Em Piracicaba, bancários fecham os cinco principais bancos

20.09.2013

Com uma adesão de 95% dos bancários das principais agências dos cinco maiores bancos de Piracicaba, a diretoria do SINDBAN (Sindicato dos Bancários de Piracicaba e Região) avaliou como vitorioso o primeiro dia de greve. A proposta do Sindicato era parar 302 bancários das principais agências dos cinco maiores bancos e 95% deles não entraram […]

Com uma adesão de 95% dos bancários das principais agências dos cinco maiores bancos de Piracicaba, a diretoria do SINDBAN (Sindicato dos Bancários de Piracicaba e Região) avaliou como vitorioso o primeiro dia de greve. A proposta do Sindicato era parar 302 bancários das principais agências dos cinco maiores bancos e 95% deles não entraram para trabalhar e aderiram a greve.

“A vitória de hoje foi extraordinária. Nos últimos dez anos não tínhamos visto uma paralisação como essa. Fechar o Bradesco era uma proposta antiga e o índice alcançado hoje é extremamente alto se comparado aos anos anteriores. Paramos as cinco agências do Centro e a ideia agora é ampliar a meta para o segundo dia de greve”, afirmou o presidente do SINDBAN, José Antonio Fernandes Paiva.

Paiva acrescentou que esta é uma greve com características diferenciadas, pois não foi induzida, mas assumida pelos bancários. “Os bancários foram construindo a cada momento a ampliação do movimento e o fato positivo é que a greve se expandiu espontaneamente para outros bancos e agências de Piracicaba, Santa Bárbara do Oeste, Rio das Pedras, Capivari, São Pedro, Tietê, Cerquilho e Conchas”, salientou.

No final da tarde, a diretoria se reuniu para avaliar o primeiro dia de greve e traçar as estratégias e metas para esta sexta-feira. “Alteramos o conceito de avaliação da greve, trabalhando não mais com as agências que estão atendendo os clientes, mas sim com aqueles bancários que não compareceram para trabalhar, aderindo à proposta de greve. Amanhã seguiremos com o mesmo processo de paralisação. O movimento vai continuar forte e acreditamos que podemos chegar a uma avaliação ainda mais positiva da greve”, finalizou Paiva.

Texto: Michelle Bottin
Foto: Elison Godoi Ferreira

Notícias Relacionadas

Após repercussão das denúncias de assédio sexual, Pedro Guimarães pede demissão

Testemunhos das vítimas vieram a público na terça-feira (28) e assustam pela quantidade de casos e pelo grau de desrespeito e crueldade; Ministério Público investiga em sigilo O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, entregou seu pedido de demissão na tarde desta quarta-feira (29) ao presidente da república, Jair Bolsonaro. A decisão foi tomada […]

Leia mais

NOTA OFICIAL

NOTA OFICIAL Pelo imediato afastamento de Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, e o acolhimento e preservação das vítimas Nós, bancárias de todo o Brasil, manifestamos nossa indignação pelos atos de assédio sexual praticados por Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, que ganharam repercussão na noite de desta terça-feira, 28/06/2022, ao serem divulgados […]

Leia mais

Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul repudia ações de Pedro Guimarães, acusado de assédio sexual

Além de apuração das denúncias, representação dos empregados pede afastamento do presidente da Caixa Após se tornar pública a acusação de assédio sexual feita por diferentes empregadas da Caixa Econômica Federal ao presidente Pedro Duarte Guimarães, a Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, se solidariza com as vítimas e manifesta […]

Leia mais

Sindicatos filiados