Dia Mundial de Combate à Aids

01.12.2022

O dia 1º de dezembro é o Dia Mundial  de Combate à Aids. A data foi escolhida pela Organização Mundial de Saúde e é celebrada anualmente desde 1988 no Brasil, um ano após a Assembleia Mundial de Saúde que fixou a data de comemoração. O objetivo da data é conscientizar as pessoas para o problema, acabar […]

O dia 1º de dezembro é o Dia Mundial  de Combate à Aids. A data foi escolhida pela Organização Mundial de Saúde e é celebrada anualmente desde 1988 no Brasil, um ano após a Assembleia Mundial de Saúde que fixou a data de comemoração.

O objetivo da data é conscientizar as pessoas para o problema, acabar com a discriminação e promover informações relacionadas à prevenção e ao tratamento. Até o momento não existe cura para a doença, por isso a necessidade de enfatizar políticas de proteção.

“Temos que falar sobre o assunto em todas as esferas da nossa sociedade, principalmente no ambiente bancário. Além de combater a doença é preciso combater o preconceito. O fato de não haver cura, não significa que a pessoa não possa trabalhar e conviver normalmente na sociedade. Toda forma de discriminação precisa ser denunciada e erradicada”, explica Reginaldo Breda, secretário geral da Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul.

Além de informação pública, a data também remete à solidariedade e ao respeito ao próximo. A luta contra a doença é ilustrada por um laço vermelho, que simboliza sangue e paixão.

Dados

Conforme estudos realizados pela Agência de Notícias da Aids, com dados de 2021, ao menos cinco pessoas foram infectadas por hora no Brasil, o que fez o país chegar ao número de 960 mil pessoas vivendo com HIV. Em 2021, 13 mil pessoas morreram no Brasil em decorrência da doença. No mundo, o total foi de 650 mil pessoas.

 

Aids e HIV

A Aids (imunodeficiência adquirida) é uma doença causada pelo vírus HIV (imunodeficiência humana). A contaminação pode ocorrer via contato sexual desprotegido, transfusão sanguínea e compartilhamento de objetos perfurocortantes. Uma pessoa pode ser HIV positivo e não ter Aids. A Aids é o estágio mais avançado da doença, ou seja, quando o sistema imunológico encontra-se bem debilitado.

Prevenção

O uso de preservativo é uma das formas de prevenção da doença. Hoje, há ainda outros recursos para se defender do HIV e da aids. Para a doença, já existem tratamentos eficazes, que, ainda que não promovam a cura, fazem com que ela não evolua e se transforme em uma enfermidade controlada.

O uso de antirretrovirais permite a pessoas que vivem com HIV alcançar a chamada supressão viral, que é a redução da carga viral tão significativa a ponto de sequer ser detectada nos exames. Esse é o chamado tratamento como prevenção (TcP), com o qual evidências científicas mostram que até a transmissão pode não ocorrer em uma relação sexual desprotegida, ou sem preservativo.

Outras estratégias surgidas recentemente são usadas para a prevenção de pessoas que não são HIV positivas. São duas modalidades: a Profilaxia Pós-exposição (PEP) e a Profilaxia Pré-exposição (PrEP). A PEP é prescrita a quem tenha feito sexo desprotegido ou sido exposta ao HIV ocasional ou acidentalmente, e o medicamento deve começar a ser tomado até 72 horas após o contato e se estende por um mês. A PrEP é indicada a pessoas com comportamento de risco, com administração contínua e diária.

No Brasil, o TcP, a PEP e a PrEP são garantidos de forma universal e sem custos, disponíveis no Sistema Único de Saúde, o SUS. Confira detalhes sobre todas as formas de prevenção e tratamentos na página do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids – Unaids.

 

História do preconceito

Os primeiros casos de Aids foram descobertos nos Estados UnidosHaiti e África Central em 1977 e 1978, mas só foram classificados como a síndrome em 1982, quando se compreendeu melhor a doença. No Brasil, o primeiro caso foi diagnosticado em São Paulo, em 1980. As formas de transmissão da doença começaram a ser entendidas em 1982.

Nessa época, o preconceito ainda era muito grande. A falta de conhecimento sobre a doença levou à adoção do nome doença dos 5H:

  • homossexuais,
  • hemofílicos,
  • haitianos,
  • heroinômanos (que usam heroína),
  • hookers(termo em inglês que se refere a prostitutas).

Somente em 1985 começou-se a falar em comportamentos de risco em substituição ao termo grupos de risco.

Em 1991, iniciou-se a compra de medicamentos antirretrovirais para distribuição gratuita e, em 1993, o Brasil começou a produção do coquetel que trata a Aids (AZT). Somente em 1996 foi criada uma lei sobre o direito do doente de receber o medicamento gratuitamente, o que impulsionou a melhora da qualidade de vida dos milhares de infectados. O Brasil avançou na luta contra a doença e, em 1999, já disponibilizava 15 diferentes medicamentos para tratar a Aids.

Em alerta às injustiças  e preconceitos, a Organização das Nações Unidas – ONU lançou há poucos dias o relatório, em inglês, Dangerous inequalities, ou Desigualdades perigosas.

Conheça detalhes do relatório, em português, em postagem da Unaids e reportagem do site da ONU.

Feeb SP/MS, com informações Contraf Cut, uol, ONU.

 

Notícias Relacionadas

Santander anuncia campanha de vacinação aos bancários do Santander

Bancários do Santander já podem se inscrever para a Campanha de Vacinação 2024 Funcionários do Santander já podem se inscrever para o programa de vacinação contra a gripe.  A iniciativa é aberta para todos e ocorre em conformidade com a pauta permanente do movimento sindical em prol da saúde dos trabalhadores. Conforme o comunicado enviado […]

Leia mais

Reestruturação Bradesco: Representantes dos empregados cobram compromisso com o emprego

Em reunião com representantes do Banco, COE cobra explicações sobre reestruturação anunciada A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Bradesco se reuniu, na tarde de sexta-feira (1º), com a direção do banco para cobrar explicações sobre a reestruturação, anunciada pelo novo presidente do banco, Marcelo Noronha, no dia 7 de fevereiro, em entrevista coletiva, […]

Leia mais

Semana reforçou a conscientização sobre o combate às LER/Dort

A data chama atenção para duas doenças que têm relação direta com o trabalho e que atingem milhões de brasileiros Nesta semana, no dia 28 de fevereiro (última quarta-feira) foi o Dia Mundial de combate às Lesões por Esforços Repetitivos (LER) e Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort). A data foi escolhida pela Organização Internacional […]

Leia mais

Sindicatos filiados