Mulheres são 58,4% da categoria bancária aponta Perfil Bancário 2022

08.04.2022

Regional: Sindicato dos Bancários de Piracicaba A edição de 2022 da pesquisa Perfil Bancário, realizada pelo Sindicato dos Bancários de Piracicaba e Região (SINDBAN) em sua base aponta que as mulheres representam 58,4% da categoria. Em 2021, as mulheres somavam 52,72% dos bancários. Aumentou ainda o número de bancários jovens no mercado de trabalho: 31,70% […]

Regional: Sindicato dos Bancários de Piracicaba

Aumentou ainda o número de bancários jovens no mercado de trabalho: 31,70% dos bancários têm de 26 a 35 anos. No ano passado esse percentual era de 23,85%. Entre os bancários de 36 a 45 anos, o percentual saltou de 29,29% para 34,50%.

Na avaliação do presidente do SINDBAN, José Antonio Fernandes Paiva, “a presença de bancários mais jovens na pesquisa é o retrato das milhares de demissões do setor nos últimos anos e dos planos de demissão voluntária que atingem os bancários com mais tempo de serviço”, aponta.

Teletrabalho – A pesquisa perguntou aos bancários se trabalharam em home office. Por decisão do banco, 58,70% responderam que sim, contra 26,53% da pesquisa anterior. 26,70% responderam que trabalharam em home office por serem do grupo de risco. Em 2021, esse índice foi de 19,39%. Por fim, 14,60% disseram que trabalharam em home office por conviverem com pessoas do grupo de risco. Um percentual bem maior do que no ano passado, quando apenas 4,08% responderam estar nessa situação.

Pressão – Infelizmente, este ano o Perfil Bancário novamente aponta a pressão dos bancos sob os trabalhadores. A pressão por metas foi apontada como principal problema do ambiente de trabalho por 79,90% da categoria. Um pequeno aumento em relação ao ano passado quando o índice atingiu 78,57% dos entrevistados.

Já as reclamações sobre ritmo de trabalho acelerado saltaram de 36,73% em 2021, para 42,90% este ano.

“A categoria bancária foi uma das mais atingidas durante a pandemia da covid-19. Desde o início negociamos com os bancos o teletrabalho. De outro lado, a demanda das agências teve de ser atendida por um número menor de bancários. Mas o pior é a ganância dos bancos por lucro sob quaisquer condições. Isso tem pressionado nossa categoria sobremaneira”, avalia.

O questionário deste ano foi respondido por 50% da categoria, uma amostragem muito representativa, principalmente considerando que boa parte dos bancários está trabalhando em home office.

Os dados da pesquisa ajudam o sindicato a cobrar os bancos e propor ações para a melhoria da qualidade de trabalho da categoria.

 

Notícias Relacionadas

BB prioriza diversidade na expansão das Gepes

Mulheres, negros, indígenas e PcDs terão prioridade no programa que irá dobrar a rede de Gestão de Pessoas O Banco do Brasil anunciou, nesta quarta-feira (21), um programa de expansão da rede de Gestão de Pessoas (Gepes). Durante a reunião com membros da Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB), o banco […]

Leia mais

COE do Bradesco discute reestruturação no banco

 Sindicato expressa preocupação com direção futura da instituição financeira A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Bradesco se reuniu na última terça-feira (20), na sede da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), em São Paulo, para discutir a reestruturação anunciada pelo novo presidente do banco, Marcelo Noronha, em 7 de fevereiro, sem […]

Leia mais

Sindicato dos Bancários de Campinas completa 70 anos e receberá homenagem na Câmara da cidade

Sessão solene na Câmara de Vereadores será realizada nesta quinta-feira (22). Evento terá exposição de fotos históricas das lutas da entidade O plenário da Câmara dos Vereadores de Campinas realizará, nesta quinta-feira (22), uma sessão solene em homenagem aos 70 anos de fundação do Sindicato dos Bancários de Campinas e Região, cuja data de fundação foi 27 […]

Leia mais

Sindicatos filiados