Governo Bolsonaro quer limitar vales alimentação e refeição

21.07.2021

Decreto do governo coloca em risco direitos do trabalhador A minuta de decreto, apresentada pelo governo Bolsonaro no Fórum Nacional do Trabalho, altera o Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT) e coloca limite aos benefícios dos vales refeição e alimentação. De acordo com a proposta do governo, as empresas só poderão deduzir no Imposto de […]

Decreto do governo coloca em risco direitos do trabalhador

A minuta de decreto, apresentada pelo governo Bolsonaro no Fórum Nacional do Trabalho, altera o Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT) e coloca limite aos benefícios dos vales refeição e alimentação. De acordo com a proposta do governo, as empresas só poderão deduzir no Imposto de Renda gastos com vales concedidos apenas a trabalhadores que recebam até R$ 3.216,78.

Além das centrais sindicais, empresas do setor de bares e restaurantes e de cartões de benefícios, tem se posicionado contra o decreto e a proposta de reforma tributária que coloca acaba com a isenção fiscal para os gastos com os vales alimentação e refeição.

De acordo com o movimento sindical, o posicionamento do governo ameaça cerca de 20 milhões de trabalhadores que recebem vale-refeição e alimentação, benefícios conquistados ao longo da história.

“Retirar benefícios ligados diretamente à alimentação do trabalhador, em um momento difícil pelo qual o país enfrenta, em que a maior parte da população busca resgatar a autoestima e a dignidade, reflete a falta de respeito do atual governo", destaca o secretário geral da Federação dos Bancários, Reginaldo Breda.

Retirada dos benefícios
A retirada dos benefícios atinge a maior parte da categoria bancária. Os cartões não são considerados benefícios obrigatórios por lei, como o 13.º salário, o vale-transporte ou o FGTS. Sem o incentivo, é possível que uma parte dos trabalhadores fique sem o vale-refeição ou o vale-alimentação. O impacto com o fim dos vales é amplo. As perdas podem afetar cerca de 20 milhões de trabalhadores que recebem vale-refeição e vale-alimentação. Mas o PAT beneficia cerca de 40 milhões de pessoas direta ou indiretamente.

Para a representação sindical, o movimento do governo vai contra às necessidades do trabalhador, quando na realidade deveria incentivar a ampliação do pagamento dos benefícios e não restringir o incentivo, como diz a minuta. "Esse é mais um ataque do governo Bolsonaro aos trabalhadores e à economia do país", destaca Breda.
l

 

Notícias Relacionadas

Santander implementa teletrabalho em áreas administrativas

Modalidade é válida para áreas administrativas e contemplam eixo São Paulo e Rio de Janeiro O Santander anunciou que irá implementar o teletrabalho (home office). A modalidade é válida para bancários das áreas administrativas, lotados majoritariamente no eixo São Paulo e Rio de Janeiro, segundo as regras previstas na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria. As […]

Leia mais

Santander paga PLR e demais adicionais no dia 28 de fevereiro

Representantes da Comissão de Organização de Empregados (COE/Santander) foram informados nesta terça-feira (01), sobre a data de pagamento da Participação nos Lucros e Resultados (PLR). O valor será creditado no dia 28 deste mês. Junto com a PLR bancárias e bancários do Santander receberão os percentuais do Programa Próprio de Resultados do Santander (PPRS), do […]

Leia mais

Feeb SP/MS monta grupo de trabalho para discutir metas com Banco Itaú

Prazo para organização de grupos de representação se encerrou no último dia 31 Bancários representados pela Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul formalizaram o pedido junto ao banco para montagem de um grupo de trabalho para discussão de metas. De acordo com a cláusula 87 da Convenção Coletiva […]

Leia mais

Sindicatos filiados