HSBC encerra planos corporativos de previdência aberta e libera saldo

08.09.2016

Com a integração ao Bradesco, a partir do próximo dia 1º de outubro, “os Planos Corporativos de Previdência Privada HSBC, inclusive o Plano de Previdência Corporativa Voluntária, serão descontinuados”, encerrados. Ou seja, não terão mais “contribuições da Instituidora (HSBC e suas controladas no Brasil)”. Diante dessa medida, a partir do próximo dia 1º de novembro, […]


Com a integração ao Bradesco, a partir do próximo dia 1º de outubro, “os Planos Corporativos de Previdência Privada HSBC, inclusive o Plano de Previdência Corporativa Voluntária, serão descontinuados”, encerrados. Ou seja, não terão mais “contribuições da Instituidora (HSBC e suas controladas no Brasil)”.

Diante dessa medida, a partir do próximo dia 1º de novembro, “as contribuições até então realizadas pelo HSBC serão integralmente liberadas, mediante a assinatura do Termo de Ciência de Encerramento do Plano, para livre movimentação do funcionário que estiver ativo na Instituidora em 30 de setembro deste ano”, segundo comunicado do Bradesco. E mais: “eventuais saídas antes desta data ficarão sujeitas às regras atuais do plano”.

Após assinatura do Termo, o funcionário deve encaminhar o documento via malote para o Arquivo Nacional de Funcionários (ANF) até o dia 14 deste mês de setembro.

Orientação

O Bradesco oferece cinco opções, conforme o Termo de Ciência.

1. Manter seu plano atual sem realizar novas contribuições.

2. Manter suas contribuições individuais no plano atual como autopatrocinado, por meio de débito em conta corrente.

3. Solicitar a concessão do benefício de acordo com as regras estabelecidas no Plano.

4. Solicitar a portabilidade dos recursos para outro plano de previdência da Bradesco Vida e Previdência ou outra Entidade de sua preferência, desde que respeitada(s) a(s) carência(s) aplicável/aplicáveis.

5. Solicitar o resgate, observando a alíquota de tributação de acordo com seu regime tributário, bem como a(s) carência(s) aplicável/aplicáveis, nos termos da Resolução 139/140 do CNSP (Conselho Nacional de Seguros Privados).

Para Gisele Paifer, diretora do Seeb Campinas, filiado à Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul (FEEB-SP/MS) a “melhor opção é a manter o plano atual sem novas contribuições e aderir ao plano cinco por quatro do Bradesco”.

Fonte: Jairo Gimenez – Seeb Campinas

Notícias Relacionadas

Eleição Caref BB: Kelly Quirino recebe mais de 60% dos votos

Resultado ainda é preliminar, os números finais serão divulgados no dia 8 de fevereiro pela Comissão Eleitoral Kelly Quirino recebeu 60,70% dos votos para Caref BB no primeiro turno para o cargo que representará os funcionários no Conselho de Administração (CA) do Banco do Brasil, nos próximos dois anos. Com mais da metade dos votos, […]

Leia mais

O pioneirismo na luta pela previdência do trabalhador

Acompanhamos nesta semana a repercussão do Centenário da Previdência Social, completado no dia 24 de janeiro, mesmo dia em que é celebrado o Dia Nacional do aposentado. É fato que a criação da Lei Eloy Chaves, em 1923, foi imprescindível para o estabelecimento das bases do Sistema Previdenciário Brasileiro e o surgimento das Caixas de […]

Leia mais

24 de janeiro de 2023, Centenário da Previdência Social

O dia 24 de janeiro de 2023 marca o centenário da Previdência Social do Brasil, um conjunto de benefícios que teve como base a criação da Lei Eloy Chaves, em 1923. A medida estabeleceu as bases do Sistema Previdenciário Brasileiro ao criar as Caixas de Aposentadorias e Pensões (CAP), na época, destinada apenas aos empregados […]

Leia mais

Sindicatos filiados