Lucro do HSBC avança no primeiro trimestre com recuo da inadimplência

08.05.2013

LONDRES – O HSBC informou nesta terça-feira que a incerteza sobre a economia global pesou no crescimento da receita do banco no primeiro trimestre do ano. Porém o lucro avançou no período diante do recuo da inadimplência e do retorno obtido com negócios e financiamento ao setor imobiliário no Reino Unido e em Hong Kong. […]

LONDRES – O HSBC informou nesta terça-feira que a incerteza sobre a economia global pesou no crescimento da receita do banco no primeiro trimestre do ano. Porém o lucro avançou no período diante do recuo da inadimplência e do retorno obtido com negócios e financiamento ao setor imobiliário no Reino Unido e em Hong Kong.

O maior banco europeu por ativos registrou um aumento expressivo no lucro líquido em 12 meses, saindo de US$ 2,58 bilhões para US$ 6,35 bilhões. Tirando da conta a variação do valor da dívida própria do HSBC, o ganho antes de impostos cresceu 34%, para US$ 7,59 bilhões, ante US$ 5,65 bilhões apurado nos três primeiros meses de 2012. A receita foi 5% maior, passando de US$ 16,8 bilhões para US$ 17,56 bilhões.

“Enquanto a continuidade da incerteza com a economia global criou um ambiente relativamente silencioso para expansão de receita, nós elevamos a receita em áreas fundamentais, incluindo crédito imobiliário e banco comercial em nossos mercados de Hong Kong e Reino Unido”, afirmou o presidente-executivo Stuart Gulliver, destacando também os negócios no mercado de ações e a queda no nível de inadimplência.

Gulliver busca reduzir custos e elevar o retorno do banco, focando em mercados emergentes de crescimento alto e saindo de países e atividades onde o banco não tem escala. Desde o fim de 2010, o HSBC eliminou mais de 37 mil vagas de trabalho e vendeu ou fechou mais de 50 negócios, incluindo redes de varejo na Rússia, Tailândia e Colômbia.

O presidente-executivo do HSBC deve atualizar investidores sobre os próximos passos de sua estratégia em uma apresentação agendada para o dia 15 de maio.

Fonte: Valor Econômico 

Notícias Relacionadas

Após repercussão das denúncias de assédio sexual, Pedro Guimarães pede demissão

Testemunhos das vítimas vieram a público na terça-feira (28) e assustam pela quantidade de casos e pelo grau de desrespeito e crueldade; Ministério Público investiga em sigilo O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, entregou seu pedido de demissão na tarde desta quarta-feira (29) ao presidente da república, Jair Bolsonaro. A decisão foi tomada […]

Leia mais

NOTA OFICIAL

NOTA OFICIAL Pelo imediato afastamento de Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, e o acolhimento e preservação das vítimas Nós, bancárias de todo o Brasil, manifestamos nossa indignação pelos atos de assédio sexual praticados por Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, que ganharam repercussão na noite de desta terça-feira, 28/06/2022, ao serem divulgados […]

Leia mais

Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul repudia ações de Pedro Guimarães, acusado de assédio sexual

Além de apuração das denúncias, representação dos empregados pede afastamento do presidente da Caixa Após se tornar pública a acusação de assédio sexual feita por diferentes empregadas da Caixa Econômica Federal ao presidente Pedro Duarte Guimarães, a Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, se solidariza com as vítimas e manifesta […]

Leia mais

Sindicatos filiados