COE Itaú é contra retorno ao trabalho presencial

14.09.2021

Acompanhamento médico individualizado para grupos de risco também foi cobrado pela representação dos trabalhadores Após reunião com o banco na última quinta-feira (9), a Comissão de Organização dos Empregados (COE) Itaú se posicionou contrária ao retorno presencial. A posição foi definida em reunião interna entre os membros da comissão, que avaliam que este ainda não […]

Acompanhamento médico individualizado para grupos de risco também foi cobrado pela representação dos trabalhadores

Após reunião com o banco na última quinta-feira (9), a Comissão de Organização dos Empregados (COE) Itaú se posicionou contrária ao retorno presencial. A posição foi definida em reunião interna entre os membros da comissão, que avaliam que este ainda não é o momento para o retorno devido ao baixo índice de imunizados em todo o Brasil, além da incerteza em algumas localidades.

Os representantes dos trabalhadores, cobram ainda, acompanhamento médico individualizado para os trabalhadores que fazem parte do grupo de risco, que retornarem às atividades.

Durante a reunião entre a COE e a direção do Banco, foi cobrada uma negociação para garantir um retorno programado, baseado em critérios científicos, com percentual de imunização superior a 70%, para não colocar em risco a saúde dos trabalhadores. Desde 1º de setembro, o banco permitiu que trabalhadores voluntários dos prédios administrativos voltem gradativamente aos locais de trabalho.

Membros do movimento sindical também cobraram como o departamento de saúde do trabalhador irá se comportar neste retorno.

O Itaú informou que existe fiscalização para garantir o respeito aos protocolos de saúde e segurança e que todo o sistema de infraestrutura do banco permanecerá híbrido, para evitar aglomerações nos escritórios.

Retorno às agências
Conforme acertado nos últimos encontros, o banco comunicou aos dirigentes sindicais, antes mesmo de publicar comunicado interno, o retorno, obrigatório a partir de 4 de outubro, das pessoas do grupo de risco de agências e que tem o ciclo vacinal completo. Sendo opcional a partir de 20 de setembro.

Caso alguém não tenha tomado as duas doses, o banco vai aguardar a data da segunda dose, mais 14 dias, período de imunização completa, para cobrar o retorno.

As gestantes de agência não retornarão ao trabalho presencial em todo o Brasil.

 

Notícias Relacionadas

Combate ao assédio e GDP são temas de reunião entre Sindicatos dos Bancários e representantes do BB

Dirigentes sindicais propõem suspensão do descomissionamento por avaliação     A Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB), formada por dirigentes sindicais, se reuniu nesta terça-feira (30) com representantes do banco. A reunião ocorreu em formato virtual e tratou de temas como combate ao assédio e avaliação da Gestão de Desempenho Profissional (GDP). […]

Leia mais

TRF1 suspende liminar que afastou presidente da Previ

Desembargador atesta legalidade e capacidade técnica da Previc, entidade pública responsável por gerenciar as operadoras de previdência privada no país e que habilitou João Fukunaga a exercer o cargo O desembargador federal Rafael Paulo Soares Pinto, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), derrubou, no início da noite desta segunda-feira (29), a liminar que […]

Leia mais

Comando Nacional cobra celeridade nas demandas durante a retomada da mesa permanente de saúde

Garantia das normas acordadas na CCT foi ressaltada pela representação dos trabalhadores   A mesa permanente de saúde foi retomada nesta segunda-feira (29), em reunião entre representantes do Comando Nacional e da Comissão de Negociações da Federação Nacional dos Bancos (CN Fenaban). O movimento sindical pediu celeridade no retorno das demandas e a garantia das […]

Leia mais

Sindicatos filiados