Lucro do Santander cresce 4,1% e fica em R$ 4 bi no primeiro trimestre – Economia – Estadão

28.04.2021

Patrimônio líquido avançou 7,4% na mesma comparação e alcançou R$ 77,763 bilhões no período encerrado em março O Santander Brasil apresentou lucro líquido gerencial, que não considera ágio de aquisições, de R$ 4,012 bilhões no primeiro trimestre deste ano, 4,1% maior que no mesmo período de 2020. O resultado supera as estimativas de analistas, que […]

Patrimônio líquido avançou 7,4% na mesma comparação e alcançou R$ 77,763 bilhões no período encerrado em março

O Santander Brasil apresentou lucro líquido gerencial, que não considera ágio de aquisições, de R$ 4,012 bilhões no primeiro trimestre deste ano, 4,1% maior
que no mesmo período de 2020. O resultado supera as estimativas de analistas, que na média das projeções de cinco casas colhidas
pelo Estadão/Broadcast apontava para R$ 3,738 bilhões. Bancos devem voltar a estender prazo de dívidas. 


A carteira de crédito ampliada encerrou março com R$ 497,566 bilhões, 2,9% menor que no final do ano passado. Na comparação anual, a carteira se expandiu
em 7,4%. O custo do crédito subiu de 2,5%, no último trimestre de 2020, para 2,6% nos três meses encerrados em março.

A inadimplência acima 90 dias se manteve estável em 2,1% na comparação com o período imediatamente anterior. Já os empréstimos em atraso de 15 a 90 dias
cresceram de 2,8% para 3,6%, entre os dois últimos trimestres. As despesas com provisão para créditos de liquidação duvidosa, as chamadas PDDs, somaram R$
3,914 bi no primeiro trimestre deste ano, 8,45% mais que no último trimestre de 2020.

Os ativos totais detidos pela subsidiária brasileira do banco espanhol se retraíram em 2,2% se comparados a um ano antes e encerraram o primeiro trimestre em
R$ 978,15 bilhões. O patrimônio líquido, por sua vez, avançou 7,4% na mesma comparação, e alcançou R$ 77,763 bilhões no período encerrado em março.
A retorno sobre o patrimônio líquido médio (ROAE, na sigla em inglês) ficou em 20,9%. Estável em relação ao trimestre anterior, mas inferior aos 22,3%
registrados um ano antes. A margem financeira bruta foi de R$ 13,422 bilhões nos três primeiros meses deste ano, 8,3% maior que nos últimos três do ano
passado.

 

O índice de eficiência foi a 35,2% no primeiro trimestre de 2021, o melhor na história do banco. O índice de Basileia cedeu ligeiramente, de 15,3% para 15,2%,
entre o final do ano passado e o início deste. 

Notícias Relacionadas

Saúde, segurança, metas e violência contra as mulheres pautam reunião das Financeiras

Coletivo Nacional dos Financiários e Acrefi voltam à mesa de negociação pela Campanha Nacional 2024 Na tarde desta sexta-feira (19), o Coletivo Nacional dos Financiários da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) realizou mais uma rodada de negociações com a Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi). A pauta do […]

Leia mais

Quarta mesa de negociação do BB discute diversidade e igualdade de oportunidades

Para Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB), Banco do Brasil deu sinais de avanços importantes na reunião Na manhã desta sexta-feira (19), em São Paulo, foi realizada a quarta mesa de negociação específica da Campanha Nacional 2024 para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) do Banco do Brasil. A pauta principal […]

Leia mais

CEE Caixa realiza nova rodada de negociações focada em diversidade e igualdade de oportunidades

Além de diversidade e igualdade, foram discutidos temas como FUNCEF, escala de férias, telefone celular e escola inclusiva A Comissão Executiva dos Empregados (CEE) da Caixa Econômica Federal conduziu nesta sexta-feira (19) mais uma mesa de negociação para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) dos empregados da instituição. O tema central da discussão […]

Leia mais

Sindicatos filiados