Inflação de junho sobe e acumula alta de 11,89% em 12 meses

11.07.2022

Em junho, maiores altas foram nos preços do leite longa vida (10,72%) e do feijão-carioca (9,74%). Confira o que mais subiu este ano e a alta acumulada em 12 meses O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o principal índice inflação país, registrou alta de 0,67% em junho, de acordo com os dados […]

Em junho, maiores altas foram nos preços do leite longa vida (10,72%) e do feijão-carioca (9,74%). Confira o que mais subiu este ano e a alta acumulada em 12 meses

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o principal índice inflação país, registrou alta de 0,67% em junho, de acordo com os dados divulgados na última sexta-feira (8) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Até o momento, a alta acumulada em 2022 é de 5,49% e nos últimos 12 meses, o aumento chega a 11,89%. Em setembro do ano passado o índice registrou 10,26% em 12 meses.

Dentre as capitais brasileiras, Aracajú (14,24%) e Salvador (13,41%) registraram as maiores altas. São Paulo e Campo Grande registraram, respectivamente, 11,67% e 12,06%.

Maiores altas e baixas de junho

Em junho, as maiores altas em todo o país foram registradas nos preços do leite longa vida, que subiu 10,72% e o feijão-carioca (9,74%). Já as baixas do mês atingiram alguns dos produtos que registraram recordes de alta de quase 200% nos últimos doze meses. Este é o caso da cenoura, que caiu 23,36% em junho e que já havia caído em maio (-24,07%), mas chegou a registrar mais de 195% de aumento em 12 meses.

Para o gerente da pesquisa, Pedro Kislanov, a retomada de alguns hábitos, como as refeições realizadas fora de casa, ajudaram a puxar a alta, “com destaque para a refeição (0,95%) e o lanche (2.21%). “Assim como outros serviços que tiveram a demanda reprimida na pandemia, há também uma retomada na busca pela refeição fora de casa. Isso é refletido nos preços”, afirma.


O aumento do plano de saúde também foi considerado um dos responsáveis pela alta nos preços, com alta de 2,99%, representando 0,10 ponto percentual da inflação no período.

Setores

No mês de junho, os nove grupos de produtos e serviços analisados pelo IBGE registraram aumento dos preços, mas foi o setor de vestuário que registrou a maior alta (1,67%).

Vestuário: 1,67%

Saúde e cuidados pessoais: 1,24%

Alimentação e bebidas: 0,80%

Transportes: 0,57%

Artigos de residência: 0,55%

Despesas pessoais: 0,49%

Habitação: 0,41%

Comunicação: 0,16%

Educação: 0,09%

Notícias Relacionadas

Banco do Brasil se compromete a não mexer na gratificação dos caixas durante a Campanha Nacional 2024

A garantia foi dada pela direção do banco na terceira mesa de negociação da Campanha Nacional 2024, nesta sexta-feira (12), e tema será tratado durante período de renovação da CCT. O Banco do Brasil se comprometeu a não mexer na gratificação dos caixas durante a Campanha Nacional 2024 e a negociar a pauta durante o […]

Leia mais

Financiários cobram igualdade salarial e de oportunidades para mulheres e negros no setor

Com base em levantamento do Dieese, trabalhadores e trabalhadoras mostraram distorções salariais de gênero e raça Representantes dos financiários, no movimento sindical, se reuniram, nesta sexta-feira (12), com a Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi), para cobrar igualdade de oportunidades no setor. O encontro faz parte das negociações da Campanha Nacional […]

Leia mais

Nota da Feeb SP/MS sobre a destituição de gerentes da Caixa Asset

A Federação dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SP/MS) manifesta sua profunda preocupação com a recente destituição de três gerentes da Caixa Asset, subsidiária da Caixa Econômica Federal responsável pela gestão de ativos. Esses gerentes foram removidos de seus cargos após recusarem-se a aprovar uma operação de […]

Leia mais

Sindicatos filiados