Mesmo com lucro de R$ 13,8 bi, Banco do Brasil insiste no fechamento de agências e demissões

12.02.2021

Plano de reestruturação é mantido e cerca de 5 mil funcionários podem ser afetados  O lucro anual de 2020 do Banco do Brasil foi de R$ 13,884 bilhões. Comparado ao anterior, de R$ 17,848 bilhões, houve queda de 22,2%. Mesmo com a queda, o movimento sindical vê um lucro consideravelmente alto em um período de […]

Plano de reestruturação é mantido e cerca de 5 mil funcionários podem ser afetados 

O lucro anual de 2020 do Banco do Brasil foi de R$ 13,884 bilhões. Comparado ao anterior, de R$ 17,848 bilhões, houve queda de 22,2%. Mesmo com a queda, o movimento sindical vê um lucro consideravelmente alto em um período de pandemia. "Se considerarmos o momento pelo qual o país e o mundo passou, o lucro continua alto e foi satisfatório para os cofres públicos. O que não justifica a decisão de fechamento de agências, demissões e possível privatização do Banco", esclarece Jeferson Boava, presidente da Federação dos Bancários dos Estados de SP e MS.

Lucros
O Banco do Brasil registrou lucro líquido ajustado de R$ 3,695 bilhões no quarto trimestre de 2020, uma queda de 20,1% na comparação com o mesmo intervalo de 2019. Comparado ao terceiro trimestre, houve uma alta de 6,1% no lucro.

O resultado poderia ser ainda maior, se não fosse o impacto causado pelo aumento de 47,6% da Provisão para Crédito de Liquidação Duvidosa (PCLD), influenciada pela antecipação de provisões prudenciais, que somaram R$ 8,1 bilhões. A rentabilidade do banco em 2020, mesmo com a pandemia, foi de 10,4%.

Prejuízo para o atendimento
Ao final de dezembro de 2020, o BB contava com 91.673 funcionários. Uma redução de 1.517 postos de trabalho em doze meses. Ao longo do ano, foram fechados 178 postos de atendimento bancário.

A precarização do atendimento cai sobre as costas dos clientes. Mesmo pagando caro para contar com os serviços do banco. As receitas do BB com as tarifas bancárias e com a cobrança pelos serviços prestados somaram R$ 28,7 bilhões em 2020 e, somente com esse valor, que é irrisório se comparado ao que arrecada com outras transações que realiza, o banco consegue cobrir todas as despesas que tem com os funcionários (salários, PLR e outros) e ainda sobra 32,1% do valor.

Atos

Nesta semana o movimento sindical realizou diversos atos de protesto à reestruturação que prevê o fechamento de 362 unidades de atendimento e a demissão de cerca de 5 mil funcionários.

Na quarta-feira (10) houve paralisação de 24h e negociação com o Banco. No dia seguinte, após Banco do Brasil se mostrar intransigente nas negociações, um novo protesto aconteceu nas redes sociais com as hashtags #MeuBBValeMais e #BBParado.

Nesta sexta-feira (12), a Comissão de Empresa dos Funcionários do BB (CEBB), organizou uma manifestação na Avenida Paulista, em São Paulo, em frente à Torre Matarazzo, na altura 1230, onde ocorria a apresentação dos lucros do BB aos investidores, acionistas e agentes do mercado.

O ato foi apoiado pela Feeb e contou com a participação dos Sindicatos dos Bancários de Campinas e de Santos, que utilizaram equipamentos de som, faixas e fantasias em sinal de indignação à reestruturação articulada pelo presidente Jair Bolsonaro, que além das demissões e fechamento de agências, pode resultar na venda e privatização do Banco.

Confira aqui as próximas ações contra a reestruturação do BB. 
 

Notícias Relacionadas

Semana reforçou a conscientização sobre o combate às LER/Dort

A data chama atenção para duas doenças que têm relação direta com o trabalho e que atingem milhões de brasileiros Nesta semana, no dia 28 de fevereiro (última quarta-feira) foi o Dia Mundial de combate às Lesões por Esforços Repetitivos (LER) e Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort). A data foi escolhida pela Organização Internacional […]

Leia mais

COE e Itaú discutem revisões nos programas de remuneração

Durante a reunião foram apresentadas modificações nos programas. O movimento sindical deve elaborar contraproposta em breve  A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú realizou nesta quarta-feira (28), em São Paulo, uma reunião com a direção do banco para debater questões relacionadas à remuneração dos funcionários. Durante o encontro, o banco apresentou alterações nos […]

Leia mais

Trabalhadores discutem futuro da Fundação Itaú-Unibanco

Em seminário promovido pela Contraf-CUT e COE Itaú trabalhadores debateram caminhos para aumentar representatividade na gestão do fundo de pensão Trabalhadoras e trabalhadores associados à Fundação Itaú-Unibanco se reuniram, nesta quinta-feira (29), em um seminário organizado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e pela Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú, […]

Leia mais

Sindicatos filiados