Federação dos Bancários pede atenção de parlamentares para caso BB

15.03.2021

Nesta segunda-feira (15), a Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SP/MS) pediu apoio de parlamentares para a questão referente à reestruturação do Banco do Brasil e apoio à defesa do banco público. A reestruturação prevê o fechamento de 362 unidades e a diminuição de mais de cinco […]

Nesta segunda-feira (15), a Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SP/MS) pediu apoio de parlamentares para a questão referente à reestruturação do Banco do Brasil e apoio à defesa do banco público. A reestruturação prevê o fechamento de 362 unidades e a diminuição de mais de cinco mil funcionários.

A Feeb SP/MS é responsável pela representação de 23 Sindicatos e 40 mil bancários. No total, 82 parlamentares foram acionados, entre eles, deputadas e deputados federais, e senadoras e senadores, dos dois estados representados, São Paulo e Mato Grosso do Sul.

“Apresentamos por meio de carta oficio e da revista “O Banco do Brasil é Bom…”, a real situação e a preocupação de todos com a ameaça de seus postos de emprego e venda do BB”, destaca Jeferson Boava, presidente da Feeb SP/MS.

De acordo com a exposição da Federação aos parlamentares, a instituição financeira é de extrema importância para o desenvolvimento, atendimento, geração de renda e serviço ao País.

Além de destacar a gravidade da reestruturação da instituição, a Federação enfatizou o pedido de ajuda à apresentação do Projeto de Lei 461/21, de autoria do deputado federal Kim Kataguiri – DEM/SP, que propõe a possibilidade de privatização do Banco do Brasil.

“Falamos de um Banco Público responsável por 67% do crédito rural no país, setor que se destacou em tempos de pandemia e foi responsável por evitar índices ainda mais severos na economia. É também o banco que socorreu as micro e pequenas empresas, responsáveis por 54% do emprego formal no Brasil, com a concessão de crédito. Estamos falando do futuro do país e dos impactos que nossa economia pode sofrer com uma possível privatização”, enfatiza Boava.

Histórico de lutas
Desde o anúncio da reestruturação, entidades membros do Comando Nacional, junto com milhares de bancárias e bancários, lutam contra as medidas propostas pela direção do Banco e pelo governo Bolsonaro. Recentemente, em resposta ao movimento sindical, a categoria alcançou medida judicial provisória que impede a extinção da função de caixa no BB.

A categoria segue com calendário de luta e pede apoio na defesa do Banco do Brasil como banco público.

“Nossa luta é no âmbito da defesa dos direitos dos bancários e contra o desmonte e a privatização das empresas públicas”, conclui Boava.

O pedido foi assinado por membros da diretoria da Federação dos Bancários, entre eles, o Presidente Jeferson Boava, o vice-presidente Davi Zaia e o Secretário Geral, Reginaldo Breda.

 

Notícias Relacionadas

Bancários aprovam acordos de trabalho do Santander

97,18% dos funcionários aprovaram o acordo com o banco Bancários do banco Santander de todo o país aprovaram, nesta quinta-feira (22), com 97,18% dos votos, o Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) geral dos funcionários, aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria bancária, o ACT do Programa de Participação nos Resultados Santander (PPRS) e […]

Leia mais

Negociação dos Financiários continua sem avanços

Financeiras apresentam proposta abaixo da expectativa da categoria Representantes dos Financiários e a Federação Interestadual das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Fenacrefi) se reuniram nesta quinta-feira (22) para dar continuidade às negociações da campanha salarial da categoria. A pauta de reivindicações da categoria, com data-base em 1º de junho, foi entregue no dia 15 […]

Leia mais

Bancários do Santander participam de Assembleia nesta quinta-feira (22/9)

Votação acontece em plataforma eletrônica das 8h às 20h Nesta quinta-feira (22), bancários do Santander de todo o país participam de Assembleias para avaliar o Acordo Coletivo de Trabalho, o Acordo Coletivo de Trabalho sobre a Participação nos Lucros e Resultados (PPRS) e o Termo de Relações Laborais, todos com validade por dois anos. Os […]

Leia mais

Sindicatos filiados