Comissão de Empregados rejeita propostas da Caixa para o plano de saúde

21.08.2020

O banco apresentou propostas que alteravam o modelo de custeio para pagamento do Saúde Caixa e que onera os trabalhadores A Comissão Executiva dos Empregados da Caixa (CEE/Caixa) rejeitou as propostas da Caixa para a mudança no plano Saúde Caixa durante a reunião da mesa de negociação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) nesta sexta-feira […]

O banco apresentou propostas que alteravam o modelo de custeio para pagamento do Saúde Caixa e que onera os trabalhadores

A Comissão Executiva dos Empregados da Caixa (CEE/Caixa) rejeitou as propostas da Caixa para a mudança no plano Saúde Caixa durante a reunião da mesa de negociação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) nesta sexta-feira (21). Na última quarta-feira (19), o banco apresentou seis propostas que alteravam o modelo de custeio feito atualmente e todos afetam fortemente o pagamento do plano, onerando os trabalhadores.

O banco propõe a individualização por faixa etária do plano de saúde, alegando a sustentabilidade do Saúde Caixa. A Comissão dos Empregados nega. "O atual modelo do Saúde Caixa é sustentável e garante o pacto intergeracional, o mutualismo e a solidariedade com todos os empregados. O teto de gastos colocado pela Caixa é prejudicial aos empregados e são esses trabalhadores que lutam todo dia para construir a empresa que é a Caixa. Nós estamos rejeitando as propostas", reforçou a coordenadora da CEE/Caixa e secretária da Cultura da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Fabiana Uehara Proscholdt. A coordenadora informou ainda que a CEE continua aberta a negociações, mas essas propostas não contemplam todos os empregados.

O teto de gasto que a coordenadora se refere é de 6,5%. O valor foi apresentado pela Caixa com a justifica de que seria fundamental para a manutenção da competitividade da Caixa no sistema financeiro. "A Caixa informou que esse teto de gastos colocado foi justificado para poder dar competitividade a empresa, mas não é isso que vemos. A Caixa tem sim é perdido mercado", afirmou Fabiana.

Vale lembrar que na reunião anterior sobre Saúde Caixa a Caixa avaliou que para atender a CPC 33, ao estatuto da empresa, às resoluções da CGPAR e às demandas de usuários seria necessária uma cobrança individualizada dos mutuários.

Atualmente, o custo do Saúde Caixa é divido igualmente para todos os beneficiários. Com 70% do valor custeado pela empresa e o restante pago pelos trabalhadores. O modelo permite que todos os trabalhares condições de pagar o plano de saúde de forma solidaria com todas as faixas etárias e condições salariais.

As propostas apresentadas pela Caixa foram duramente criticadas pelos representantes dos empregados. Para Edgar Antônio Bastos Lima (Fenacef), as propostas não são sustentáveis para todos os empregados. “Precisamos ter o Saúde Caixa para todos os empregados, inclusive para os aposentados e para aqueles que ainda aguardam a decisão da Caixa em inseri-los no plano de saúde. Os aposentados já têm a renda comprometida por causa do equacionamento”, avaliou.

Outra crítica é a falta de dados apresentados pela Caixa. O movimento está prejudicado uma vez que a Caixa não entrega todas as informações – relatórios atuariais – sem poder avaliar as questões financeiras. “Nós rejeitamos as propostas na mesa de negociação porque não podemos construir algo que melhore o nosso plano sem todas as informações”, afirmou Carlos Augusto Silva (FEEB-SP/MS).

A Caixa avaliou que o modelo atual de 70/30 como defasado e ainda destacou que incluir o teto de 6,5% é incompatível. Para o banco, o modelo mais viável é a proposta 1. O banco condicionou ainda a entrada de novos empregados ao Saúde Caixa à aceitação da CEE à individualização do plano.

Contratação

Após reivindicação da Comissão de Empregados, a Caixa sinalizou que está sendo estudada a contratação de mais empregados. A situação está sendo analisada pela Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (Sest).

Agenda

Uma nova mesa de negociação está agenda para a próxima segunda-feira (24) já com as propostas de PLR. O horário ainda será definido.
 

Notícias Relacionadas

Semana reforçou a conscientização sobre o combate às LER/Dort

A data chama atenção para duas doenças que têm relação direta com o trabalho e que atingem milhões de brasileiros Nesta semana, no dia 28 de fevereiro (última quarta-feira) foi o Dia Mundial de combate às Lesões por Esforços Repetitivos (LER) e Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort). A data foi escolhida pela Organização Internacional […]

Leia mais

COE e Itaú discutem revisões nos programas de remuneração

Durante a reunião foram apresentadas modificações nos programas. O movimento sindical deve elaborar contraproposta em breve  A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú realizou nesta quinta-feira (28), em São Paulo, uma reunião com a direção do banco para debater questões relacionadas à remuneração dos funcionários. Durante o encontro, o banco apresentou alterações nos […]

Leia mais

Trabalhadores discutem futuro da Fundação Itaú-Unibanco

Em seminário promovido pela Contraf-CUT e COE Itaú trabalhadores debateram caminhos para aumentar representatividade na gestão do fundo de pensão Trabalhadoras e trabalhadores associados à Fundação Itaú-Unibanco se reuniram, nesta quinta-feira (29), em um seminário organizado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e pela Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú, […]

Leia mais

Sindicatos filiados