Movimento Sindical cobra realocação de trabalhadores do Itaú

23.02.2021

Banco já demitiu mais de 200 gerentes com a justificativa de busca de 'novo perfil' O movimento sindical cobrou do Banco Itaú a realocação dos funcionários ao invés de desligamentos. De acordo com o Banco a busca é por um “novo perfil”. Fonte: Época negócios  “Entendemos a necessidade de atualização do modelo, porém simplesmente fechar […]

Banco já demitiu mais de 200 gerentes com a justificativa de busca de 'novo perfil'

O movimento sindical cobrou do Banco Itaú a realocação dos funcionários ao invés de desligamentos. De acordo com o Banco a busca é por um “novo perfil”.


Fonte: Época negócios 

“Entendemos a necessidade de atualização do modelo, porém simplesmente fechar as portas para funcionários que se dedicaram há anos, em meio a uma pandemia, o que agrava ainda mais a atitude do Banco é desumano e pode causar uma leitura contrária à pretendida”, destaca o secretário geral da Feeb e representante do COE Itaú, Reginaldo Breda.

Demissões
Mais de 200 gerentes operacionais (GO) e gerentes-gerais comerciais (GGC) foram demitidos recentemente em todo o Brasil pelo Banco Itaú. De acordo com o movimento sindical, o número pode ser ainda maior, uma vez que as homologações não são mais feitas nos sindicatos desde a reforma trabalhista, que entrou em vigor em novembro de 2017.

O Banco negou que as demissões tenham ocorrido em razão do projeto Itaú 2020, que estabelece um novo modelo de agências. A justificativa apresentada foi a de que a empresa estaria buscando um “novo perfil de liderança” de profissionais.

“Nossa cobrança é para que esses funcionários que de acordo com avaliação do banco já não se enquadram no “novo perfil de liderança” sejam realocados para outras funções e não demitidos”, reforça Breda.

Projeto piloto
Outro questionamento por parte do movimento foi com relação ao projeto piloto de novo modelo de agências (projeto Itaú 2030) – que a princípio envolveria apenas 50 unidades nas regiões de Guarulhos (SP) e São João de Miriti (RJ). De acordo com os sindicatos, houve denuncias que apontam que o Banco tem implementado o novo modelo em diversas regiões de São Paulo de forma não oficial.

O Banco negou a ocorrência e se comprometeu a levar o assunto para ser discutido junto à diretoria.

Agir
O Gera, programa que substituiu o Agir, também tem sido motivo de preocupação para os bancários.
Ao contrário do que a direção do Itaú propagou o novo programa não traz benefícios coletivos maiores e melhores resultados para os clientes.

O banco considerou debater sobre o assunto em breve.

Banco de horas negativas
Já sobre o banco de horas negativas ficou acordado entre as partes que os trabalhadores terão um período de 18 meses, a partir do mês de março, com o limite de duas horas por dia, para compensar as horas.
O acordo terá acompanhamento trimestral para avaliação e pode ser prorrogado por mais seis meses caso os trabalhadores não consigam zerar suas horas.

Leia mais: 

» Itaú paga PLR no dia 1º de março
» COE Itaú conquista modelo de compensação do banco de horas negativas
» COE Itaú conquista reajuste no Programa Bolsa Auxílio Educação

 

Notícias Relacionadas

Banco do Brasil se compromete a não mexer na gratificação dos caixas durante a Campanha Nacional 2024

A garantia foi dada pela direção do banco na terceira mesa de negociação da Campanha Nacional 2024, nesta sexta-feira (12), e tema será tratado durante período de renovação da CCT. O Banco do Brasil se comprometeu a não mexer na gratificação dos caixas durante a Campanha Nacional 2024 e a negociar a pauta durante o […]

Leia mais

Financiários cobram igualdade salarial e de oportunidades para mulheres e negros no setor

Com base em levantamento do Dieese, trabalhadores e trabalhadoras mostraram distorções salariais de gênero e raça Representantes dos financiários, no movimento sindical, se reuniram, nesta sexta-feira (12), com a Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi), para cobrar igualdade de oportunidades no setor. O encontro faz parte das negociações da Campanha Nacional […]

Leia mais

Nota da Feeb SP/MS sobre a destituição de gerentes da Caixa Asset

A Federação dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SP/MS) manifesta sua profunda preocupação com a recente destituição de três gerentes da Caixa Asset, subsidiária da Caixa Econômica Federal responsável pela gestão de ativos. Esses gerentes foram removidos de seus cargos após recusarem-se a aprovar uma operação de […]

Leia mais

Sindicatos filiados