Sindicato exige na Justiça que Mercantil do Brasil cancele mudança em plano de saúde

19.05.2016

Condições atuais devem ser mantidas O Sindicato dos Bancários de Campinas e Região vai ingressar ação contra o Banco Mercantil do Brasil (BMB), na Justiça do Trabalho de Campinas, para exigir o cancelamento das alterações a serem efetuadas no plano de saúde dos funcionários, a partir do próximo dia 1º de junho. O Sindicato vai […]


Condições atuais devem ser mantidas

O Sindicato dos Bancários de Campinas e Região vai ingressar ação contra o Banco Mercantil do Brasil (BMB), na Justiça do Trabalho de Campinas, para exigir o cancelamento das alterações a serem efetuadas no plano de saúde dos funcionários, a partir do próximo dia 1º de junho. O Sindicato vai pleitear também a manutenção das condições atuais do plano de saúde vigente.

O Mercantil do Brasil anunciou em seu “diário MB”, datado de 2 de maio deste ano, a substituição do atual plano de saúde Unimed pelo Bradesco Saúde (seguro saúde) para todos os funcionários lotados fora do Estado de Minas Gerais. “Como a medida impacta de forma negativa na vida dos funcionários e foi imposta sem discussão alguma, o Sindicato pleiteia o cancelamento e quer negociar as propostas de mudança com o Mercantil do Brasil e, ao mesmo tempo, debater com os funcionários. O Sindicato pretende construir uma solução que atenda aos interesses das partes envolvidas” avalia o presidente do Sindicato e vice-presidente da Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul (FEEB-SP/MS), Jeferson Boava. Em sua opinião, o maior problema na proposta do Mercantil do Brasil é transformar um plano de saúde em seguro saúde. “Ao se aposentar, se for seguro saúde, o trabalhador perde a assistência médica porque a legislação vigente não prevê a manutenção. Já no caso de plano de saúde, é possível manter a mesma assistência médica. E mais: tem ainda o problema da rede credenciada do proposto Bradesco Saúde”.

Orientação: Para quem hoje tem plano de saúde na modalidade de acomodação enfermaria, não é preciso fazer a adesão; será automática, conforme anunciou o Mercantil do Brasil no citado “diário MB”. Para quem deseja outra modalidade de acomodação, que não seja enfermaria, é necessário fazer a adesão. Essa orientação tem como objetivo evitar que o funcionário tenha prejuízo momentâneo, enquanto se discute as alterações no plano de saúde na Justiça.

Fonte: Sindicato dos Bancários de Campinas e Região
 

Notícias Relacionadas

Semana reforçou a conscientização sobre o combate às LER/Dort

A data chama atenção para duas doenças que têm relação direta com o trabalho e que atingem milhões de brasileiros Nesta semana, no dia 28 de fevereiro (última quarta-feira) foi o Dia Mundial de combate às Lesões por Esforços Repetitivos (LER) e Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort). A data foi escolhida pela Organização Internacional […]

Leia mais

COE e Itaú discutem revisões nos programas de remuneração

Durante a reunião foram apresentadas modificações nos programas. O movimento sindical deve elaborar contraproposta em breve  A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú realizou nesta quarta-feira (28), em São Paulo, uma reunião com a direção do banco para debater questões relacionadas à remuneração dos funcionários. Durante o encontro, o banco apresentou alterações nos […]

Leia mais

Trabalhadores discutem futuro da Fundação Itaú-Unibanco

Em seminário promovido pela Contraf-CUT e COE Itaú trabalhadores debateram caminhos para aumentar representatividade na gestão do fundo de pensão Trabalhadoras e trabalhadores associados à Fundação Itaú-Unibanco se reuniram, nesta quinta-feira (29), em um seminário organizado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e pela Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú, […]

Leia mais

Sindicatos filiados