“Seminário sobre PLR evidencia necessidade de debate sobre distribuição e contratação programas próprios”, avalia vice-presidente da Federação

21.07.2016

Dirigentes da base da Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul (FEEB-SP/MS) participaram na última quarta-feira (20), do Seminário “P.L.R. na categoria bancária, no BB e na Caixa e as especificidades de Itaú e Santander”, realizado em parceria com o DIEESE e a FETEC-SP, na sede da Contraf-CUT, em São Paulo […]


Dirigentes da base da Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul (FEEB-SP/MS) participaram na última quarta-feira (20), do Seminário “P.L.R. na categoria bancária, no BB e na Caixa e as especificidades de Itaú e Santander”, realizado em parceria com o DIEESE e a FETEC-SP, na sede da Contraf-CUT, em São Paulo

Dirigentes dos Seebs de Campinas, Piracicaba, Ribeirão Preto, Santos e Sorocaba marcaram presença no seminário que teve como objetivo, aprofundar a discussão em torno do modelo atual de distribuição da Participação nos Lucros e Resultados (PLR) da categoria e também sobre os programas próprios de remuneração dos bancos – quando for o caso, uma vez que nem toda instituição possui um programa próprio.

A forma de distribuição da PPRS – Programa de Participação nos Resultados do Santander é um exemplo das distorções ocorridas no pagamento da PLR, que precisam ser debatidas e equacionadas. O banco pagou um total de R$100,8 milhões de PPRS para cerca de 50 mil funcionários e para somente 42 executivos o total foi de R$108.087 milhões, conforme o relato de uma integrante da COE – Comissão Organização dos Empregados do Santander.

“O que fica evidente com os dados apresentados é que os bancos que mais lucram são os que acabam distribuindo menos, proporcionalmente. Neste sentido, é importante para a Campanha Salarial deste ano, debatermos a distribuição da PLR nos bancos públicos e privados e também a contratação dos programas próprios de remuneração de cada banco”, avalia o vice-presidente da FEEB-SP/MS, Jeferson Boava.

Não desconto e transparência

De acordo com Jeferson, o movimento sindical defende duas medidas importantes para aperfeiçoar o sistema de remuneração variável existente: não descontar da PLR da categoria os valores referentes aos programas próprios e aumentar a transparência, discriminando no demonstrativo de pagamento qual valor é proveniente da PLR e qual diz respeito ao pagamento do programa próprio.

Foto: Contraf-CUT
 

Notícias Relacionadas

Saúde, segurança, metas e violência contra as mulheres pautam reunião das Financeiras

Coletivo Nacional dos Financiários e Acrefi voltam à mesa de negociação pela Campanha Nacional 2024 Na tarde desta sexta-feira (19), o Coletivo Nacional dos Financiários da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) realizou mais uma rodada de negociações com a Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi). A pauta do […]

Leia mais

Quarta mesa de negociação do BB discute diversidade e igualdade de oportunidades

Para Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB), Banco do Brasil deu sinais de avanços importantes na reunião Na manhã desta sexta-feira (19), em São Paulo, foi realizada a quarta mesa de negociação específica da Campanha Nacional 2024 para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) do Banco do Brasil. A pauta principal […]

Leia mais

CEE Caixa realiza nova rodada de negociações focada em diversidade e igualdade de oportunidades

Além de diversidade e igualdade, foram discutidos temas como FUNCEF, escala de férias, telefone celular e escola inclusiva A Comissão Executiva dos Empregados (CEE) da Caixa Econômica Federal conduziu nesta sexta-feira (19) mais uma mesa de negociação para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) dos empregados da instituição. O tema central da discussão […]

Leia mais

Sindicatos filiados