Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência

21.09.2022

Data tem o objetivo de promover a inclusão social da PCD Nesta quarta-feira, dia 21 de setembro, é celebrado o Dia Nacional de Luta da Pessoa Portadora de Deficiência. A data foi estabelecida em 2005, pela Lei nº 11.133, como instrumento para estimular a conscientização a respeito dos direitos e da obrigação social pela inclusão de […]

Data tem o objetivo de promover a inclusão social da PCD

Nesta quarta-feira, dia 21 de setembro, é celebrado o Dia Nacional de Luta da Pessoa Portadora de Deficiência. A data foi estabelecida em 2005, pela Lei nº 11.133, como instrumento para estimular a conscientização a respeito dos direitos e da obrigação social pela inclusão de pessoas com deficiência física, visual, auditiva, mental ou múltipla.

A deficiência é definida como limitação ou incapacidade para o desempenho de atividades, que leva a pessoa a ter necessidade de atenção, que inclui ações de promoção, prevenção, assistência, reabilitação e manutenção da saúde.

Dentro do sistema financeiro, a acessibilidade tem sido uma das principais frentes de luta. “Ainda encontramos muitas dificuldades para acesso às agências bancárias e aos aplicativos. Hoje o que é oferecido pelos bancos não contempla todas as deficiências. O banco tem que quebrar essas barreiras e como pessoa com deficiência, luto para que todas elas sejam quebradas e para que nossos direitos sejam acessados”, diz Letícia Françoso, dirigente sindical do Sindicato dos Bancários de Piracicaba.

Cenário

Hoje, a Lei 8.213/1991 reserva porcentagens de vagas para pessoa com deficiência (PcD) conforme o tamanho da empresa: as que têm entre 100 e 200 funcionários devem garantir uma cota de 2%; entre 201 e 500, 3%; entre 501 e 1000, 4%; e, acima de 1000, 5%.

No entanto, como mostra reportagem do portal Diário PcD, a última Relação Anual de Informações Sociais (Rais), de 2020, demonstra que as PcD em empregos formais no país representam apenas 1% do total de contratações pela CLT. Isso significa que de 46,63 milhões de profissionais com carteira assinada no país, apenas 486 mil são PcD. Dados do Caged, obtidas em 2021, mostram que o número de PcD e reabilitados desligados no país atualmente é maior do que o de contratações, cenário que se agravou ao longo da pandemia de Covid-19.

Campanha Nacional 2022

Na Campanha Nacional 2022, a categoria apresentou uma série de reivindicações em defesa dos direitos das PcD, na mesa de Igualdade de Oportunidades. Nas negociações, os representantes dos bancos se mostraram receptivos e garantiram que a pauta será debatida em mesa temática, com a Comissão de Gênero, Raça e Orientação Sexual (CGROS).

Estatuto

Os direitos individuais e as responsabilidades sociais do Estado relacionados à PcD foram definidos em 2006 pela Organização das Nações Unidas (ONU), com a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência.

No Brasil, os princípios desse tratado foram ratificados dois anos depois e institucionalizados em 2015 pela Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (LBI),  nº 13.146, mais conhecida como Estatuto da Pessoa com Deficiência.

A LBI trata de discriminação, atendimento prioritário, direito à reabilitação e acessibilidade, como também autoriza saque do Fundo de Garantia de Tempo de Serviço (FGTS) para aquisição de próteses e órteses (aparelhos para alinhamento ou correção de uma parte do corpo).

Dever do Estado

Política Nacional de Saúde da Pessoa com Deficiência determina como fundamental a promoção da qualidade de vida da pessoa com deficiência. Entre as ações garantidas à PcD estão assistência integral à saúde, ampliação de informação, fornecimento dos serviços de atenção e capacitação de recursos humanos.

Toda pessoa com deficiência tem direito ao cuidado de sua saúde, que deve ser prestado, em especial, pelos profissionais do programa da Saúde da Família, em sua própria residência, quando necessário ou mais confortável, ou em uma unidade de saúde, quando mais indicado.

Suporte legal

Há um conjunto de leis sobre direitos específicos e amparo à PcD, entre elas as que garantem dedução do Imposto de Renda (Lei n° 7.713/1998),  integração social (7.853/1989), reserva de 2% a 5% de vagas em empresas com 100 ou mais empregados (8.213/1991) e condições de acessibilidade (10.098/2000), além da que reconhece a Língua Brasileira da Sinais (Libras) para os surdos (10.436/2002).

Contraf Cut, com edição Feeb SP/MS

Notícias Relacionadas

Campanha Salarial: Trabalhadores Reivindicam Melhores Condições de Trabalho e Inclusão

Movimento sindical exige aumento de contratações, cumprimento da cota e garantia de acessibilidade para melhorar condições de trabalho e ascensão profissional de pessoas com deficiência Trabalhadores iniciaram mais uma mesa de negociação da Campanha Nacional nesta quinta-feira (18). Com o tema “Saúde e Condições de Trabalho”, membros do Comando Nacional dos Bancários cobraram da Comissão […]

Leia mais

5ª Conferência Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência avança na retomada das discussões e direitos

Letícia Françoso, representante da Feeb SP/MS lidera delegação do Estado de São Paulo na conferência que marcou a retomada das discussões nacionais sobre os direitos das pessoas com deficiência A 5ª Conferência Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência, que teve como tema “Cenário Atual e Futuro na Implementação dos Direitos da Pessoa com Deficiência […]

Leia mais

Feeb SP/MS realiza plenária sobre descomissionamento dos caixas do BB

A Federação dos Empregados em Estabelecimentos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso (Feeb SP/MS) realiza na próxima segunda-feira (22/07), uma plenária on-line, às 18h30, para bancários do Banco do Brasil. O objetivo é esclarecer a recente decisão do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) em Brasília, que cassou, a liminar que mantinha o […]

Leia mais

Sindicatos filiados