Em Sorocaba, Bradesco ‘arma circo’ em greve

25.09.2013

No sétimo dia de greve, gerentes do banco pressionaram funcionários a voltar ao trabalho causando tumulto nas portas das agências Desesperados pela possibilidade de ver as agências fechadas mais um dia, os gerentes do banco Bradesco tentaram usar a força bruta para forçar os funcionários a voltar a seus postos de trabalho. Ligando insistentemente nos […]

No sétimo dia de greve, gerentes do banco pressionaram funcionários a voltar ao trabalho causando tumulto nas portas das agências

Desesperados pela possibilidade de ver as agências fechadas mais um dia, os gerentes do banco Bradesco tentaram usar a força bruta para forçar os funcionários a voltar a seus postos de trabalho. Ligando insistentemente nos celulares dos funcionários, os gerentes da maioria das agências do Bradesco de Sorocaba pressionaram e coagiram os bancários para que estes voltassem ao trabalho. A tática tentada pelas gerências foi a de deixar todas as portas das agências destravadas e ordenar a todos os funcionários que entrassem por elas em bandos, usando a força física para driblar os dirigentes sindicais que ali estivessem.

Porém, a atitude de desespero dos gerentes não funcionou e só gerou tumulto na porta dos bancos. Coagidos e ameaçados numa clara demonstração de assédio moral, os funcionários se aglomeraram em grupos nas portas das agências, aguardando para saber o que aconteceria. Os gerentes então, vendo-os de dentro do banco, obrigavam-nos a entrar, sob ameaças. Os dirigentes sindicais, por sua vez, postados nas portas do banco, instruíam que a greve é um direito de todos os bancários e que ela era necessária para mudar a situação da categoria e da sociedade, que merece um atendimento melhor, com mais funcionários.

Sem saber o que fazer, os bancários esperaram ansiosos, por cerca de uma hora e meia em frente às agências. Percebendo que a pressão e a tática dos gerentes não adiantariam, se dispersaram e foram embora. Uma funcionária revelou que a ordem era que atendessem os clientes no saguão do banco, caso não conseguissem entrar. Uma outra, chorava em desespero pela pressão e as ameaças recebidas do gerente. Na agência do Bradesco da rua São Bento, no centro de Sorocaba, o gerente geral forçou a entrada de funcionários empurrando uma dirigente sindical de estatura pequena e idade superior a 60 anos, que estava na porta do banco. A violência não deu certo e só gerou mais confusão. A TV e os jornais documentaram a situação nas agências.

Depois de quase uma hora e meia de tensão, a situação se acalmou e os gerentes, percebendo que a pressão não adiantaria mais e que o horário de abertura das agências já havia passado, se conformaram. “Essa é uma situação absurda, vemos que os gerentes chegaram a seu extremo, perdendo a noção do que é cidadania, do que são direitos – não só do bancário, mas do ser humano. Um gerente que faz funcionário chorar, que não permite o uso do banheiro, que empurra dirigente sindical dessa maneira, não tem preparo para ocupar o cargo que exerce”, comenta Julio Cesar Machado, presidente do Sindicato dos Bancários de Sorocaba e Região.

Juliana Alonço – Sindicato dos Bancários de Sorocaba

Notícias Relacionadas

Saúde, segurança, metas e violência contra as mulheres pautam reunião das Financeiras

Coletivo Nacional dos Financiários e Acrefi voltam à mesa de negociação pela Campanha Nacional 2024 Na tarde desta sexta-feira (19), o Coletivo Nacional dos Financiários da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) realizou mais uma rodada de negociações com a Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi). A pauta do […]

Leia mais

Quarta mesa de negociação do BB discute diversidade e igualdade de oportunidades

Para Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB), Banco do Brasil deu sinais de avanços importantes na reunião Na manhã desta sexta-feira (19), em São Paulo, foi realizada a quarta mesa de negociação específica da Campanha Nacional 2024 para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) do Banco do Brasil. A pauta principal […]

Leia mais

CEE Caixa realiza nova rodada de negociações focada em diversidade e igualdade de oportunidades

Além de diversidade e igualdade, foram discutidos temas como FUNCEF, escala de férias, telefone celular e escola inclusiva A Comissão Executiva dos Empregados (CEE) da Caixa Econômica Federal conduziu nesta sexta-feira (19) mais uma mesa de negociação para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) dos empregados da instituição. O tema central da discussão […]

Leia mais

Sindicatos filiados