Trabalhadores defendem empresas públicas em ato no Largo do Rosário, em Campinas

18.10.2017

Os trabalhadores ocuparam ontem (17), à tarde o Largo do Rosário em ato em defesa das empresas públicas, organizado pela subsede da CUT em Campinas. Durante duas horas, performance teatral com a trupe “Resgatando o Circo”, música ao vivo com a cantora Marília Corrêa e falas de dirigentes sindicais contra o pacote de privatização lançado […]


Os trabalhadores ocuparam ontem (17), à tarde o Largo do Rosário em ato em defesa das empresas públicas, organizado pela subsede da CUT em Campinas. Durante duas horas, performance teatral com a trupe “Resgatando o Circo”, música ao vivo com a cantora Marília Corrêa e falas de dirigentes sindicais contra o pacote de privatização lançado recentemente pelo presidente da República, Michel Temer. No último dia 3, os trabalhadores ocuparam o Centro do Rio de Janeiro para defender as empresas públicas e a soberania nacional; naquele dia a Petrobras completou 64 anos de fundação.

O ato em Campinas, que é parte da campanha “se é público, é para todos”, contou com a participação de bancários, petroleiros, eletricitários, servidores públicos federais da Justiça do Trabalho (Sindquinze), trabalhadores da Sanasa (Sindae) e professores da rede pública (Apeoesp). E mais: entre os dirigentes sindicais, os presidentes dos sindicatos dos bancários de Limeira (Ana Lúcia Ramos Pinto) e Piracicaba (José Antonio Fernandes Paiva).

A presidente do Sindicato dos Bancários de Campinas e Região, Stela, em sua fala, conclamou a unidade na luta em defesa das empresas públicas, que são estratégicas para o desenvolvimento econômico e social do país. Stela disse também que os bancos públicos são instrumentos de fomento ao crédito e às políticas sociais. A diretora do Sindicato, Elisa Ferreira, comentou o papel do Banco do Brasil e o diretor Carlos Augusto Silva (Pipoca) abordou a importância da Caixa Federal na aplicação de programas sociais.

O citado pacote de privatização do governo federal, que visa cobrir o rombo anual da União, cumprir a meta de déficit, prevê a venda de empresas do Grupo Eletrobras, Casa da Moeda e fatia da Infraero (Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária).

Fonte: Seeb Campinas
Foto: Júlio César Costa

 

Notícias Relacionadas

Banco do Brasil se compromete a não mexer na gratificação dos caixas durante a Campanha Nacional 2024

A garantia foi dada pela direção do banco na terceira mesa de negociação da Campanha Nacional 2024, nesta sexta-feira (12), e tema será tratado durante período de renovação da CCT. O Banco do Brasil se comprometeu a não mexer na gratificação dos caixas durante a Campanha Nacional 2024 e a negociar a pauta durante o […]

Leia mais

Financiários cobram igualdade salarial e de oportunidades para mulheres e negros no setor

Com base em levantamento do Dieese, trabalhadores e trabalhadoras mostraram distorções salariais de gênero e raça Representantes dos financiários, no movimento sindical, se reuniram, nesta sexta-feira (12), com a Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi), para cobrar igualdade de oportunidades no setor. O encontro faz parte das negociações da Campanha Nacional […]

Leia mais

Nota da Feeb SP/MS sobre a destituição de gerentes da Caixa Asset

A Federação dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SP/MS) manifesta sua profunda preocupação com a recente destituição de três gerentes da Caixa Asset, subsidiária da Caixa Econômica Federal responsável pela gestão de ativos. Esses gerentes foram removidos de seus cargos após recusarem-se a aprovar uma operação de […]

Leia mais

Sindicatos filiados