Impactos da recessão econômica e do ajuste fiscal sobre o mercado de trabalho no Brasil

20.05.2016

O desemprego assusta novamente o país. Para subsidiar a discussão sindical sobre o problema, o DIEESE e as centrais sindicais CTB, CSB. CUT, Força Sindical, NCST e UGT organizam no próximo dia 24 um seminário para debater a questão (Enfrentando o desemprego – desafios para a luta sindical). O Departamento também preparou a nota técnica […]

O desemprego assusta novamente o país. Para subsidiar a discussão sindical sobre o problema, o DIEESE e as centrais sindicais CTB, CSB. CUT, Força Sindical, NCST e UGT organizam no próximo dia 24 um seminário para debater a questão (Enfrentando o desemprego – desafios para a luta sindical). O Departamento também preparou a nota técnica Impactos da recessão econômica e do ajuste fiscal sobre o mercado de trabalho no Brasil, que trata do problema. O documento reúne e organiza dados, de diferentes pesquisas, que cobrem do terceiro trimestre de 2014 até março de 2016.

Grande parte do trabalho tem como base a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (Pnad Contínua/IBGE). Segundo o levantamento, a taxa de desemprego passou de 6,5%, no último trimestre de 2014, para 10,9% no primeiro trimestre de 2016, um aumento de 4,4 pontos percentuais. O total de trabalhadores desocupados nos três primeiros meses deste ano foi estimado em 11,1 milhões de pessoas no país.

Entre o primeiro trimestre de 2015 e o mesmo período de 2016, estima-se que houve redução de quase 1,4 milhão de empregos formais, com registro em carteira de trabalho, e de cerca de 327 mil ocupações informais, sem carteira de trabalho assinada.

Ao mesmo tempo, houve movimento de ampliação de ocupações em postos de mais precários, com menos proteção da legislação trabalhista, como o trabalho por conta própria (aumento de 1,4 milhão de ocupados) e o doméstico (202 mil).

Já o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, revelou que o país fechou 1,5 milhão de postos de trabalho com carteira assinada em 2015, um dos piores resultados de toda a série histórica da pesquisa.

O trabalho traz ainda dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego, realizada pelo DIEESE, a Fundação Seade e parceiros regionais nas regiões metropolitanas de São Paulo, Porto Alegre, Salvador, Fortaleza e no Distrito Federal, que mostram também a piora da situação do mercado de trabalho, e informações sobre uso do Seguro-Desemprego.

Fonte: DIEESE

Para se inscrever no seminário, clique aqui

Para acessar a nota técnica do DIEESE, clique aqui

Notícias Relacionadas

Banco do Brasil se compromete a não mexer na gratificação dos caixas durante a Campanha Nacional 2024

A garantia foi dada pela direção do banco na terceira mesa de negociação da Campanha Nacional 2024, nesta sexta-feira (12), e tema será tratado durante período de renovação da CCT. O Banco do Brasil se comprometeu a não mexer na gratificação dos caixas durante a Campanha Nacional 2024 e a negociar a pauta durante o […]

Leia mais

Financiários cobram igualdade salarial e de oportunidades para mulheres e negros no setor

Com base em levantamento do Dieese, trabalhadores e trabalhadoras mostraram distorções salariais de gênero e raça Representantes dos financiários, no movimento sindical, se reuniram, nesta sexta-feira (12), com a Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi), para cobrar igualdade de oportunidades no setor. O encontro faz parte das negociações da Campanha Nacional […]

Leia mais

Nota da Feeb SP/MS sobre a destituição de gerentes da Caixa Asset

A Federação dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SP/MS) manifesta sua profunda preocupação com a recente destituição de três gerentes da Caixa Asset, subsidiária da Caixa Econômica Federal responsável pela gestão de ativos. Esses gerentes foram removidos de seus cargos após recusarem-se a aprovar uma operação de […]

Leia mais

Sindicatos filiados