Impactos da recessão econômica e do ajuste fiscal sobre o mercado de trabalho no Brasil

20.05.2016

O desemprego assusta novamente o país. Para subsidiar a discussão sindical sobre o problema, o DIEESE e as centrais sindicais CTB, CSB. CUT, Força Sindical, NCST e UGT organizam no próximo dia 24 um seminário para debater a questão (Enfrentando o desemprego – desafios para a luta sindical). O Departamento também preparou a nota técnica […]

O desemprego assusta novamente o país. Para subsidiar a discussão sindical sobre o problema, o DIEESE e as centrais sindicais CTB, CSB. CUT, Força Sindical, NCST e UGT organizam no próximo dia 24 um seminário para debater a questão (Enfrentando o desemprego – desafios para a luta sindical). O Departamento também preparou a nota técnica Impactos da recessão econômica e do ajuste fiscal sobre o mercado de trabalho no Brasil, que trata do problema. O documento reúne e organiza dados, de diferentes pesquisas, que cobrem do terceiro trimestre de 2014 até março de 2016.

Grande parte do trabalho tem como base a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (Pnad Contínua/IBGE). Segundo o levantamento, a taxa de desemprego passou de 6,5%, no último trimestre de 2014, para 10,9% no primeiro trimestre de 2016, um aumento de 4,4 pontos percentuais. O total de trabalhadores desocupados nos três primeiros meses deste ano foi estimado em 11,1 milhões de pessoas no país.

Entre o primeiro trimestre de 2015 e o mesmo período de 2016, estima-se que houve redução de quase 1,4 milhão de empregos formais, com registro em carteira de trabalho, e de cerca de 327 mil ocupações informais, sem carteira de trabalho assinada.

Ao mesmo tempo, houve movimento de ampliação de ocupações em postos de mais precários, com menos proteção da legislação trabalhista, como o trabalho por conta própria (aumento de 1,4 milhão de ocupados) e o doméstico (202 mil).

Já o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, revelou que o país fechou 1,5 milhão de postos de trabalho com carteira assinada em 2015, um dos piores resultados de toda a série histórica da pesquisa.

O trabalho traz ainda dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego, realizada pelo DIEESE, a Fundação Seade e parceiros regionais nas regiões metropolitanas de São Paulo, Porto Alegre, Salvador, Fortaleza e no Distrito Federal, que mostram também a piora da situação do mercado de trabalho, e informações sobre uso do Seguro-Desemprego.

Fonte: DIEESE

Para se inscrever no seminário, clique aqui

Para acessar a nota técnica do DIEESE, clique aqui

Notícias Relacionadas

Proposta sobre Teletrabalho vai avançar

Reivindicações da categoria avançam nas negociações sobre trabalho remoto, mas Comando dos Bancários cobra agilidade na resposta sobre a proposta global A proposta da categoria bancária para o trabalho remoto avançou nas negociações realizadas na tarde desta quinta-feira (11) com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban). “Tivemos evolução no Teletrabalho que se torna cláusula da […]

Leia mais

Caixa se nega a criar GT para discutir contencioso da Funcef

Banco avalia que o tema já é tratado pela própria fundação de previdência dos trabalhadores Em reunião de negociações da Campanha Nacional dos Bancários 2022, realizada nesta quarta-feira (10), com a Comissão Executiva dos Empregados (CEE), a Caixa Econômica Federação se negou a atender a reivindicação para que seja criado um grupo de trabalho (GT) […]

Leia mais

Atos pela democracia ocorrem em todo o País e reafirmam o compromisso contra o autoritarismo

Data de 11 de agosto marca a leitura de um manifesto contra ditadura militar em 1977 Brasileiros de inúmeras regiões do País realizaram nesta quinta-feira (11), atos em defesa do estado democrático de direito. Milhares de entidades representativas foram às ruas manifestar a defesa pela garantia da democracia e do sistema eleitoral eletrônico. A data […]

Leia mais

Sindicatos filiados