COE Itaú e Comando Nacional se reúnem com diretor de RH do banco

27.08.2021

Mudanças do banco e demissões foram pautas centrais do encontro Nesta semana, representantes da Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SP/MS) na Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú, se reuniram com o Comando Nacional e o Banco. Participaram pela Feeb o secretario geral Reginaldo Breda […]

Mudanças do banco e demissões foram pautas centrais do encontro

Nesta semana, representantes da Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SP/MS) na Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú, se reuniram com o Comando Nacional e o Banco. Participaram pela Feeb o secretario geral Reginaldo Breda e o dirigente Walmir Gomes, do Sindicato dos Bancários de Santos, além dos dirigentes convidados Marcelo Abrahão, do Sindicato dos Bancários de Piracicaba e Vandernilson, do Sindicato de Campinas.

Entre as pautas centrais estão as mudanças recentes do banco e o aumento do número de demissões.

Os participantes debateram como as mudanças tem afetado a categoria e as relações de trabalho, os desafios para o banco com relação à concorrência, a atual conjuntura política, e consequências como o aumento do desemprego, da fome, da miséria e da população de rua.

De acordo com Reginaldo Breda, a reunião foi valida para explorar os temas acima que refletem significativamente na vida do trabalhador e da população de modo geral.

“Foi um debate importante onde colocamos em discussão nosso ponto de vista com relação à saída de muitos bancários de modo espontâneo. A leitura que fizemos e apresentamos ao RH do banco foi a de que muitos estão migrando para a concorrência por obterem melhores condições salariais e de trabalho, por exemplo”, aponta Breda.

Durante o encontro foram apresentadas ainda, as mudanças na estrutura do banco, das agências e na cultura funcional do banco. Ainda durante o encontro, bancários entregaram a pauta retirada do Encontro Nacional do Itaú e opinaram sobre as atuais condições de trabalho. “Destacamos que as condições gerais de trabalho não estão boas, como a cobrança de metas inatingíveis, falhas na comunicação com os funcionários, o adoecimento de muitos bancários também foi destacado. Muitos tem tomado remédios para poder trabalhar”, explica.

Para os funcionários, durante a mudança de cultura do banco implica principalmente no modo de olhar para seus funcionários. “É essencial que o banco melhore a sua relação com os próprios funcionários, que tem adoecido em razão do assédio moral e das cobranças excessivas”, finaliza Breda.
  

Notícias Relacionadas

Semana reforçou a conscientização sobre o combate às LER/Dort

A data chama atenção para duas doenças que têm relação direta com o trabalho e que atingem milhões de brasileiros Nesta semana, no dia 28 de fevereiro (última quarta-feira) foi o Dia Mundial de combate às Lesões por Esforços Repetitivos (LER) e Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort). A data foi escolhida pela Organização Internacional […]

Leia mais

COE e Itaú discutem revisões nos programas de remuneração

Durante a reunião foram apresentadas modificações nos programas. O movimento sindical deve elaborar contraproposta em breve  A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú realizou nesta quarta-feira (28), em São Paulo, uma reunião com a direção do banco para debater questões relacionadas à remuneração dos funcionários. Durante o encontro, o banco apresentou alterações nos […]

Leia mais

Trabalhadores discutem futuro da Fundação Itaú-Unibanco

Em seminário promovido pela Contraf-CUT e COE Itaú trabalhadores debateram caminhos para aumentar representatividade na gestão do fundo de pensão Trabalhadoras e trabalhadores associados à Fundação Itaú-Unibanco se reuniram, nesta quinta-feira (29), em um seminário organizado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e pela Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú, […]

Leia mais

Sindicatos filiados