Análise: Bancos deveriam resolver sozinhos muitos dos problemas

12.11.2012

PAULO ARTHUR GÓES* ESPECIAL PARA A FOLHA Se observarmos o ranking geral de atendimentos da Fundação Procon-SP, disponível no site da entidade, veremos que, dos cinco grupos econômicos que mais receberam queixas em 2012, três dizem respeito às instituições financeiras. O setor foi responsável, em 2011, por 28% de todas as reclamações fundamentadas. E a […]

PAULO ARTHUR GÓES*
ESPECIAL PARA A FOLHA


Se observarmos o ranking geral de atendimentos da Fundação Procon-SP, disponível no site da entidade, veremos que, dos cinco grupos econômicos que mais receberam queixas em 2012, três dizem respeito às instituições financeiras.
O setor foi responsável, em 2011, por 28% de todas as reclamações fundamentadas.

E a tendência dos números não é de queda. Em relação ao primeiro semestre de 2011, houve aumento de cerca de 20% nas demandas relacionadas a "banco comercial", primeiro colocado entre os assuntos mais reclamados.

O quadro se repete no âmbito do Poder Judiciário. O setor bancário, em termos de volume de ações judiciais, perde apenas para o setor público, contribuindo assim de maneira substantiva para a morosidade da nossa Justiça.

Os bancos costumam dizer que tais números, se comparados à quantidade de clientes e de operações que são realizadas diariamente pelas instituições, são ínfimos, demonstrando, segundo sua avaliação, o elevado grau de eficiência do setor.

Idiossincrasias à parte, o fato é que esse cenário gera, como se sabe, elevado custo a toda sociedade.

Não é demais lembrar que muitas das demandas que deságuam nos órgãos de defesa do consumidor e no Judiciário, por envolverem questões menos complexas, poderiam -e deveriam- ser resolvidas pelos próprios bancos.

Não basta um SAC ou uma ouvidoria que atendam em menos tempo. É fundamental que esses canais tenham condições e alçada para resolver os problemas.

Além disso, mais transparência na oferta, na publicidade e na contratação de serviços pode não apenas reduzir como também prevenir novos conflitos. Boa parte das demandas geradas dá-se pela frustração da expectativa inicial do consumidor, que muitas vezes não recebeu informação suficiente e clara.

*PAULO ARTHUR GÓES é diretor-executivo do Procon-SP

Fonte: Folha.com

Leia também: Itaú, Caixa e BB mudam estratégia e desistem de recursos na Justiça

Notícias Relacionadas

Após repercussão das denúncias de assédio sexual, Pedro Guimarães pede demissão

Testemunhos das vítimas vieram a público na terça-feira (28) e assustam pela quantidade de casos e pelo grau de desrespeito e crueldade; Ministério Público investiga em sigilo O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, entregou seu pedido de demissão na tarde desta quarta-feira (29) ao presidente da república, Jair Bolsonaro. A decisão foi tomada […]

Leia mais

NOTA OFICIAL

NOTA OFICIAL Pelo imediato afastamento de Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, e o acolhimento e preservação das vítimas Nós, bancárias de todo o Brasil, manifestamos nossa indignação pelos atos de assédio sexual praticados por Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, que ganharam repercussão na noite de desta terça-feira, 28/06/2022, ao serem divulgados […]

Leia mais

Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul repudia ações de Pedro Guimarães, acusado de assédio sexual

Além de apuração das denúncias, representação dos empregados pede afastamento do presidente da Caixa Após se tornar pública a acusação de assédio sexual feita por diferentes empregadas da Caixa Econômica Federal ao presidente Pedro Duarte Guimarães, a Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, se solidariza com as vítimas e manifesta […]

Leia mais

Sindicatos filiados