Análise: Bancos deveriam resolver sozinhos muitos dos problemas

12.11.2012

PAULO ARTHUR GÓES* ESPECIAL PARA A FOLHA Se observarmos o ranking geral de atendimentos da Fundação Procon-SP, disponível no site da entidade, veremos que, dos cinco grupos econômicos que mais receberam queixas em 2012, três dizem respeito às instituições financeiras. O setor foi responsável, em 2011, por 28% de todas as reclamações fundamentadas. E a […]

PAULO ARTHUR GÓES*
ESPECIAL PARA A FOLHA


Se observarmos o ranking geral de atendimentos da Fundação Procon-SP, disponível no site da entidade, veremos que, dos cinco grupos econômicos que mais receberam queixas em 2012, três dizem respeito às instituições financeiras.
O setor foi responsável, em 2011, por 28% de todas as reclamações fundamentadas.

E a tendência dos números não é de queda. Em relação ao primeiro semestre de 2011, houve aumento de cerca de 20% nas demandas relacionadas a "banco comercial", primeiro colocado entre os assuntos mais reclamados.

O quadro se repete no âmbito do Poder Judiciário. O setor bancário, em termos de volume de ações judiciais, perde apenas para o setor público, contribuindo assim de maneira substantiva para a morosidade da nossa Justiça.

Os bancos costumam dizer que tais números, se comparados à quantidade de clientes e de operações que são realizadas diariamente pelas instituições, são ínfimos, demonstrando, segundo sua avaliação, o elevado grau de eficiência do setor.

Idiossincrasias à parte, o fato é que esse cenário gera, como se sabe, elevado custo a toda sociedade.

Não é demais lembrar que muitas das demandas que deságuam nos órgãos de defesa do consumidor e no Judiciário, por envolverem questões menos complexas, poderiam -e deveriam- ser resolvidas pelos próprios bancos.

Não basta um SAC ou uma ouvidoria que atendam em menos tempo. É fundamental que esses canais tenham condições e alçada para resolver os problemas.

Além disso, mais transparência na oferta, na publicidade e na contratação de serviços pode não apenas reduzir como também prevenir novos conflitos. Boa parte das demandas geradas dá-se pela frustração da expectativa inicial do consumidor, que muitas vezes não recebeu informação suficiente e clara.

*PAULO ARTHUR GÓES é diretor-executivo do Procon-SP

Fonte: Folha.com

Leia também: Itaú, Caixa e BB mudam estratégia e desistem de recursos na Justiça

Notícias Relacionadas

Conferência Interestadual aprova eixos para Conferência Nacional de 2024

Sindicatos dos Bancários debateram propostas e aprovaram pautas em defesa do trabalhador. Documento será apresentado em Conferência Nacional para discussão na Campanha Salarial de 2024 Delegações de 21 regionais dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul se reuniram nesta quinta e sexta-feira, 11 e 12 de abril, para debater propostas que serão […]

Leia mais

Abertura da Conferência Interestadual da Feeb SP/MS conta com delegações de 21 regionais

  Primeiro dia de evento amplia visão sobre o futuro do Sistema Financeiro, Cenário Econômico Nacional e Avanço Tecnológico  A Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SP/MS) abriu nesta quinta-feira (11) a Conferência Interestadual dos Bancários de 2024. O tema central do evento deste ano é “Categoria […]

Leia mais

Proposta da Caixa para PcD é frustrante

Contudo, houve definição sobre pagamento dos deltas da promoção por mérito A proposta da Caixa Econômica Federal sobre redução de jornada e priorização de empregadas e empregados PcD, ou que tenham filhos de até seis anos com deficiência, frustrou a representação dos trabalhadores. “Na proposta do banco, somente há possibilidade de redução da jornada com […]

Leia mais

Sindicatos filiados