HSBC propõe acordo aditivo e negociação segue após Campanha Nacional

22.08.2013

O movimento sindical e o HSBC retomaram nesta quarta-feira, dia 21, em São Paulo, as negociações permanentes para discussão da pauta específica dos funcionários. Participou dos debates o representante da Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SP/MS), Danilo Anderson. Na ocasião, o banco inglês apresentou Alexandra Roth, que substituirá […]

O movimento sindical e o HSBC retomaram nesta quarta-feira, dia 21, em São Paulo, as negociações permanentes para discussão da pauta específica dos funcionários. Participou dos debates o representante da Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SP/MS), Danilo Anderson. Na ocasião, o banco inglês apresentou Alexandra Roth, que substituirá Vera Saicali no cargo de diretora de RH.

LEIA TAMBÉM
1ª rodada – Negociação sobre pauta específica com o HSBC avança pouco
2ª rodada – HSBC sinaliza com pequenos avanços
Veja aqui a pauta específica dos Funcionários – 2013/2014

Conforme previsto, a instituição trouxe os pontos para a formalização do acordo específico, contemplando direitos praticados atualmente:
– plano de saúde e odontológico com duas operadoras
– direito a folgas por tempo de casa e no dia do aniversário
– adiantamento salarial, no caso das férias, em até cinco parcelas
– bolsa educacional

Da pauta entregue e discutida até o momento, o banco negou a reivindicação referente ao CPK – reembolso de combustível, dizendo que não pode aplicar qualquer reajuste sobre os R$ 0,46 praticados atualmente.

Decorrente dos debates anteriores, as entidades sindicais solicitaram a inclusão no rol anterior de mais três itens: o Plano de Previdência Complementar já concedido, a criação da mesa paritária de saúde e utilização da treinet somente dentro da jornada de trabalho.

A redação do instrumento apresentado durante a negociação será submetido à avaliação das entidades sindicais e uma vez aprovado, posterior formalização entre o banco e as entidades sindicais convenentes.

PPR

O banco admite que o programa esteja desvinculado da PLR da CCT dos bancários e, portanto, não efetuará a compensação entres os dois programas distintos. Mas não aceita incluir esses termos no acordo nem estabelecer negociação direta com as entidades sindicais para construção do programa neste momento.
Pendências

O banco concorda em prosseguir no debate, mas não apresentou uma redação final para os seguintes pontos:

– compartilhamento de agências: voltará ao debate e informou que Aides Jr, representante da área de operações, será convidado para esse debate.
– acesso dos dirigentes sindicais liberados e dos licenciados para tratamento de saúde ao portal RH e a comunicados internos: o banco disse estar tratando internamente da operacionalização para viabilizar o acesso.
– adiantamento de férias em dez parcelas. 
– inclusão dentre as cláusulas do ACT que será formalizado, o direito de todos os admitidos até 31.12.2012 de permanecerem com seu plano de saúde nos casos de aposentadoria, uma vez que contribuíram para o plano nos termos da norma 279 da ANS.
– Plano de Previdência Complementar: apesar do benefício já estar implantado, uma série de ajustes foram propostos, entre ele a elevação do percentual mínimo de contribuição pela patrocinadora, de 0,5% para 3%, paritário.
– Vale Cultura.

Avanços e mais negociação

Os integrantes da comissão de empresa consideraram como positiva essa retomada do diálogo com o banco, inclusive com a construção de um acordo de trabalho específico contemplando direitos conquistados no passado.

Carlos Kanak, coordenador da Comissão de Organização dos Empregados (COE) do HSBC, avalia ser fundamental que o processo de negociação seja permanente e avance cada vez mais, principalmente em questões relacionadas ao emprego, fim da rotatividade e mais contratações.

Após o término da Campanha Nacional dos Bancários, o movimento sindical dará continuidade às discussões sobre temas como remuneração, PCS e PPR.

Balanço semestral

A respeito do balanço semestral que foi publicado, ficou decidida a realização brevemente de uma reunião específica para analisar as perspectivas e problemas decorrentes dos maus resultados apresentados (LL 24% inferior ao mesmo período de 2012), particularmente impactos no nível de emprego, programas próprios de remuneração e PLR.

Fonte: Contraf

 

Notícias Relacionadas

Após repercussão das denúncias de assédio sexual, Pedro Guimarães pede demissão

Testemunhos das vítimas vieram a público na terça-feira (28) e assustam pela quantidade de casos e pelo grau de desrespeito e crueldade; Ministério Público investiga em sigilo O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, entregou seu pedido de demissão na tarde desta quarta-feira (29) ao presidente da república, Jair Bolsonaro. A decisão foi tomada […]

Leia mais

NOTA OFICIAL

NOTA OFICIAL Pelo imediato afastamento de Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, e o acolhimento e preservação das vítimas Nós, bancárias de todo o Brasil, manifestamos nossa indignação pelos atos de assédio sexual praticados por Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, que ganharam repercussão na noite de desta terça-feira, 28/06/2022, ao serem divulgados […]

Leia mais

Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul repudia ações de Pedro Guimarães, acusado de assédio sexual

Além de apuração das denúncias, representação dos empregados pede afastamento do presidente da Caixa Após se tornar pública a acusação de assédio sexual feita por diferentes empregadas da Caixa Econômica Federal ao presidente Pedro Duarte Guimarães, a Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, se solidariza com as vítimas e manifesta […]

Leia mais

Sindicatos filiados