Representação dos funcionários denuncia assédio moral no Mercantil do Brasil

01.06.2022

Cobranças excessivas de metas, ameaças de demissão e de exposição pessoal são alguns dos casos relatados A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Banco Mercantil do Brasil (BMB), e os sindicatos afiliados denunciaram ontem (31), casos de assédio moral e cobrança excessivas de metas contra os funcionários. De acordo com os relatos apresentados, os […]

Cobranças excessivas de metas, ameaças de demissão e de exposição pessoal são alguns dos casos relatados

A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Banco Mercantil do Brasil (BMB), e os sindicatos afiliados denunciaram ontem (31), casos de assédio moral e cobrança excessivas de metas contra os funcionários. De acordo com os relatos apresentados, os casos foram praticados pela Superintendência Comercial do banco. As denúncias incluem ameaças de demissão sumária por uma Superintendente Comercial, caso os trabalhadores não cumpram as metas impostas.

A representação da COE evidenciou a alta rotatividade no Mercantil do Brasil, que gira em torno de 24% ao ano, o que atesta que o banco se utiliza dessa estratégia para pressionar e amedrontar funcionários. A representação observou, ainda, que as “temidas” videoconferências são utilizadas com frequência como forma de tortura aos trabalhadores, que são pressionados a venderem ou “empurrarem” produtos aos aposentados durante todo o horário de atendimento.
A violência psicológica praticada foi exposta por meio de exemplos como o de ameaças relacionadas ao horário de expediente e à exposição do bancário. Relatos de que os os expedientes nas agências só seriam encerrados após o cumprimento integral das metas e de que funcionários com as piores performances seriam expostos junto aos demais colegas estão entre os apresentados.
Para a representação dos trabalhadores, o ato reflete covardia, descaso e incoerência da empresa, que se utiliza do marketing par demonstrar um compromisso social inexistente, tendo em vista que na prática demonstra frieza ao permitir o assédio moral contra seus funcionários e ao impor essa taxa absurda de rotatividade para ameaçar constantemente os bancários.
As soluções para os problemas continuarão sendo cobradas pelo movimento sindical.>>>>> Funcionários do Mercantil aprovam pauta de reivindicações e plano de luta

Fonte: Contraf-CUT, com Seeb/BH e Região e edição Feeb SP/MS.

Notícias Relacionadas

Banco do Brasil se compromete a não mexer na gratificação dos caixas durante a Campanha Nacional 2024

A garantia foi dada pela direção do banco na terceira mesa de negociação da Campanha Nacional 2024, nesta sexta-feira (12), e tema será tratado durante período de renovação da CCT. O Banco do Brasil se comprometeu a não mexer na gratificação dos caixas durante a Campanha Nacional 2024 e a negociar a pauta durante o […]

Leia mais

Financiários cobram igualdade salarial e de oportunidades para mulheres e negros no setor

Com base em levantamento do Dieese, trabalhadores e trabalhadoras mostraram distorções salariais de gênero e raça Representantes dos financiários, no movimento sindical, se reuniram, nesta sexta-feira (12), com a Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi), para cobrar igualdade de oportunidades no setor. O encontro faz parte das negociações da Campanha Nacional […]

Leia mais

Nota da Feeb SP/MS sobre a destituição de gerentes da Caixa Asset

A Federação dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SP/MS) manifesta sua profunda preocupação com a recente destituição de três gerentes da Caixa Asset, subsidiária da Caixa Econômica Federal responsável pela gestão de ativos. Esses gerentes foram removidos de seus cargos após recusarem-se a aprovar uma operação de […]

Leia mais

Sindicatos filiados