Sindicato de Sorocaba protesta contra demissões no Santander

28.05.2014

O Sindicato dos Bancários Sorocaba e Região realizou um manifesto nesta terça-feira, dia 27 de maio, na agência da rua XV de Novembro, do banco Santander, em Sorocaba. Com faixas e panfletos diretores do sindicato conversaram com a população e com os funcionários do banco, sobre a política de gestão adotada pelo atual presidente do […]

O Sindicato dos Bancários Sorocaba e Região realizou um manifesto nesta terça-feira, dia 27 de maio, na agência da rua XV de Novembro, do banco Santander, em Sorocaba. Com faixas e panfletos diretores do sindicato conversaram com a população e com os funcionários do banco, sobre a política de gestão adotada pelo atual presidente do Santander Brasil, Jesús Zabalza, que prioriza o corte de custos por meio da demissão, o que leva à precarização do atendimento.

O Sindicato dos Bancários Sorocaba e Região realizou um manifesto hoje, dia 27 de maio, na agência da rua XV de Novembro, do banco Santander, em Sorocaba. Com faixas e panfletos diretores do sindicato conversaram com a população e com os funcionários do banco, sobre a política de gestão adotada pelo atual presidente do Santander Brasil, Jesús Zabalza, que prioriza o corte de custos por meio da demissão, o que leva à precarização do atendimento.

Nos últimos 12 meses, o Santander eliminou mais de 4.800 postos de trabalho. São milhares de trabalhadores a menos, ao mesmo tempo, em que ganhou 3 milhões de novos clientes.

Tudo isso fez com que o Santander figurasse na liderança de reclamações do Banco Central pelo terceiro mês seguido em 2014 e também pela sobrecarga de trabalho, que gera uma série de doenças ocupacionais nos bancários.

No ano passado, o Santander arrecadou quase 10 bilhões de reais só com as tarifas cobradas. Com esse valor, o banco poderia contratar mais 25 mil bancários para atender você melhor.

O Banco tem lucro, e a unidade brasileira responde por 20% do lucro mundial. Portanto, nada justifica a política de corte de postos de trabalho adotada pelo banco. “Tanto bancários como clientes, ninguém agüenta mais tanta pressão por metas, tanto trabalho, com tão poucos funcionários para fazê-lo. O resultado disso é o cansaço e estresse dos funcionários e o desrespeito à população, que precisa ficar muito tempo em filas, graças ao número insuficiente de bancários para atendê-la. Precisamos dar um basta nisso”, comenta Antonio Lages, funcionário do Santander e vice-presidente do Sindicato.

Fonte: SEEB Sorocaba

Notícias Relacionadas

Saúde, segurança, metas e violência contra as mulheres pautam reunião das Financeiras

Coletivo Nacional dos Financiários e Acrefi voltam à mesa de negociação pela Campanha Nacional 2024 Na tarde desta sexta-feira (19), o Coletivo Nacional dos Financiários da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) realizou mais uma rodada de negociações com a Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi). A pauta do […]

Leia mais

Quarta mesa de negociação do BB discute diversidade e igualdade de oportunidades

Para Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB), Banco do Brasil deu sinais de avanços importantes na reunião Na manhã desta sexta-feira (19), em São Paulo, foi realizada a quarta mesa de negociação específica da Campanha Nacional 2024 para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) do Banco do Brasil. A pauta principal […]

Leia mais

CEE Caixa realiza nova rodada de negociações focada em diversidade e igualdade de oportunidades

Além de diversidade e igualdade, foram discutidos temas como FUNCEF, escala de férias, telefone celular e escola inclusiva A Comissão Executiva dos Empregados (CEE) da Caixa Econômica Federal conduziu nesta sexta-feira (19) mais uma mesa de negociação para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) dos empregados da instituição. O tema central da discussão […]

Leia mais

Sindicatos filiados