Cientista político defende regulação do sistema financeiro nacional

22.07.2012

Crédito: Joka Madruga Para Moisés Marques, concentração bancária no Brasil é perigosa Rede de Comunicação dos Bancários Andrea Ponte Souza e Renata Bessi A concentração bancária, que vem se mostrando uma tendência no cenário nacional, é perigosa, pois resulta em maior concentração de poder financeiro e político. A afirmação é do cientista político Moisés Marques, […]

Crédito: Joka Madruga

Para Moisés Marques, concentração bancária no Brasil é perigosa

Rede de Comunicação dos Bancários
Andrea Ponte Souza e Renata Bessi

A concentração bancária, que vem se mostrando uma tendência no cenário nacional, é perigosa, pois resulta em maior concentração de poder financeiro e político. A afirmação é do cientista político Moisés Marques, coordenador-geral do Centro 28 de Agosto do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região. "Os bancos possuem informações sobre a vida de seus clientes, possuem dinheiro para financiar eleições", advertiu ele, durante painel sobre conjuntura e sistema financeiro, neste sábado (21), no segundo dia da 14ª Conferência Nacional dos Bancários, em Curitiba.

Moisés avaliou que o sistema financeiro nacional passa por um momento delicado, em que os grandes bancos estão se apossando dos médios e pequenos. "Os pequenos bancos trabalham alavancados, ou seja, emprestam mais do que possuem, e costumam equacionar esse problema vendendo as dívidas para os maiores. Mas os grandes bancos, percebendo que os pequenos estão com problema de liquidez, estão deixando de comprar esses ativos e se lançando no movimento de engoli-los. Daí a tendência das fusões e concentração de poder", explicou Marques, citando como exemplos a aquisição de parte do Votorantim pelo Banco do Brasil e a do BMG pelo Itaú.

Ele ressaltou também a crise econômica mundial causada pela ganância dos bancos e a necessidade de mecanismos de regulação do sistema financeiro. "Os bancos precisam ser organizados e regulados para deixar de ser vetores de crise."

Nova geografia mundial do poder

Moisés também traçou um quadro geral das mudanças por que passa o mundo, destacando o descenso nas economias dos EUA e Europa; a ascensão dos Brics; o "surgimento" da África; novas questões no Oriente Médio; e a nova geografia do poder, com o Brasil, por exemplo, ganhando outra dimensão internacional. "Há uma nova geografia mundial do poder, surgiram novas formas de conflito, novos atores nas relações internacionais. Além disso, novos temas mundiais passaram a pautar a conjuntura, como o meio ambiente."

Notícias Relacionadas

Banco do Brasil aprova atualização da Tabela PIP para beneficiar trabalhadores do Previ Futuro

Mudança na Pontuação Individual do Participante permite aumento na contribuição adicional e soma mais recursos para a aposentadoria, atendendo a antiga reivindicação dos funcionários O Banco do Brasil aprovou as mudanças na Tabela PIP (Pontuação Individual do Participante), uma reivindicação antiga dos trabalhadores, que permitirá aumentar a contribuição adicional para a aposentadoria. O anúncio foi […]

Leia mais

Eleições da Funcef: votação segue até sexta-feira (19)

Participantes da ativa e assistidos dos planos de previdência podem votar até sexta-feira (19), mas a orientação é não deixar para a última hora Teve início nesta terça-feira (16), a votação para as Eleições Funcef. Participantes dos planos de previdência da Funcef podem votar para definir quem vai ocupar a diretoria de Administração e Controladoria, […]

Leia mais

Feeb SP/MS dá posse para nova Diretoria

                Diretoria eleita assume quadriênio 2024/2028 A Federação dos Empregados em Estabelecimentos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SP/MS) empossou a nova diretoria da entidade, eleita durante o VIII Congresso Interestadual, realizado em março, em São Paulo. A posse foi oficializada no dia 08 […]

Leia mais

Sindicatos filiados