Santander retorna horário das 16h para fechamento de agências

30.09.2021

De acordo com o comunicado emitido pelo banco Santander nesta quinta-feira (30), as agências retornarão ao horário normal de atendimento ao público, com fechamento previsto para às 16h. A alteração terá início a partir de segunda-feira (4). Já o atendimento prioritário, no período das 9h às 10h, será mantido. A medida foi tomada sem a […]

De acordo com o comunicado emitido pelo banco Santander nesta quinta-feira (30), as agências retornarão ao horário normal de atendimento ao público, com fechamento previsto para às 16h. A alteração terá início a partir de segunda-feira (4). Já o atendimento prioritário, no período das 9h às 10h, será mantido.
A medida foi tomada sem a consulta à representação dos trabalhadores.

A Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo reivindica novas contratações.

"Diante de um reduzido quadro de funcionários é imprescindível que para que o retorno ocorra da forma adequada, novas contratações sejam feitas pelo banco, e principalmente, que haja respeito total aos protocolos sanitários contra a disseminação da Covid-19, dado que a pandemia ainda não acabou", destaca Patrícia Bassanin, representante da Feeb na Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Santander.
O banco orientou que cartazes sejam afixados nas agências informando a alteração do horário, que volta a ser o mesmo de antes da pandemia: das 9h às 10h para atendimento exclusivo para o público prioritário e das 10h às 16h para o público em geral.

Postura
A volta da abertura das agências até às 16h já estava sendo debatida entre os bancos que fazem parte da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), porém, bancários e o movimento sindical foram surpreendidos com a decisão tomada pelo Santander sem qualquer consenso e encaminhamento antecipado de que a medida seria tomada de forma individual.

Pesquisa
Ao avaliar as condições de teletrabalho da categoria, após mais de um ano de duração da modalidade, o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), apontou por meio de pesquisa aplicada, maior incidência de diagnóstico positivo de Covid-19 (38%) entre os que permaneceram no trabalho presencial do que entre aqueles que passaram a modalidade em home office (23%). A pesquisa ouviu mais de 13 mil bancárias e bancários. Dentre os resultados obtidos, a pesquisa constatou que o banco que menos colocou trabalhadores em foi o que mais teve registros de contaminação.

 

Notícias Relacionadas

Semana reforçou a conscientização sobre o combate às LER/Dort

A data chama atenção para duas doenças que têm relação direta com o trabalho e que atingem milhões de brasileiros Nesta semana, no dia 28 de fevereiro (última quarta-feira) foi o Dia Mundial de combate às Lesões por Esforços Repetitivos (LER) e Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort). A data foi escolhida pela Organização Internacional […]

Leia mais

COE e Itaú discutem revisões nos programas de remuneração

Durante a reunião foram apresentadas modificações nos programas. O movimento sindical deve elaborar contraproposta em breve  A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú realizou nesta quinta-feira (28), em São Paulo, uma reunião com a direção do banco para debater questões relacionadas à remuneração dos funcionários. Durante o encontro, o banco apresentou alterações nos […]

Leia mais

Trabalhadores discutem futuro da Fundação Itaú-Unibanco

Em seminário promovido pela Contraf-CUT e COE Itaú trabalhadores debateram caminhos para aumentar representatividade na gestão do fundo de pensão Trabalhadoras e trabalhadores associados à Fundação Itaú-Unibanco se reuniram, nesta quinta-feira (29), em um seminário organizado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e pela Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú, […]

Leia mais

Sindicatos filiados