Assembleia do Banesprev aprova novo custeio do Plano II e rejeita mudança no estatuto

31.01.2017

Reunidos em duas assembleias no último sábado (28), os participantes do Banesprev (Fundo Banespa de Seguridade Social) aprovaram custeio extraordinário do Plano II e rejeitaram mudança no estatuto proposta pelo Santander. Na primeira assembleia, foi aprovado o novo equacionamento do deficit do Plano II (2015 e 2016), que corresponde a mais 3% de contribuição. Já […]


Reunidos em duas assembleias no último sábado (28), os participantes do Banesprev (Fundo Banespa de Seguridade Social) aprovaram custeio extraordinário do Plano II e rejeitaram mudança no estatuto proposta pelo Santander. Na primeira assembleia, foi aprovado o novo equacionamento do deficit do Plano II (2015 e 2016), que corresponde a mais 3% de contribuição. Já na segunda assembleia, os participantes não concordaram em extinguir o fórum de decisão, que é a assembleia, e nem a sétima vaga no Conselho de Administração do Fundo, que era da Direp (diretoria de representação dos funcionários). Na verdade, os participantes querem que a vaga seja eletiva.

Carta: Durante a primeira assembleia, que tratou do deficit do Plano II, foi distribuída carta de esclarecimento aos participantes assinada pela presidente do Sindicato dos Bancários de Campinas e Região e representante da Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul (FEEB-SP/MS), Ana Stela Alves de Lima, que é também do Comitê de Investimentos, Maria Lúcia Mathias, do Conselho Fiscal, e Vera Lúcia Marchioni, do Comitê Gestor do Plano II.

Mobilização: Os mais de 1.600 participantes das assembleias, representando também cinco mil procurações, decidiram realizar manifestações em defesa de eleição para a sétima vaga do Conselho de Administração e pela manutenção das assembleias, no próximo dia 8 de fevereiro. Da base do Sindicato, as assembleias realizadas no Esporte Clube Banespa, em São Paulo, contaram com mais de 50 participantes; entre eles, além da presidente Stela, os diretores Hamilton e Adir.

Histórico: Na assembleia anterior, realizada em agosto de 2016, diante dos elevados índices de contribuições extraordinárias para equacionar os deficits do Plano II, a presidente do Sindicato, Stela, em nome da Federação dos Bancários de SP e MS, propôs que as contribuições extraordinárias fossem transformadas em ordinárias, aumentando assim o prazo do pagamento, que já ocorria. Inclusive, essa proposta foi defendida pelas citadas Maria Lúcia Mathias e Vera Lúcia Marchioni.

Como uma das associações de representação dos participantes (Abesprev) conseguiu junto à Previc (Superintendência Nacional de Previdência Complementar) “alongar de 11 para 17 anos o prazo do pagamento do deficit, decidiu-se adiar o debate sobre a mudança na nomenclatura da contribuição; ou seja, de extraordinária para ordinária. Com o alongamento do prazo, o valor da contribuição que está sendo paga, claro, diminuiu”, destaca a presidente Stela.

Fonte: Sindicato dos Bancários de Campinas e Região
Foto: Denny Cesare

Notícias Relacionadas

Dirigentes da base da Feeb-SP/MS recebem segundo módulo do curso de formação da Contraf-CUT

Programa trata da estruturação histórica das organizações sindicais e da luta dos trabalhadores O Curso de Formação Sindical para Dirigentes, da Secretaria de Formação da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), estreia o seu segundo módulo nesta sexta-feira (17) e no sábado (18) para as bases da Federação dos Bancários de São Paulo […]

Leia mais

Bancários se preparam para Conferência Nacional da categoria

Consulta aos trabalhadores nas bases sindicais de todo o país e conferências estaduais e regionais servirão de subsídio para os debates nacionais que levarão à construção da pauta de reivindicações e da estratégia da Campanha Nacional 2024 Bancárias e bancários de todo o país se reúnem, em São Paulo, entre os dias 4 e 9 […]

Leia mais

Lucro da Caixa cresceu 49% no 1º trimestre de 2024

Com 1,56 milhão de novos clientes e 168 empregados a menos no quadro de pessoal, aumenta também a sobrecarga A Caixa Econômica Federal anunciou na noite de quarta-feira (15) um lucro líquido recorrente de R$ 2,88 bilhões no primeiro trimestre de 2024, alta de 49,1% em comparação ao mesmo período de 2023 e de 0,5% em relação […]

Leia mais

Sindicatos filiados