Fitch põe em dúvida pacote de crédito para estimular economia

02.02.2016

Para agência, recessão mantém apetite dos bancos por risco em baixa. Governo anunciou linha de R$ 83 bilhões para empréstimos. A agência de classificação de risco Fitch vê como duvidosa a eficácia do pacote de R$ 83 bilhões anunciado na semana passada para estimular o crédito. Segundo o governo, o objetivo é estimular o nível […]


Para agência, recessão mantém apetite dos bancos por risco em baixa.
Governo anunciou linha de R$ 83 bilhões para empréstimos.

A agência de classificação de risco Fitch vê como duvidosa a eficácia do pacote de R$ 83 bilhões anunciado na semana passada para estimular o crédito. Segundo o governo, o objetivo é estimular o nível de atividade econômica e tentar evitar um impacto maior da recessão na taxa de desemprego.

As novas linhas de crédito do pacote são voltadas para setores como infraestrutura, habitação, agricultura, exportação e pequenas e médias empresas. Parte das medidas, entretanto, ainda depende de regulamentação ou aprovação do Congresso para entrar em vigor.

"Nós duvidamos que o estímulo de crédito recentemente anunciado vai melhorar substancialmente a perspectiva de crescimento pelos empréstimos, enquanto a recessão mantém em baixa a demanda por crédito e o apetite dos bancos por risco", diz a Fitch em relatório.

Segundo a agência, o atual cenário de déficit publico em 10,3% do PIB no ano passado e o aumento de 9 pontos percentuais na dívida do governo para 66,2% do PIB vem em linha com as previsões da Fitch quando a nota do Brasil foi rebaixada para BB+ em dezembro, tirando o grau de investimento do país.
"2016 será mais um ano difícil para as finanças públicas. O governo ainda tem que implementar medidas que vão permiti-lo alcançar a meta fiscal de suprávit primário de 0,5% do PIB, de um déficit no ano passado de quase 2%. Nem o cenário político nem o econômico estão favoráveis para uma consolidação fiscal mais rápida", afirma a agência.

A previsão da Fitch é que que o Brasil encolha 2,5% este ano, e riscos de queda por fatores esternos, incluindo a queda das commodities, o encolhimento da China e a volatilidade financeira externa persistem.

Efeito limitado

O pacote de R$ 83 bilhões em novas linhas de crédito anunciado pelo governo traz um certo alívio, sobretudo para empresas com dificuldades financeiras, mas seu efeito para estimular a economia será limitado, segundo especialistas, em razão da fraca demanda por novos financiamentos como também da necessidade de aprovação do Congresso para que todas as medidas saiam do papel.

Fonte: G1

Leia também

“Uso do FGTS como garantia para consignado é um absurdo e só serve para resolver o problema dos bancos”, avalia Davi Zaia

Notícias Relacionadas

Santanderprevi: Alteração de perfil de investimento pode ser feita até 18 de março

Participantes têm prazo para ajustar preferências de investimento, com vigência a partir de 1º de abril Os participantes do Santanderprevi têm até o dia 18 de março para alterar seu perfil de investimento, com vigência a partir de 1º de abril. Se nenhuma mudança for solicitada, o perfil será mantido. Os perfis disponíveis são conservador […]

Leia mais

Representantes da Feeb SP/MS prestigiam homenagem aos 70 anos do Sindicato dos Bancários de Campinas

Sessão na Câmara Municipal de Campinas celebrou a data com a presença de autoridades políticas, sindicalistas e membros da comunidade Representantes da Federação dos Empregados em Estabelecimentos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SP/MS) participaram da homenagem feita pela Câmara dos Vereadores de Campinas ao Sindicato dos Bancários de […]

Leia mais

SANTANDER: Banco anuncia avanços em reunião com representantes dos funcionários

Negociações com a COE avança em medidas de benefício e capacitação O Santander anunciou nesta quinta-feira (22), durante a reunião com representantes da Comissão de Organização de Empregados (COE) Santander, avanços em medidas que beneficiam os funcionários. O encontro ocorreu em formato híbrido e contou com a participação de representantes dos funcionários e do banco. […]

Leia mais

Sindicatos filiados