Mediação do Ministério Público sobre impactos da reestruturação do BB encerra sem registrar avanços

24.07.2017

Na última quinta-feira (20), representantes dos trabalhadores e do Banco do Brasil tiveram a sexta e última audiência na sede da Procuradoria Geral do Trabalho, em Brasília (DF) para tratar da reestruturação em curso no banco. A audiência encerrou novamente sem avanços. A representante da Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do […]

Na última quinta-feira (20), representantes dos trabalhadores e do Banco do Brasil tiveram a sexta e última audiência na sede da Procuradoria Geral do Trabalho, em Brasília (DF) para tratar da reestruturação em curso no banco. A audiência encerrou novamente sem avanços. A representante da Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul na Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (FEEB-SP/MS), Maria do Carmo Peggau acompanhou a negociação.

Os assuntos abordados foram os itens que ficaram pendentes da última audiência: apresentação de resposta do BB quanto à inclusão das comissões retiradas para fins do programa de adiantamento salarial; apresentação de resposta quanto ao prazo de carência para início do pagamento das parcelas do adiantamento salarial; apresentação de resposta quanto a inclusão do endividamento do trabalhador em função de Consórcio assumido no rol das dívidas do trabalhador, para fins de recebimento do benefício de adiantamento salarial; apresentação de resposta do BB quanto a possibilidade de o adiantamento salarial ser concedido pela instituição independentemente de haver dívida do trabalhador com o banco; resposta definitiva quanto ao pagamento do VCP dos caixas, ou pelo prazo de 12 meses para os executivos que tiveram perdas, apresentação do BB de informações atualizadas sobre as visitas realizadas às agências durante o mês de julho e sobre realocações dos funcionários.

Para os temas: Inclusão das comissões retiradas para fins do programa de adiantamento salarial; prazo de carência para início do pagamento das parcelas do adiantamento salarial; inclusão do endividamento do trabalhador em função de Consórcio assumido no rol das dívidas do trabalhador, para fins de recebimento do benefício de adiantamento salarial e possibilidade o adiantamento salarial ser concedido pela instituição (independentemente de haver dívida do trabalhador com o banco); A resposta do BB foi de que não havia novidades a informar e de que o programa permaneceria nos moldes implantados.

Já, com relação à prorrogação da Vantagem em Caráter Pessoal (VCP), o banco informou que não haverá prorrogação.
O BB comunicou também que irá conceder benefícios aos trabalhadores que se inscreverem para vagas de difícil provimento. Ministério Público do Trabalho (MPT) e movimento sindical concordaram se tratar de uma situação que atende somente aos interesses do banco, uma vez que as vagas são destinadas aos escriturários e não aos bancários atingidos pela reestruturação.

Visitas realizadas às agências

Na audiência de junho, o Banco do Brasil se comprometeu a visitar 35 agências em todo o país durante o mês de julho, para entender como está ocorrendo o processo de reestruturação e o impacto nessas agências, porém, o representante do banco informou que as visitas ocorreram somente em 08 unidades, impossibilitando que houvesse uma avaliação conclusiva que pudesse resultar em aumento de cargos e dotação. O banco afirmou, contudo, que estão programadas mais 25 visitas até o final de agosto.

O BB informou também, que no inicio do processo de reestruturação foram extinguidas aproximadamente 9 mil funções, cerca de seis mil trabalhadores foram atingidos perdendo suas funções e não se aposentaram ou se desligaram, permanecendo hoje 2.300 trabalhadores descomissionados. Ainda de acordo com o banco, existem atualmente cerca 1.300 vagas com comissão abertas, porém, não significa que mais 1.300 trabalhadores serão realocados, uma vez que o trabalhador pode não ter interesse na vaga. No que diz respeito aos caixas, o número é de 202 vagas em aberto e ressaltou que o TAO Especial (Talentos e Oportunidades) continua aberto, sem previsão de encerramento.
Representantes dos trabalhadores relataram a existência de inúmeros casos nos quais houve aberturas e vagas e não foi priorizado o trabalhador em VCP.

Durante a audiência foi colhida uma lista contendo nomes e cargos de trabalhadores nomeados em detrimento dos que recebem VCP. O banco ficou de analisar e responder caso a caso ao MPT.

A audiência foi encerrada e o processo será arquivado após a resposta do BB referente às nomeações.
 

 

Notícias Relacionadas

Bancários aprovam acordos de trabalho do Santander

97,18% dos funcionários aprovaram o acordo com o banco Bancários do banco Santander de todo o país aprovaram, nesta quinta-feira (22), com 97,18% dos votos, o Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) geral dos funcionários, aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria bancária, o ACT do Programa de Participação nos Resultados Santander (PPRS) e […]

Leia mais

Negociação dos Financiários continua sem avanços

Financeiras apresentam proposta abaixo da expectativa da categoria Representantes dos Financiários e a Federação Interestadual das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Fenacrefi) se reuniram nesta quinta-feira (22) para dar continuidade às negociações da campanha salarial da categoria. A pauta de reivindicações da categoria, com data-base em 1º de junho, foi entregue no dia 15 […]

Leia mais

Bancários do Santander participam de Assembleia nesta quinta-feira (22/9)

Votação acontece em plataforma eletrônica das 8h às 20h Nesta quinta-feira (22), bancários do Santander de todo o país participam de Assembleias para avaliar o Acordo Coletivo de Trabalho, o Acordo Coletivo de Trabalho sobre a Participação nos Lucros e Resultados (PPRS) e o Termo de Relações Laborais, todos com validade por dois anos. Os […]

Leia mais

Sindicatos filiados