Acordo global de BCs alivia prazos e regras para bancos

07.01.2013

Comitê de Basileia dá mais 4 anos para instituições elevarem reservas Basileia Os bancos ao redor do mundo ganharam um prazo maior para adequar-se às regras internacionais que tentam prevenir novas crises financeiras, como a ocorrida após a quebra do banco Lehman Brothers, em setembro de 2008. Num encontro ontem, na Suíça, o Comitê de […]

Comitê de Basileia dá mais 4 anos para instituições elevarem reservas

Basileia Os bancos ao redor do mundo ganharam um prazo maior para adequar-se às regras internacionais que tentam prevenir novas crises financeiras, como a ocorrida após a quebra do banco Lehman Brothers, em setembro de 2008. Num encontro ontem, na Suíça, o Comitê de Supervisão Bancária de Basileia, entidade formada por chefes de bancos centrais e outros reguladores, decidiu estender de janeiro de 2015 para janeiro de 2019 o prazo para os bancos formarem reservas suficientes e de elevada liquidez – como os títulos públicos e privados – para suportarem uma crise financeira aguda de 30 dias.

Pelas regras acordadas, as determinações serão aplicadas de forma gradual. Em 2015, espera-se que os bancos tenham ao menos 60% das reservas ordenadas, chegando a 100% em janeiro de 2019, quando serão introduzidos por completo as regas mais severas de capital.

Em nota, o comitê explica que o prazo foi estendido, pela primeira vez, a pedido dos próprios bancos. Os analistas já haviam advertido, porém, que uma aplicação muito rigorosa dessas regras poderia reduzir os empréstimos pelo mundo e dificultar a recuperação da economia global.

– Pela primeira vez na história teremos um padrão global mínimo para a liquidez bancária – disse Mervyn King, diretor do comitê.

Além da extensão do prazo, o comitê ampliou a gama de ativos que os bancos podem colocar nessa reservas. Foram incluídos ações e outros valores lastreados por hipotecas.

– É um presente para a Noite de Reis. Fará uma diferença importante ao melhorar a comerciabilidade de créditos para que os bancos possam gerir melhor seus balanços e prover financiamento para a economia real – acrescentou Simon Hills, diretor-executivo da Associação de Banqueiros Britânicos.

Fonte: O Globo  

Notícias Relacionadas

Eleições Economus – Ainda dá tempo de votar!

Passamos da metade do período do pleito, que vai eleger dois membros ao conselho deliberativo e um membro ao conselho fiscal do Economus. Até esta sexta-feira (19), 28% dos eleitores haviam exercido o direito ao voto. A Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (FEEB SP/MS) e seus sindicatos […]

Leia mais

Banco do Brasil aprova atualização da Tabela PIP para beneficiar trabalhadores do Previ Futuro

Mudança na Pontuação Individual do Participante permite aumento na contribuição adicional e soma mais recursos para a aposentadoria, atendendo a antiga reivindicação dos funcionários O Banco do Brasil aprovou as mudanças na Tabela PIP (Pontuação Individual do Participante), uma reivindicação antiga dos trabalhadores, que permitirá aumentar a contribuição adicional para a aposentadoria. O anúncio foi […]

Leia mais

Eleições da Funcef: votação segue até sexta-feira (19)

Participantes da ativa e assistidos dos planos de previdência podem votar até sexta-feira (19), mas a orientação é não deixar para a última hora Teve início nesta terça-feira (16), a votação para as Eleições Funcef. Participantes dos planos de previdência da Funcef podem votar para definir quem vai ocupar a diretoria de Administração e Controladoria, […]

Leia mais

Sindicatos filiados