Em Sorocaba, Bradesco ‘arma circo’ em greve

25.09.2013

No sétimo dia de greve, gerentes do banco pressionaram funcionários a voltar ao trabalho causando tumulto nas portas das agências Desesperados pela possibilidade de ver as agências fechadas mais um dia, os gerentes do banco Bradesco tentaram usar a força bruta para forçar os funcionários a voltar a seus postos de trabalho. Ligando insistentemente nos […]

No sétimo dia de greve, gerentes do banco pressionaram funcionários a voltar ao trabalho causando tumulto nas portas das agências

Desesperados pela possibilidade de ver as agências fechadas mais um dia, os gerentes do banco Bradesco tentaram usar a força bruta para forçar os funcionários a voltar a seus postos de trabalho. Ligando insistentemente nos celulares dos funcionários, os gerentes da maioria das agências do Bradesco de Sorocaba pressionaram e coagiram os bancários para que estes voltassem ao trabalho. A tática tentada pelas gerências foi a de deixar todas as portas das agências destravadas e ordenar a todos os funcionários que entrassem por elas em bandos, usando a força física para driblar os dirigentes sindicais que ali estivessem.

Porém, a atitude de desespero dos gerentes não funcionou e só gerou tumulto na porta dos bancos. Coagidos e ameaçados numa clara demonstração de assédio moral, os funcionários se aglomeraram em grupos nas portas das agências, aguardando para saber o que aconteceria. Os gerentes então, vendo-os de dentro do banco, obrigavam-nos a entrar, sob ameaças. Os dirigentes sindicais, por sua vez, postados nas portas do banco, instruíam que a greve é um direito de todos os bancários e que ela era necessária para mudar a situação da categoria e da sociedade, que merece um atendimento melhor, com mais funcionários.

Sem saber o que fazer, os bancários esperaram ansiosos, por cerca de uma hora e meia em frente às agências. Percebendo que a pressão e a tática dos gerentes não adiantariam, se dispersaram e foram embora. Uma funcionária revelou que a ordem era que atendessem os clientes no saguão do banco, caso não conseguissem entrar. Uma outra, chorava em desespero pela pressão e as ameaças recebidas do gerente. Na agência do Bradesco da rua São Bento, no centro de Sorocaba, o gerente geral forçou a entrada de funcionários empurrando uma dirigente sindical de estatura pequena e idade superior a 60 anos, que estava na porta do banco. A violência não deu certo e só gerou mais confusão. A TV e os jornais documentaram a situação nas agências.

Depois de quase uma hora e meia de tensão, a situação se acalmou e os gerentes, percebendo que a pressão não adiantaria mais e que o horário de abertura das agências já havia passado, se conformaram. “Essa é uma situação absurda, vemos que os gerentes chegaram a seu extremo, perdendo a noção do que é cidadania, do que são direitos – não só do bancário, mas do ser humano. Um gerente que faz funcionário chorar, que não permite o uso do banheiro, que empurra dirigente sindical dessa maneira, não tem preparo para ocupar o cargo que exerce”, comenta Julio Cesar Machado, presidente do Sindicato dos Bancários de Sorocaba e Região.

Juliana Alonço – Sindicato dos Bancários de Sorocaba

Notícias Relacionadas

Após repercussão das denúncias de assédio sexual, Pedro Guimarães pede demissão

Testemunhos das vítimas vieram a público na terça-feira (28) e assustam pela quantidade de casos e pelo grau de desrespeito e crueldade; Ministério Público investiga em sigilo O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, entregou seu pedido de demissão na tarde desta quarta-feira (29) ao presidente da república, Jair Bolsonaro. A decisão foi tomada […]

Leia mais

NOTA OFICIAL

NOTA OFICIAL Pelo imediato afastamento de Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, e o acolhimento e preservação das vítimas Nós, bancárias de todo o Brasil, manifestamos nossa indignação pelos atos de assédio sexual praticados por Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, que ganharam repercussão na noite de desta terça-feira, 28/06/2022, ao serem divulgados […]

Leia mais

Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul repudia ações de Pedro Guimarães, acusado de assédio sexual

Além de apuração das denúncias, representação dos empregados pede afastamento do presidente da Caixa Após se tornar pública a acusação de assédio sexual feita por diferentes empregadas da Caixa Econômica Federal ao presidente Pedro Duarte Guimarães, a Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, se solidariza com as vítimas e manifesta […]

Leia mais

Sindicatos filiados