Fitch põe em dúvida pacote de crédito para estimular economia

02.02.2016

Para agência, recessão mantém apetite dos bancos por risco em baixa. Governo anunciou linha de R$ 83 bilhões para empréstimos. A agência de classificação de risco Fitch vê como duvidosa a eficácia do pacote de R$ 83 bilhões anunciado na semana passada para estimular o crédito. Segundo o governo, o objetivo é estimular o nível […]


Para agência, recessão mantém apetite dos bancos por risco em baixa.
Governo anunciou linha de R$ 83 bilhões para empréstimos.

A agência de classificação de risco Fitch vê como duvidosa a eficácia do pacote de R$ 83 bilhões anunciado na semana passada para estimular o crédito. Segundo o governo, o objetivo é estimular o nível de atividade econômica e tentar evitar um impacto maior da recessão na taxa de desemprego.

As novas linhas de crédito do pacote são voltadas para setores como infraestrutura, habitação, agricultura, exportação e pequenas e médias empresas. Parte das medidas, entretanto, ainda depende de regulamentação ou aprovação do Congresso para entrar em vigor.

"Nós duvidamos que o estímulo de crédito recentemente anunciado vai melhorar substancialmente a perspectiva de crescimento pelos empréstimos, enquanto a recessão mantém em baixa a demanda por crédito e o apetite dos bancos por risco", diz a Fitch em relatório.

Segundo a agência, o atual cenário de déficit publico em 10,3% do PIB no ano passado e o aumento de 9 pontos percentuais na dívida do governo para 66,2% do PIB vem em linha com as previsões da Fitch quando a nota do Brasil foi rebaixada para BB+ em dezembro, tirando o grau de investimento do país.
"2016 será mais um ano difícil para as finanças públicas. O governo ainda tem que implementar medidas que vão permiti-lo alcançar a meta fiscal de suprávit primário de 0,5% do PIB, de um déficit no ano passado de quase 2%. Nem o cenário político nem o econômico estão favoráveis para uma consolidação fiscal mais rápida", afirma a agência.

A previsão da Fitch é que que o Brasil encolha 2,5% este ano, e riscos de queda por fatores esternos, incluindo a queda das commodities, o encolhimento da China e a volatilidade financeira externa persistem.

Efeito limitado

O pacote de R$ 83 bilhões em novas linhas de crédito anunciado pelo governo traz um certo alívio, sobretudo para empresas com dificuldades financeiras, mas seu efeito para estimular a economia será limitado, segundo especialistas, em razão da fraca demanda por novos financiamentos como também da necessidade de aprovação do Congresso para que todas as medidas saiam do papel.

Fonte: G1

Leia também

“Uso do FGTS como garantia para consignado é um absurdo e só serve para resolver o problema dos bancos”, avalia Davi Zaia

Notícias Relacionadas

Proposta sobre Teletrabalho vai avançar

Reivindicações da categoria avançam nas negociações sobre trabalho remoto, mas Comando dos Bancários cobra agilidade na resposta sobre a proposta global A proposta da categoria bancária para o trabalho remoto avançou nas negociações realizadas na tarde desta quinta-feira (11) com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban). “Tivemos evolução no Teletrabalho que se torna cláusula da […]

Leia mais

Caixa se nega a criar GT para discutir contencioso da Funcef

Banco avalia que o tema já é tratado pela própria fundação de previdência dos trabalhadores Em reunião de negociações da Campanha Nacional dos Bancários 2022, realizada nesta quarta-feira (10), com a Comissão Executiva dos Empregados (CEE), a Caixa Econômica Federação se negou a atender a reivindicação para que seja criado um grupo de trabalho (GT) […]

Leia mais

Atos pela democracia ocorrem em todo o País e reafirmam o compromisso contra o autoritarismo

Data de 11 de agosto marca a leitura de um manifesto contra ditadura militar em 1977 Brasileiros de inúmeras regiões do País realizaram nesta quinta-feira (11), atos em defesa do estado democrático de direito. Milhares de entidades representativas foram às ruas manifestar a defesa pela garantia da democracia e do sistema eleitoral eletrônico. A data […]

Leia mais

Sindicatos filiados