Sindicatos alcançam retorno do home office para grupo de risco do Banco do Brasil

25.02.2022

Medida passa a valer a partir da data de hoje (25/02) mediante declaração e comprovação médica Após negociações realizadas por meio da Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB), o banco informou o retorno do trabalho remoto do Grupo de Risco. A medida passa a valer a partir da data de hoje […]

Medida passa a valer a partir da data de hoje (25/02) mediante declaração e comprovação médica

Após negociações realizadas por meio da Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB), o banco informou o retorno do trabalho remoto do Grupo de Risco. A medida passa a valer a partir da data de hoje (25) até eventual nova orientação do Banco.

A informação foi feita internamente ao bancário e incluem funcionários em dependências que apresentem condições clínicas de risco para desenvolvimento de complicações da Covid-19, que terão a opção de trabalhar de forma remota, desde que comprovado o enquadramento nas seguintes comorbidades:

  • Cardiopatias graves ou descompensadas (insuficiência cardíaca, infartados, revascularizados, portadores de arritmias, hipertensão arterial sistêmica descompensada);
  • Neuropatias graves ou descompensadas (dependentes de oxigênio, portadores de asma moderada/grave, Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica – DPOC);
  • Imunodeprimidos;
  • Doentes renais crônicos em estágio avançado (graus 3, 4 e 5);
  • Diabéticos, conforme juízo clínico; e
  • Gestantes de alto risco (independentemente da gestação de alto risco, atualmente todas as gestantes permanecem afastadas do trabalho presencial enquanto a Lei 14.151, de 12 de maio de 2021, permanecer em vigor).

Funcionários com 60 anos ou mais também terão a opção de trabalhar de forma remota. Para estes casos ou para os que se enquadrarem em uma das comorbidades acima será necessário preencher e encaminhar aos seus gestores (para inclusão no dossiê do funcionário) os documentos (disponíveis no hotsite do Coronavírus na Intranet): Autodeclaração de Saúde – Grupo de Risco e Termo de Trabalho Residencial Emergencial (TRRE).

Para a representante da Federação dos Bancários, Elisa Ferreira, é preciso prosseguir com todos os cuidados. “Apesar de estarmos em uma situação melhor graças à vacinação, é válido ressaltar que a pandemia ainda não acabou e a demonstração disso são os números de contaminados pela Covid e, agora também por influenza. Os números continuam subindo em todo o país. Todo cuidado é pouco e as medidas precisam e devem ser reforçadas”, destaca.

Notícias Relacionadas

Semana reforçou a conscientização sobre o combate às LER/Dort

A data chama atenção para duas doenças que têm relação direta com o trabalho e que atingem milhões de brasileiros Nesta semana, no dia 28 de fevereiro (última quarta-feira) foi o Dia Mundial de combate às Lesões por Esforços Repetitivos (LER) e Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort). A data foi escolhida pela Organização Internacional […]

Leia mais

COE e Itaú discutem revisões nos programas de remuneração

Durante a reunião foram apresentadas modificações nos programas. O movimento sindical deve elaborar contraproposta em breve  A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú realizou nesta quarta-feira (28), em São Paulo, uma reunião com a direção do banco para debater questões relacionadas à remuneração dos funcionários. Durante o encontro, o banco apresentou alterações nos […]

Leia mais

Trabalhadores discutem futuro da Fundação Itaú-Unibanco

Em seminário promovido pela Contraf-CUT e COE Itaú trabalhadores debateram caminhos para aumentar representatividade na gestão do fundo de pensão Trabalhadoras e trabalhadores associados à Fundação Itaú-Unibanco se reuniram, nesta quinta-feira (29), em um seminário organizado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e pela Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú, […]

Leia mais

Sindicatos filiados