Resultados dos Bancos no 1º Semestre: Veja notícias

08.10.2020

Lucro do Itaú Unibanco atinge R$ 6,4 bilhões no 1º semestre, alta de 39,6%   TONI SCIARRETTA DE SÃO PAULO O Itaú Unibanco, maior banco privado brasileiro, encerrou o primeiro semestre com lucro líquido de R$ 6,4 bilhões, com rentabilidade anualizada de 24,4% sobre patrimônio líquido médio, segundo comunicado ao mercado desta terça-feira. Em relação […]

Lucro do Itaú Unibanco atinge R$ 6,4 bilhões no 1º semestre, alta de 39,6%
 
TONI SCIARRETTA
DE SÃO PAULO
O Itaú Unibanco, maior banco privado brasileiro, encerrou o primeiro semestre com lucro líquido de R$ 6,4 bilhões, com rentabilidade anualizada de 24,4% sobre patrimônio líquido médio, segundo comunicado ao mercado desta terça-feira. Em relação ao mesmo período de 2009, a alta foi de 39,6%.
No primeiro trimestre, o lucro da instituição tinha sido de R$ 3,23 bilhões.
A carteira de crédito do Itaú Unibanco atingiu R$ 296,2 bilhões em junho, 11,4% mais do que no mesmo período de 2009.
Os maiores crescimentos no crédito foram dos segmentos de financiamento imobiliário, com R$ 10,5 bilhões (47,7%), pessoa física, com R$ 107,2 bilhões (12,8%), na comparação com o ano anterior.
O crédito a empresas no período foi da ordem de R$ 160,6 bilhões.  
Os ativos consolidados do banco somaram R$ 651,6 bilhões em 30 de junho.
De acordo com os resultados divulgados, os recursos próprios livres, captados e administrados totalizaram R$ 904,2 bilhões, com crescimento de 11% quando comparados a 30 de junho de 2009.
Como no caso do Bradesco e Santander, o aumento no lucro do Itaú Unibanco se deve basicamente à retomada das operações de crédito, além da necessidade menor de fazer provisões para cobrir perdas com inadimplência.
As cotações das ações preferenciais do Itaú Unibanco valorizaram 16,5%, quando comparadas às cotações de 30 de junho de 2009.
 
Bradesco encerra semestre com lucro 16% maior, de R$ 4,6 bilhões

TONI SCIARRETTA

DE SÃO PAULO
Terceiro maior banco brasileiro, o Bradesco abriu nesta quarta-feira a temporada de resultados financeiros do primeiro semestre do setor bancário com lucro líquido de R$ 4,602 bilhões, já descontando os efeitos extraordinários como venda de participações em empresas e provisões para perdas com planos econômicos.
O resultado é 16,4% maior do que o apurado no primeiro semestre de 2009, período subsequente à crise global em que os bancos brasileiros foram mais seletivos no crédito.
Segundo Luiz Carlos Trabuco Cappi, presidente do Bradesco, o crescimento no lucro se deve, basicamente, à recuperação das operações de crédito e a uma menor necessidade de separar recursos para cobrir eventuais perdas com inadimplência.
A carteira de crédito somou R$ 244,788 bilhões, volume 15% maior do que no primeiro semestre de 2009, refletindo o aumento da base de clientes.
Segundo o Bradesco, os empréstimos para pessoa física cresceram 20,7% no período, enquanto os créditos para empresas tiveram aumento de 12%. O destaque ficou para o financiamento de pequenas e médias empresas, que teve expansão de 21,4%.
Trabuco afirmou que a inadimplência recuou para 4%, patamar esperado apenas para o final do ano. "Daqui para a frente, achamos que haverá uma acomodação. Não há espaço para redução de 0,4 ponto todo trimestre", disse.
Com a melhora da economia, desde dezembro o Bradesco tem reduzido o volume de provisões para calote passou de R$ 8,5 bilhões, em dezembro, para R$ 7,6 bilhões em junho. Apesar da redução, o banco manteve constante um "colchão" de provisão adicional (acima do necessário) de R$ 3 bilhões, para se precaver contra eventuais reversões no cenário. "Não achamos que isso vai acontecer", disse.
De acordo com o banco, o lucro é composto por R$ 3,198 bilhões provenientes das atividades financeiras, correspondendo a 69% do total, e por R$ 1,404 bilhão gerados pelas atividades de seguros, previdência e capitalização, representando 31% do total.
Em 30 de junho de 2010, o valor de mercado do banco era de R$ 87,9 bilhões, ressaltando que as ações preferenciais valorizaram-se 10,3% nos últimos 12 meses. Os ativos totais em junho registraram saldo de R$ 558,100 bilhões, crescimento de 15,7% em relação ao mesmo período de 2009. O retorno sobre os ativos totais médios foi de 1,7%.
 
Lucro do Santander no Brasil dobra no 1º semestre e atinge R$ 2 bi
TONI SCIARRETTA
DE SÃO PAULO
O banco Santander Brasil, que engloba as operações do antigo Banco Real, terminou o primeiro semestre com lucro líquido de R$ 2,02 bilhões, o dobro do apurado no mesmo período do ano passado.
Como no caso do Bradesco, o aumento do lucro do Santander se deve basicamente à retomada das operações de crédito, que cresceram 9,9% na comparação com o primeiro semestre de 2009, com destaque para o aumento no crédito pessoal (23,6%) e no cartão de crédito (24,8%).
"O resultado bom foi fruto do aumento da carteira de crédito. A demanda de crédito que vem junto com o crescimento da economia. Isso, junto com a redução das perdas, explica esse crescimento nos lucros", disse Fabio Barbosa, presidente do Banco Santander.
O acréscimo na carteira de crédito para consumidores (13,2%) foi superior ao contabilizado para empresas (8,9%). O semestre foi marcado por forte expansão do crédito nos bancos privados, que reduziram a concessão de empréstimos por conta da crise no ano passado.
Maior banco da zona do euro, o Santander teve lucro líquido de 4,445 bilhões de euros no mundo, valor 1,6% menor do que o registrado no primeiro semestre de 2009.
Sozinho, o Brasil contribuiu com 22% do lucro global do Santander, mesmo patamar da Espanha, país de origem do banco. "Se continuar essa tendência de crescimento, o Brasil pode passar a Espanha na geração de resultados para o banco", disse.
 
HSBC duplica lucro para US$ 6,7 bi no primeiro semestre de 2010
DA FRANCE PRESSE, EM LONDRES
O banco britânico HSBC anunciou nesta segunda-feira que duplicou seu lucro líquido no primeiro semestre de 2010, com ganhos de US$ 6,763 bilhões, e reduziu quase na mesma proporção seus encargos para créditos de risco, a US$ 7,523 bilhõe.
Estas cifras superaram as expectativas dos analistas, que esperavam lucros antes dos impostos (Ebitda, na sigla em inglês) no valor de US$ 9,3 bilhões, ao invés dos US$ 11,1 bilhões anunciados pelo HSBC.
O HSBC indicou que sua atividade na América do Norte obteve um benefício antes do imposto no primeiro semestre, saindo desse modo de um período de três anos de perdas vinculadas à crise de créditos "subprime" nos Estados Unidos.
A Europa contribuiu amplamente para o bom resultado do banco com o Ebtida de US$ 3,521 bilhões, alta de 31,7%.
As cifras foram mais moderadas na América do Norte ( alta de 4,4%, US$ 492 milhões), na América Latina ( acréscimo de 8%, US$ 883 milhões) e Oriente Médio ( elevação de 3,1%, US$ 346 milhões).
 
Lucro do Daycoval cresce 66,7%, para R$ 64,2 milhões no trimestre
SÃO PAULO – O Banco Daycoval encerrou o segundo trimestre com lucro líquido de R$ 64,2 milhões, o que representa uma evolução de 66,7% frente aos R$ 38,5 milhões obtidos no mesmo trimestre de 2009 e de 17,6% na comparação com os R$ 54,6 milhões do trimestre anterior

A instituição, especializada em crédito a pequenas e médias empresas e em crédito consignado, atribuiu o resultado ao crescimento das receitas das operações de crédito e à redução das despesas de provisão para devedores duvidosos.

O retorno sobre o patrimônio líquido médio (ROAE) alcançou 16%, acima dos 13,6% do primeiro trimestre e dos 9,85 do segundo trimestre.

O resultado da intermediação financeira somou R$ 154,4 milhões, alta de 43,0% frente ao segundo trimestre de 2009 e avanço de 23,6% sobre os primeiros três meses de 2010.

O total de ativos aumentou 42,2% em um ano e 15,5% na comparação trimestral, para R$ 8,813 bilhões, "refletindo a contínua melhora do ambiente dos negócios, o que motivou o crescimento da carteira de crédito e das aplicações interfinanceiras de liquidez", disse o banco em comunicado.

As operações de crédito permanecem como principal ativo, representando 48,2% do total. A carteira de crédito atingiu um saldo de R$ 4,786 bilhões em 30 de junho, o que representa um crescimento de 31% frente à posição de junho de 2009 e alta de 11,8% em relação a março. Os créditos para pequenas e médias empresas responderam por R$ 2,997 bilhões da carteira. O consignado respondeu por R$ 1,238 bilhão.

A relação entre provisões e o total da carteira de crédito recuou de 7,5% no segundo trimestre de 2009 para 3,4% no mesmo trimestre deste ano. No primeiro trimestre, o índice estava em 4,5%. O segmento de middle market foi o que mais contribuiu para o recuo, caindo de 4,0% no primeiro trimestre para 2,9% no trimestre seguinte. Já as carteiras de consignado e veículos permaneceram praticamente estáveis, com índices de 2,2% e 12,7%, respectivamente.

O Daycoval constituiu R$ 29,5 milhões em provisões para devedores duvidosos (PDD) no trimestre, 22% a menos do que os R$ 37,8 milhões provisionados no trimestre anterior. Com isso, o saldo final de PDD foi de R$ 153,3 milhões, 12,7% abaixo dos R$ 175,6 milhões de março e 38,5% menos que os R$ 249,2 milhões de junho de 2009.

O Índice de Basileia do Daycoval recuou de 27,2% em março para 22,3% em junho. "Essa redução do Índice de Basileia se deve basicamente, ao aumento da carteira de crédito e pagamento de dividendos. O banco vem mantendo, dessa forma, a compatibilidade do capital com a estrutura de ativos", disse a instituição no comunicado sobre o balanço.

 
 
Lucro do Citigroup cai 37%, para US$ 2,7 bi, no 2º trimestre
 DA REUTERS, EM NOVA YORK

 

O Citigroup registrou lucro de US$ 2,7 bilhões no segundo trimestre, queda de 37% ante o mesmo período do ano anterior, afetado por receita menor na unidade de banco de investimentos.
O terceiro maior banco dos Estados Unidos teve um lucro de US$ 0,09 por ação, contra US$ 4,28 bilhões, ou US$ 0,49 por ação um ano antes.
Analistas esperavam em média US$ 0,05 por ação, antes de itens especiais, segundo a Reuters Estimates.
Até o fim de quinta-feira as ações da instituição acumulavam alta de 26% este ano, enquanto o setor bancário nos Estados Unidos como um todo subiu 17%.

Notícias Relacionadas

Após repercussão das denúncias de assédio sexual, Pedro Guimarães pede demissão

Testemunhos das vítimas vieram a público na terça-feira (28) e assustam pela quantidade de casos e pelo grau de desrespeito e crueldade; Ministério Público investiga em sigilo O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, entregou seu pedido de demissão na tarde desta quarta-feira (29) ao presidente da república, Jair Bolsonaro. A decisão foi tomada […]

Leia mais

NOTA OFICIAL

NOTA OFICIAL Pelo imediato afastamento de Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, e o acolhimento e preservação das vítimas Nós, bancárias de todo o Brasil, manifestamos nossa indignação pelos atos de assédio sexual praticados por Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, que ganharam repercussão na noite de desta terça-feira, 28/06/2022, ao serem divulgados […]

Leia mais

Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul repudia ações de Pedro Guimarães, acusado de assédio sexual

Além de apuração das denúncias, representação dos empregados pede afastamento do presidente da Caixa Após se tornar pública a acusação de assédio sexual feita por diferentes empregadas da Caixa Econômica Federal ao presidente Pedro Duarte Guimarães, a Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, se solidariza com as vítimas e manifesta […]

Leia mais

Sindicatos filiados