Cientista político defende regulação do sistema financeiro nacional

22.07.2012

Crédito: Joka Madruga Para Moisés Marques, concentração bancária no Brasil é perigosa Rede de Comunicação dos Bancários Andrea Ponte Souza e Renata Bessi A concentração bancária, que vem se mostrando uma tendência no cenário nacional, é perigosa, pois resulta em maior concentração de poder financeiro e político. A afirmação é do cientista político Moisés Marques, […]

Crédito: Joka Madruga

Para Moisés Marques, concentração bancária no Brasil é perigosa

Rede de Comunicação dos Bancários
Andrea Ponte Souza e Renata Bessi

A concentração bancária, que vem se mostrando uma tendência no cenário nacional, é perigosa, pois resulta em maior concentração de poder financeiro e político. A afirmação é do cientista político Moisés Marques, coordenador-geral do Centro 28 de Agosto do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região. "Os bancos possuem informações sobre a vida de seus clientes, possuem dinheiro para financiar eleições", advertiu ele, durante painel sobre conjuntura e sistema financeiro, neste sábado (21), no segundo dia da 14ª Conferência Nacional dos Bancários, em Curitiba.

Moisés avaliou que o sistema financeiro nacional passa por um momento delicado, em que os grandes bancos estão se apossando dos médios e pequenos. "Os pequenos bancos trabalham alavancados, ou seja, emprestam mais do que possuem, e costumam equacionar esse problema vendendo as dívidas para os maiores. Mas os grandes bancos, percebendo que os pequenos estão com problema de liquidez, estão deixando de comprar esses ativos e se lançando no movimento de engoli-los. Daí a tendência das fusões e concentração de poder", explicou Marques, citando como exemplos a aquisição de parte do Votorantim pelo Banco do Brasil e a do BMG pelo Itaú.

Ele ressaltou também a crise econômica mundial causada pela ganância dos bancos e a necessidade de mecanismos de regulação do sistema financeiro. "Os bancos precisam ser organizados e regulados para deixar de ser vetores de crise."

Nova geografia mundial do poder

Moisés também traçou um quadro geral das mudanças por que passa o mundo, destacando o descenso nas economias dos EUA e Europa; a ascensão dos Brics; o "surgimento" da África; novas questões no Oriente Médio; e a nova geografia do poder, com o Brasil, por exemplo, ganhando outra dimensão internacional. "Há uma nova geografia mundial do poder, surgiram novas formas de conflito, novos atores nas relações internacionais. Além disso, novos temas mundiais passaram a pautar a conjuntura, como o meio ambiente."

Notícias Relacionadas

Após repercussão das denúncias de assédio sexual, Pedro Guimarães pede demissão

Testemunhos das vítimas vieram a público na terça-feira (28) e assustam pela quantidade de casos e pelo grau de desrespeito e crueldade; Ministério Público investiga em sigilo O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, entregou seu pedido de demissão na tarde desta quarta-feira (29) ao presidente da república, Jair Bolsonaro. A decisão foi tomada […]

Leia mais

NOTA OFICIAL

NOTA OFICIAL Pelo imediato afastamento de Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, e o acolhimento e preservação das vítimas Nós, bancárias de todo o Brasil, manifestamos nossa indignação pelos atos de assédio sexual praticados por Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, que ganharam repercussão na noite de desta terça-feira, 28/06/2022, ao serem divulgados […]

Leia mais

Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul repudia ações de Pedro Guimarães, acusado de assédio sexual

Além de apuração das denúncias, representação dos empregados pede afastamento do presidente da Caixa Após se tornar pública a acusação de assédio sexual feita por diferentes empregadas da Caixa Econômica Federal ao presidente Pedro Duarte Guimarães, a Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, se solidariza com as vítimas e manifesta […]

Leia mais

Sindicatos filiados