […]

Leia mais

Sindicatos filiados