Associados do Cassi votam relatório 2020

22.04.2021

A votação teve início nesta semana (19) e segue até o dia 28 de abril Teve início na última segunda-feira (19) e segue até às 18h do dia 28 de abril, a votação do relatório da Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil, o Cassi. A votação visa a aprovação do Relatório 2020, […]

A votação teve início nesta semana (19) e segue até o dia 28 de abril

Teve início na última segunda-feira (19) e segue até às 18h do dia 28 de abril, a votação do relatório da Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil, o Cassi. A votação visa a aprovação do Relatório 2020, que apresenta o resultado econômico-financeiro do ano e as principais ações de gestão da Cassi.

Sindicatos e federações de todo o país orientam a aprovação do documento. “Entendemos que há muito que melhorar para os associados, mas o documento reflete a situação financeira da entidade e a não aprovação pode prejudicar a manutenção da Caixa de Assistência dos funcionários”, explica Elisa Ferreira, representante da Federação dos Bancários dos estados de SP/MS na comissão de empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB).

De acordo com o movimento sindical, a próxima edição do boletim “O Espelho” deve trazer críticas ao serviço prestado aos associados.

Dentre as principais críticas está o objetivo central da instituição que consiste em cuidar da saúde. “Esse é o papel da Cassi e não para acumular dinheiro e fazer disso uma demonstração de eficiência e inovação da gestão”, explica Elisa.

Outra crítica levantada pela categoria é com relação ao serviço de telemedicina oferecido. Para os associados, o atendimento é paliativo e compromete a atenção integral à saúde do trabalhador. “O serviço não pode ser adotado como solução definitiva”, defende Elisa. De acordo com o movimento sindical, o serviço entra em choque com a Estratégia Saúde da Família (ESF), modelo adotado pelos melhores e mais modernos sistemas de saúde do mundo e indicado por consultorias especializadas contratadas pela própria Cassi, como a Accenture que atestou o ESF como melhor estratégia de redução de custos.

Outra crítica é com relação à coparticipação e à disponibilização dos medicamentos. “Como os números demonstram uma situação financeira equilibrada, entendemos que os percentuais de copartipação podem ser reavaliados”. A ampliação do fornecimento de medicamentos de uso contínuo também é defendida. “Existem remédios de alto custo que precisam ser disponibilizados como forma de garantia do tratamento adequado para todos”, considera.
 

Notícias Relacionadas

Comando Nacional dos Bancários entregará minuta de reivindicações à Fenaban no dia 18

No mesmo dia, trabalhadores do BB e da Caixa farão a entrega das minutas específicas de cada banco O Comando Nacional dos Bancários entregará à Federação Nacional do Bancos (Fenaban), na próxima terça-feira (18), a minuta de reivindicações que servirá de base à Campanha Nacional de 2024, para a renovação da Convenção Coletiva de Trabalho […]

Leia mais

Bancários aprovam minuta de reivindicações da Campanha Nacional 2024

Documento, que servirá de base à renovação da Convenção Coletiva de Trabalho da categoria, será entregue à Fenaban no próximo dia 18 Bancárias e bancários, de todo o Brasil, aprovaram, em assembleias realizadas nesta quinta-feira (13), a minuta de reivindicações que servirá de base à Campanha Nacional de 2024, para a renovação da Convenção Coletiva […]

Leia mais

Contraf-CUT pede informações à Caixa sobre PDV

Objetivo é garantir a transparência do processo e amenizar ansiedade dos trabalhadores A Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) enviou, nesta terça-feira (11), um ofício à Caixa Econômica Federal solicitando informações sobre o Programa de Desligamento Voluntário (PDV) do banco. No ofício, a Contraf-CUT observa que “o prazo de adesão” ao PDV “se […]

Leia mais

Sindicatos filiados