Em Piracicaba, bancários fecham os cinco principais bancos

20.09.2013

Com uma adesão de 95% dos bancários das principais agências dos cinco maiores bancos de Piracicaba, a diretoria do SINDBAN (Sindicato dos Bancários de Piracicaba e Região) avaliou como vitorioso o primeiro dia de greve. A proposta do Sindicato era parar 302 bancários das principais agências dos cinco maiores bancos e 95% deles não entraram […]

Com uma adesão de 95% dos bancários das principais agências dos cinco maiores bancos de Piracicaba, a diretoria do SINDBAN (Sindicato dos Bancários de Piracicaba e Região) avaliou como vitorioso o primeiro dia de greve. A proposta do Sindicato era parar 302 bancários das principais agências dos cinco maiores bancos e 95% deles não entraram para trabalhar e aderiram a greve.

“A vitória de hoje foi extraordinária. Nos últimos dez anos não tínhamos visto uma paralisação como essa. Fechar o Bradesco era uma proposta antiga e o índice alcançado hoje é extremamente alto se comparado aos anos anteriores. Paramos as cinco agências do Centro e a ideia agora é ampliar a meta para o segundo dia de greve”, afirmou o presidente do SINDBAN, José Antonio Fernandes Paiva.

Paiva acrescentou que esta é uma greve com características diferenciadas, pois não foi induzida, mas assumida pelos bancários. “Os bancários foram construindo a cada momento a ampliação do movimento e o fato positivo é que a greve se expandiu espontaneamente para outros bancos e agências de Piracicaba, Santa Bárbara do Oeste, Rio das Pedras, Capivari, São Pedro, Tietê, Cerquilho e Conchas”, salientou.

No final da tarde, a diretoria se reuniu para avaliar o primeiro dia de greve e traçar as estratégias e metas para esta sexta-feira. “Alteramos o conceito de avaliação da greve, trabalhando não mais com as agências que estão atendendo os clientes, mas sim com aqueles bancários que não compareceram para trabalhar, aderindo à proposta de greve. Amanhã seguiremos com o mesmo processo de paralisação. O movimento vai continuar forte e acreditamos que podemos chegar a uma avaliação ainda mais positiva da greve”, finalizou Paiva.

Texto: Michelle Bottin
Foto: Elison Godoi Ferreira

Notícias Relacionadas

Saúde, segurança, metas e violência contra as mulheres pautam reunião das Financeiras

Coletivo Nacional dos Financiários e Acrefi voltam à mesa de negociação pela Campanha Nacional 2024 Na tarde desta sexta-feira (19), o Coletivo Nacional dos Financiários da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) realizou mais uma rodada de negociações com a Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi). A pauta do […]

Leia mais

Quarta mesa de negociação do BB discute diversidade e igualdade de oportunidades

Para Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB), Banco do Brasil deu sinais de avanços importantes na reunião Na manhã desta sexta-feira (19), em São Paulo, foi realizada a quarta mesa de negociação específica da Campanha Nacional 2024 para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) do Banco do Brasil. A pauta principal […]

Leia mais

CEE Caixa realiza nova rodada de negociações focada em diversidade e igualdade de oportunidades

Além de diversidade e igualdade, foram discutidos temas como FUNCEF, escala de férias, telefone celular e escola inclusiva A Comissão Executiva dos Empregados (CEE) da Caixa Econômica Federal conduziu nesta sexta-feira (19) mais uma mesa de negociação para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) dos empregados da instituição. O tema central da discussão […]

Leia mais

Sindicatos filiados