Reajuste dos bancários será de 10,97% nos salários, entenda a fórmula

10.09.2021

Federação dos Bancários avalia trabalho dos sindicatos fundamental para o aumento real do salário Os bancários terão reajuste de 10,97% nos salários, vales refeição e alimentação e demais direitos econômicos estabelecidos pela Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria, com ganho de real de 0,5% acima do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) acumulado […]

Federação dos Bancários avalia trabalho dos sindicatos fundamental para o aumento real do salário

Os bancários terão reajuste de 10,97% nos salários, vales refeição e alimentação e demais direitos econômicos estabelecidos pela Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria, com ganho de real de 0,5% acima do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) acumulado entre setembro de 2020 e agosto de 2021, que ficou em 10,42%.

“O trabalho constante dos sindicatos têm permitido que os bancários mantenham o valor real do seu salário com crescimento. Isso é muito importante, mas ao mesmo tempo lamentamos esse índice de inflação, que não é bom para o país. O importante neste momento é que a gente esteja atento e cobre do governo que atenda medidas necessárias para reduzir a inflação, o que consideramos o cenário mais sustentável para o país”, diz Davi Zaia, presidente da Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul.

Cálculo do reajuste dos bancários

O economista Gustavo Cavarzan, do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), alerta que algumas pessoas podem achar que existe erro na porcentagem de reajuste. “O cálculo não é feito com a simples soma de 10,42% mais 0,5%. Existe uma fórmula de cálculo composto para se calcular o ganho real”, explicou.

Para se chegar ao índice de reajuste deve-se somar 10,42%+1 e 0,5%+1 e multiplicar os resultados, depois se subtrair 1 e se multiplicar por 100 para se se chegar à porcentagem. A fórmula é a seguinte: (1+10,42%) x (1+0,5%) -1.

Histórico de aumento

A categoria vem obtendo aumento real no decorrer da história. Desde 2004, o ganho real acumulado é de 21,94%. Considerando os pisos salariais o ganho real é ainda maior, chegando a 43,56% neste mesmo período. “Isso ocorre porque, em muitos anos, os pisos tiveram reajuste diferenciado, acima do reajuste geral dos salários”, explicou o economista do Dieese.

Segundo dados do Ministério do Trabalho compilados pelo DIEESE, até julho de 2021, apenas 17,5% dos reajustes foram acima do INPC, 32,2% iguais ao INPC e 50,3% abaixo do INPC.

 

Notícias Relacionadas

Eleição Caref BB: Kelly Quirino recebe mais de 60% dos votos

Resultado ainda é preliminar, os números finais serão divulgados no dia 8 de fevereiro pela Comissão Eleitoral Kelly Quirino recebeu 60,70% dos votos para Caref BB no primeiro turno para o cargo que representará os funcionários no Conselho de Administração (CA) do Banco do Brasil, nos próximos dois anos. Com mais da metade dos votos, […]

Leia mais

O pioneirismo na luta pela previdência do trabalhador

Acompanhamos nesta semana a repercussão do Centenário da Previdência Social, completado no dia 24 de janeiro, mesmo dia em que é celebrado o Dia Nacional do aposentado. É fato que a criação da Lei Eloy Chaves, em 1923, foi imprescindível para o estabelecimento das bases do Sistema Previdenciário Brasileiro e o surgimento das Caixas de […]

Leia mais

24 de janeiro de 2023, Centenário da Previdência Social

O dia 24 de janeiro de 2023 marca o centenário da Previdência Social do Brasil, um conjunto de benefícios que teve como base a criação da Lei Eloy Chaves, em 1923. A medida estabeleceu as bases do Sistema Previdenciário Brasileiro ao criar as Caixas de Aposentadorias e Pensões (CAP), na época, destinada apenas aos empregados […]

Leia mais

Sindicatos filiados