Sindicato de Santos surpreende gerência do Itaú escondendo 3 funcionários dentro da tesouraria para que trabalhassem na greve

20.09.2013

A diretoria do Sindicato dos Bancários de Santos surpreendeu a gerência da agência do Itaú, na rua João Ramalho, em São Vicente, trancafiando três funcionários dentro da tesouraria para escondê-los, a fim de que trabalhassem na greve. Segundo o secretário de comunicação do Sindicato dos Bancários de Santos e Região, Fabiano Couto, os funcionários foram […]

A diretoria do Sindicato dos Bancários de Santos surpreendeu a gerência da agência do Itaú, na rua João Ramalho, em São Vicente, trancafiando três funcionários dentro da tesouraria para escondê-los, a fim de que trabalhassem na greve. Segundo o secretário de comunicação do Sindicato dos Bancários de Santos e Região, Fabiano Couto, os funcionários foram obrigados a chegar às 6h30 na unidade e foram confinados no cubículo. “O que caracteriza cárcere privado”, diz Couto. O secretario e a advogada da entidade foram até a delegacia para registrar boletim.

Greve é ampliada no segundo dia, 20/09

No 2º dia de greve, 20/09/13, os bancários aumentaram a paralisação nas cidades de Cubatão, Guarujá, Praia Grande para 90% das unidades fechadas, índice já registrado em Santos e S.Vicente , desde o início do movimento. Em Mongaguá, Itanhaém, Peruíbe e Bertioga 70% dos bancários cruzaram os braços, por tempo indeterminado. Os banqueiros estão irredutíveis e oferecem reajuste de 6,1%, índice abaixo da inflação, a categoria reivindica 11,93%. A data-base do Acordo Coletivo dos bancários é 1º de setembro e a greve é nacional.

Greve é constitucional

A greve é um direito do trabalhador, previsto na Constituição e regulamentado pela Lei Nº 7.783/89. É garantida pelo Estado porque é a única forma de o trabalhador exercer pressão por seus direitos diante de uma negociação fracassada com o empregador. O direito de greve existe para equilibrar a correlação de forças, já que o empregador detém o poder econômico.

Terceirização é objetivo dos banqueiros

Segundo o Presidente do Sindicato dos Bancários de Santos e Região, Ricardo Saraiva – BIG, esta situação vai piorar se o Projeto de Lei 4330, da terceirização e de interesse do empresariado, for aprovado no CONGRESSO NACIONAL. “A proposta visa escancarar o uso de trabalhadores terceirizados em diversos setores e reduzir direitos”, esclarece.

DIEESE

Segundo estudos do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), quem trabalha em firmas terceirizadas: – Recebe salário 27% menor que o contratado direto; – Tem jornada semanal de 3 horas a mais; – Permanece 2,6 anos a menos no emprego do que um trabalhador contratado diretamente; – A rotatividade é maior – 44,9% entre os terceirizados, contra 22% dos diretamente contratados; – A cada 10 acidentes de trabalho, oito acontecem entre os trabalhadores terceirizados. O número de óbitos no local de ofício é cinco vezes maior do que entre os contratados diretos, nos setores petrolífero e elétrico.

As reivindicações dos bancários

> Reajuste salarial de 11,93%

> PLR: três salários mais R$ 5.553,15.

> Piso: R$ 2.860,21 (salário mínimo do Dieese).

> Auxílios alimentação, refeição, 13ª cesta e auxílio-creche/babá: R$ 678 ao mês para cada (salário mínimo nacional).

> Melhores condições de trabalho, com o fim das metas e do assédio moral que adoece os bancários.

> Emprego: fim das demissões, mais contratações, aumento da inclusão bancária, combate às terceirizações, especialmente ao PL 4330 que precariza as condições de trabalho, além da aplicação da Convenção 158 da OIT, que proíbe as dispensas imotivadas.

> Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) para todos os bancários.

> Auxílio-educação: pagamento para graduação e pós-graduação.

> Prevenção contra assaltos e sequestros, com o fim da guarda das chaves de cofres e agências por bancários.

> Igualdade de oportunidades para bancários e bancárias, com a contratação de pelo menos 20% de negros e negras.

Fonte: Imprensa do Sindicato dos Bancários de Santos

Notícias Relacionadas

Saúde, segurança, metas e violência contra as mulheres pautam reunião das Financeiras

Coletivo Nacional dos Financiários e Acrefi voltam à mesa de negociação pela Campanha Nacional 2024 Na tarde desta sexta-feira (19), o Coletivo Nacional dos Financiários da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) realizou mais uma rodada de negociações com a Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi). A pauta do […]

Leia mais

Quarta mesa de negociação do BB discute diversidade e igualdade de oportunidades

Para Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB), Banco do Brasil deu sinais de avanços importantes na reunião Na manhã desta sexta-feira (19), em São Paulo, foi realizada a quarta mesa de negociação específica da Campanha Nacional 2024 para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) do Banco do Brasil. A pauta principal […]

Leia mais

CEE Caixa realiza nova rodada de negociações focada em diversidade e igualdade de oportunidades

Além de diversidade e igualdade, foram discutidos temas como FUNCEF, escala de férias, telefone celular e escola inclusiva A Comissão Executiva dos Empregados (CEE) da Caixa Econômica Federal conduziu nesta sexta-feira (19) mais uma mesa de negociação para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) dos empregados da instituição. O tema central da discussão […]

Leia mais

Sindicatos filiados