Greve continua forte contra proposta rebaixada dos bancos

29.09.2016

Sindicatos realizarão assembleias na próxima segunda-feira (03) para deliberar sobre os rumos da mobilização Nesta quinta-feira (29), 24º dia da Greve Nacional dos Bancários, a paralisação continua mais forte do que nunca, após a 10º rodada de negociação com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) ocorrida ontem (28), em São Paulo, que terminou sem avanços. […]


Sindicatos realizarão assembleias na próxima segunda-feira (03) para deliberar sobre os rumos da mobilização

Nesta quinta-feira (29), 24º dia da Greve Nacional dos Bancários, a paralisação continua mais forte do que nunca, após a 10º rodada de negociação com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) ocorrida ontem (28), em São Paulo, que terminou sem avanços.

Assembleias na segunda-feira

Diante da insistência da representante dos bancos em apresentar mais uma proposta rebaixada (manutenção dos 7% e R$3,5 mil de abono), que o Comando Nacional dos Bancários rejeitou na mesa, os bancários seguem com greve por tempo indeterminado e na segunda-feira (03), os sindicatos realizarão assembleia para definir os rumos da mobilização.

Histórico

Deflagrada no último dia 06 de setembro por tempo indeterminado, a greve é uma resposta à proposta rebaixada da Fenaban, que no dia 29 de agosto propôs um índice de 6,5% e um abono de R$ 3 mil, rejeitado em assembleia pelos trabalhadores e no dia 09 de setembro voltou a insistir no mesmo modelo, que impõe perdas à categoria: 7% e R$3,3 mil abono, reajuste que sequer cobriria a inflação do período, de 9,57% e que resultaria numa perda de 2,39% para os bancários. O Comando Nacional dos Bancários rejeitou na mesa, reafirmando sua disposição para a negociação, mas evidenciando que não irá avaliar proposta que reduza o poder de compra dos trabalhadores, palavra que manteve ao rejeitar a terceira oferta, apresentada ontem, que propunha um aumento de R$200,00 no abono e nada mais, sem mexer no índice ou avançar em cláusulas econômicas ou sociais.

Principais reivindicações

Reposição da inflação do período mais 5% de aumento real, valorização do piso salarial, PLR de três salários mais R$ 8.317,90, combate às metas abusivas, ao assédio moral e sexual, fim da terceirização e melhores condições de trabalho, com destaque para a defesa do emprego e também das empresas públicas são algumas das principais reivindicações da categoria.

 

Notícias Relacionadas

Saúde, segurança, metas e violência contra as mulheres pautam reunião das Financeiras

Coletivo Nacional dos Financiários e Acrefi voltam à mesa de negociação pela Campanha Nacional 2024 Na tarde desta sexta-feira (19), o Coletivo Nacional dos Financiários da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) realizou mais uma rodada de negociações com a Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi). A pauta do […]

Leia mais

Quarta mesa de negociação do BB discute diversidade e igualdade de oportunidades

Para Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB), Banco do Brasil deu sinais de avanços importantes na reunião Na manhã desta sexta-feira (19), em São Paulo, foi realizada a quarta mesa de negociação específica da Campanha Nacional 2024 para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) do Banco do Brasil. A pauta principal […]

Leia mais

CEE Caixa realiza nova rodada de negociações focada em diversidade e igualdade de oportunidades

Além de diversidade e igualdade, foram discutidos temas como FUNCEF, escala de férias, telefone celular e escola inclusiva A Comissão Executiva dos Empregados (CEE) da Caixa Econômica Federal conduziu nesta sexta-feira (19) mais uma mesa de negociação para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) dos empregados da instituição. O tema central da discussão […]

Leia mais

Sindicatos filiados