Sindicato de Sorocaba protesta contra demissões no Santander

28.05.2014

O Sindicato dos Bancários Sorocaba e Região realizou um manifesto nesta terça-feira, dia 27 de maio, na agência da rua XV de Novembro, do banco Santander, em Sorocaba. Com faixas e panfletos diretores do sindicato conversaram com a população e com os funcionários do banco, sobre a política de gestão adotada pelo atual presidente do […]

O Sindicato dos Bancários Sorocaba e Região realizou um manifesto nesta terça-feira, dia 27 de maio, na agência da rua XV de Novembro, do banco Santander, em Sorocaba. Com faixas e panfletos diretores do sindicato conversaram com a população e com os funcionários do banco, sobre a política de gestão adotada pelo atual presidente do Santander Brasil, Jesús Zabalza, que prioriza o corte de custos por meio da demissão, o que leva à precarização do atendimento.

O Sindicato dos Bancários Sorocaba e Região realizou um manifesto hoje, dia 27 de maio, na agência da rua XV de Novembro, do banco Santander, em Sorocaba. Com faixas e panfletos diretores do sindicato conversaram com a população e com os funcionários do banco, sobre a política de gestão adotada pelo atual presidente do Santander Brasil, Jesús Zabalza, que prioriza o corte de custos por meio da demissão, o que leva à precarização do atendimento.

Nos últimos 12 meses, o Santander eliminou mais de 4.800 postos de trabalho. São milhares de trabalhadores a menos, ao mesmo tempo, em que ganhou 3 milhões de novos clientes.

Tudo isso fez com que o Santander figurasse na liderança de reclamações do Banco Central pelo terceiro mês seguido em 2014 e também pela sobrecarga de trabalho, que gera uma série de doenças ocupacionais nos bancários.

No ano passado, o Santander arrecadou quase 10 bilhões de reais só com as tarifas cobradas. Com esse valor, o banco poderia contratar mais 25 mil bancários para atender você melhor.

O Banco tem lucro, e a unidade brasileira responde por 20% do lucro mundial. Portanto, nada justifica a política de corte de postos de trabalho adotada pelo banco. “Tanto bancários como clientes, ninguém agüenta mais tanta pressão por metas, tanto trabalho, com tão poucos funcionários para fazê-lo. O resultado disso é o cansaço e estresse dos funcionários e o desrespeito à população, que precisa ficar muito tempo em filas, graças ao número insuficiente de bancários para atendê-la. Precisamos dar um basta nisso”, comenta Antonio Lages, funcionário do Santander e vice-presidente do Sindicato.

Fonte: SEEB Sorocaba

Notícias Relacionadas

Semana reforçou a conscientização sobre o combate às LER/Dort

A data chama atenção para duas doenças que têm relação direta com o trabalho e que atingem milhões de brasileiros Nesta semana, no dia 28 de fevereiro (última quarta-feira) foi o Dia Mundial de combate às Lesões por Esforços Repetitivos (LER) e Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort). A data foi escolhida pela Organização Internacional […]

Leia mais

COE e Itaú discutem revisões nos programas de remuneração

Durante a reunião foram apresentadas modificações nos programas. O movimento sindical deve elaborar contraproposta em breve  A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú realizou nesta quinta-feira (28), em São Paulo, uma reunião com a direção do banco para debater questões relacionadas à remuneração dos funcionários. Durante o encontro, o banco apresentou alterações nos […]

Leia mais

Trabalhadores discutem futuro da Fundação Itaú-Unibanco

Em seminário promovido pela Contraf-CUT e COE Itaú trabalhadores debateram caminhos para aumentar representatividade na gestão do fundo de pensão Trabalhadoras e trabalhadores associados à Fundação Itaú-Unibanco se reuniram, nesta quinta-feira (29), em um seminário organizado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e pela Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú, […]

Leia mais

Sindicatos filiados