Agências do Bradesco também são fechadas na Baixada Santista

10.10.2020

Nesta sexta-feira, dia 01/10/2010, desde às 6h as duas maiores unidades do Bradesco no litoral paulista, que ficam em Santos, e mais 10 agências do mesmo banco em várias cidades foram paralisadas pelos bancários organizados pela diretoria do Sindicato dos Bancários de Santos. Na unidade do centro de Santos, onde fica a gerência regional até […]

Nesta sexta-feira, dia 01/10/2010, desde às 6h as duas maiores unidades do Bradesco no litoral paulista, que ficam em Santos, e mais 10 agências do mesmo banco em várias cidades foram paralisadas pelos bancários organizados pela diretoria do Sindicato dos Bancários de Santos. Na unidade do centro de Santos, onde fica a gerência regional até os vigilantes foram impedidos de entrar. As unidades dos outros bancos privados e públicos existentes nas cidades da região da base do Sindicato de Santos (de Bertioga a Peruíbe) também foram paralisadas.
 
Com isso, a greve que já vinha crescendo nos dois primeiros dias atingiu 95% de adesão da categoria bancária de Santos e região. O que significa que quase a totalidade das 250 agências e postos de atendimento foram paralisados e mais de 3.400 bancários cruzaram os braços de um total de 3.800 na Baixada Santista. A diretoria do Sindicato aproveita para convocar todos os bancários da base para intensificar a GREVE na segunda-feira, dia 04 de outubro.
 
“Vamos endurecer ainda mais na próxima semana até que os banqueiros parem de nos insultar com a proposta miserável de 4,29% e ofereçam uma proposta de reajuste salarial de acordo com os lucros gigantescos que a categoria ganhou para eles”, ressalta Ricardo Saraiva Big, presidente do Sindicato dos Bancários de Santos e Região.
 
Apesar da adesão maciça, a diretoria do Sindicato tomou o cuidado de deixar aberta uma agência de cada banco pagador de benefícios somente para atender os aposentados e não criar transtornos aos idosos ou não idosos que recebem nestes primeiros cinco dias úteis.
Segundo o Dieese, os bancos que atuam no Brasil tiveram lucro líquido de R$ 27 bilhões nos primeiros seis meses do ano.
A greve nacional abrange todos os 26 Estados e no Distrito Federal. Os banqueiros oferecem míseros 4,29% de reajuste (que apenas repõe a inflação) contra as reivindicações dos bancários de 11% de reajuste, valorização dos pisos, PLR maior, combate ao assédio moral, fim das metas, proteção ao emprego, mais contratações, igualdade de oportunidades, segurança contra assaltos e sequestros e fim da precarização via correspondentes bancários, entre outros pontos.
 
Gustavo Mesquita
AI SEEB Santos e Região

Notícias Relacionadas

Após repercussão das denúncias de assédio sexual, Pedro Guimarães pede demissão

Testemunhos das vítimas vieram a público na terça-feira (28) e assustam pela quantidade de casos e pelo grau de desrespeito e crueldade; Ministério Público investiga em sigilo O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, entregou seu pedido de demissão na tarde desta quarta-feira (29) ao presidente da república, Jair Bolsonaro. A decisão foi tomada […]

Leia mais

NOTA OFICIAL

NOTA OFICIAL Pelo imediato afastamento de Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, e o acolhimento e preservação das vítimas Nós, bancárias de todo o Brasil, manifestamos nossa indignação pelos atos de assédio sexual praticados por Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, que ganharam repercussão na noite de desta terça-feira, 28/06/2022, ao serem divulgados […]

Leia mais

Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul repudia ações de Pedro Guimarães, acusado de assédio sexual

Além de apuração das denúncias, representação dos empregados pede afastamento do presidente da Caixa Após se tornar pública a acusação de assédio sexual feita por diferentes empregadas da Caixa Econômica Federal ao presidente Pedro Duarte Guimarães, a Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, se solidariza com as vítimas e manifesta […]

Leia mais

Sindicatos filiados