Sindicato dos Bancários de Campinas realiza panfletagem contra PL 4330

06.08.2013

O Sindicato dos Bancários de Campinas e Região realizou na manhã de terça-feira, 6 de agosto, Dia Nacional de Luta, panfletagem contra o Projeto de Lei que propõe regular a terceirização (PL 4330/2004), na Avenida José de Souza Campos, mais conhecida por Norte-Sul, em Campinas. No período das 8h às 10h, os dirigentes sindicais estiveram […]

O Sindicato dos Bancários de Campinas e Região realizou na manhã de terça-feira, 6 de agosto, Dia Nacional de Luta, panfletagem contra o Projeto de Lei que propõe regular a terceirização (PL 4330/2004), na Avenida José de Souza Campos, mais conhecida por Norte-Sul, em Campinas. No período das 8h às 10h, os dirigentes sindicais estiveram nas agências dos bancos Itaú, Safra, Bradesco, Santander, Caixa Federal e Banco do Brasil. A partir das 10h, os dirigentes fizeram panfletagem nos semáforos instalados próximos ao prédio da Dahruj, esquina com a Rua Nuporanga e Avenida Coronel Silva Teles, encerrada às 11h.

O Dia de Luta, convocado pelas centrais sindicais, teve como objetivo pressionar os parlamentares da Comissão de Constituição e de Justiça e Cidadania (CCJC) a votarem contra o substitutivo do deputado Artur Maia (PMDB-BA) ao PL 4330, de autoria do deputado Sandro Mabel (PMDB-GO), caso não sejam contempladas as propostas das centrais sindicais apresentadas na Comissão Quadripartite (governo federal, empresários, parlamentares e trabalhadores). A Comissão volta a se reunir no próximo dia 12, diante de impasse na reunião de ontem (05/08); os trabalhos da Comissão foram iniciados em 5 de julho último. O PL 4330 deve ser votado na CCJC na próxima semana; estava previsto para o dia 13.

Propostas dos trabalhadores

As centrais apresentaram cinco propostas na Comissão Quadripartite: igualdade de direitos; direito à informação prévia (sindicato e trabalhadores devem ser consultados antes de possíveis terceirizações em uma empresa); proibição nas atividades-fim; responsabilidade solidária entre as empresas contratante e contratada; e penalização das empresas infratoras.

Avaliação

Para o presidente do Sindicato dos Bancários de Campinas e Região, Jeferson Boava, se o substitutivo ao PL 4330 for aprovado como está, “autoriza a terceirização em qualquer etapa do processo produtivo seja do setor público (inclusive fere o princípio constitucional do concurso público), seja do setor privado, rural ou urbano, desde que a empresa seja unicamente considerada especializada. Sem as mudanças propostas pelas centrais sindicais, dentro de alguns anos o Brasil terá 30 milhões de trabalhadores terceirizados; hoje somam 12 milhões”. Quer dizer, no mesmo espaço de trabalho, onde realiza a mesma atividade, uma parte dos trabalhadores terá mais direitos que a outra. Estará criado assim, de pronto, num passe de ‘mágica’ dois tipos de trabalhador: o de primeira e o de segunda classe. Sem falar que os correspondentes bancários estarão isentos da exigência de especialização para a condição de prestação de serviços terceirizados.

4330: reforma precarizadora

Como apontou o seminário “A terceirização e seus impactos sobre o mundo do trabalho: dilemas, estratégias e perspectivas”, realizado pelo Fórum Nacional Permanente em Defesa dos Trabalhadores Ameaçados pela Terceirização, nos dias 12 e 13 de abril do ano passado na Universidade de Campinas (Unicamp), o PL 4330 estabelece a maior reforma trabalhista precarizadora do país.

Fonte: Jairo Gimenez – Sindicato dos Bancários de Campinas

Notícias Relacionadas

Após repercussão das denúncias de assédio sexual, Pedro Guimarães pede demissão

Testemunhos das vítimas vieram a público na terça-feira (28) e assustam pela quantidade de casos e pelo grau de desrespeito e crueldade; Ministério Público investiga em sigilo O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, entregou seu pedido de demissão na tarde desta quarta-feira (29) ao presidente da república, Jair Bolsonaro. A decisão foi tomada […]

Leia mais

NOTA OFICIAL

NOTA OFICIAL Pelo imediato afastamento de Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, e o acolhimento e preservação das vítimas Nós, bancárias de todo o Brasil, manifestamos nossa indignação pelos atos de assédio sexual praticados por Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, que ganharam repercussão na noite de desta terça-feira, 28/06/2022, ao serem divulgados […]

Leia mais

Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul repudia ações de Pedro Guimarães, acusado de assédio sexual

Além de apuração das denúncias, representação dos empregados pede afastamento do presidente da Caixa Após se tornar pública a acusação de assédio sexual feita por diferentes empregadas da Caixa Econômica Federal ao presidente Pedro Duarte Guimarães, a Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, se solidariza com as vítimas e manifesta […]

Leia mais

Sindicatos filiados