Greve começa forte e Fenaban chama negociação

06.09.2016

Na base da Federação, os bancários cruzaram os braços em 1.298 postos de trabalho; nacionalmente foram 7.359. Negociação com a representante dos bancos será nesta sexta-feira (9), em São Paulo Começou forte a Greve Nacional dos Bancários, que teve início nesta terça-feira (06), paralisando agências de todo o país, contra a proposta rebaixada apresentada pela […]

Na base da Federação, os bancários cruzaram os braços em 1.298 postos de trabalho; nacionalmente foram 7.359. Negociação com a representante dos bancos será nesta sexta-feira (9), em São Paulo

Começou forte a Greve Nacional dos Bancários, que teve início nesta terça-feira (06), paralisando agências de todo o país, contra a proposta rebaixada apresentada pela Federação Nacional dos Bancos (Fenaban). Na base da Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul (FEEB-SP/MS), sindicatos de Andradina, Araçatuba, Campinas, Franca, Guaratinguetá, Jaú, Marília, Piracicaba, Ribeirão Preto, Rio Claro, Santos, São Carlos, São José dos Campos, São José do Rio Preto, Sorocaba, Tupã, Votuporanga, Corumbá (MS) e Três Lagoas (MS) paralisaram 1.298 postos de trabalho; nacionalmente foram 7.359, entre agências, centros administrativos, Central de Atendimento (CABB) e Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC), evidenciando a mobilização e união da categoria em torno da luta por melhores condições de trabalho. Diante da força da mobilização, a Fenaban chamou uma nova rodada de negociação, que acontecerá nesta sexta-feira (09), às 11h, em São Paulo.

A paralisação da categoria é uma resposta à proposta de reajuste apresentada pela Fenaban no último dia 29, que prevê índice de 6,5%, abaixo da inflação de 9,57%, que imporia aos bancários uma perda de 2,8%, e abono de R$ 3 mil, e que seguirá por tempo indeterminado até que a Fenaban resolva apresentar proposta com índice digno e que atenda às necessidades da categoria.

“A greve dos bancários começou bastante forte, com os trabalhadores engajados e dando o recado de que não aceitaram a proposta rebaixada da Fenaban, que em função da grande mobilização, chamou o Comando Nacional dos Bancários de volta à mesa para negociar. Isso tudo é muito positivo, porém, o momento agora é de intensificar as paralisações, ampliando a greve, mostrando a resistência da categoria e sinalizando que só irá arrefecer quando vier uma proposta digna”, avalia Jeferson Boava, vice-presidente da Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul (FEEB-SP/MS).

Principais reivindicações

As principais reivindicações da categoria são: reposição da inflação do período mais 5% de aumento real, valorização do piso salarial, PLR de três salários mais R$ 8.317,90, combate às metas abusivas, ao assédio moral e sexual, fim da terceirização e melhores condições de trabalho, com destaque para a defesa do emprego e também das empresas públicas.

 

Notícias Relacionadas

Bancários aprovam acordos de trabalho do Santander

97,18% dos funcionários aprovaram o acordo com o banco Bancários do banco Santander de todo o país aprovaram, nesta quinta-feira (22), com 97,18% dos votos, o Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) geral dos funcionários, aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria bancária, o ACT do Programa de Participação nos Resultados Santander (PPRS) e […]

Leia mais

Negociação dos Financiários continua sem avanços

Financeiras apresentam proposta abaixo da expectativa da categoria Representantes dos Financiários e a Federação Interestadual das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Fenacrefi) se reuniram nesta quinta-feira (22) para dar continuidade às negociações da campanha salarial da categoria. A pauta de reivindicações da categoria, com data-base em 1º de junho, foi entregue no dia 15 […]

Leia mais

Bancários do Santander participam de Assembleia nesta quinta-feira (22/9)

Votação acontece em plataforma eletrônica das 8h às 20h Nesta quinta-feira (22), bancários do Santander de todo o país participam de Assembleias para avaliar o Acordo Coletivo de Trabalho, o Acordo Coletivo de Trabalho sobre a Participação nos Lucros e Resultados (PPRS) e o Termo de Relações Laborais, todos com validade por dois anos. Os […]

Leia mais

Sindicatos filiados