Associados do Cassi votam relatório 2020

22.04.2021

A votação teve início nesta semana (19) e segue até o dia 28 de abril Teve início na última segunda-feira (19) e segue até às 18h do dia 28 de abril, a votação do relatório da Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil, o Cassi. A votação visa a aprovação do Relatório 2020, […]

A votação teve início nesta semana (19) e segue até o dia 28 de abril

Teve início na última segunda-feira (19) e segue até às 18h do dia 28 de abril, a votação do relatório da Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil, o Cassi. A votação visa a aprovação do Relatório 2020, que apresenta o resultado econômico-financeiro do ano e as principais ações de gestão da Cassi.

Sindicatos e federações de todo o país orientam a aprovação do documento. “Entendemos que há muito que melhorar para os associados, mas o documento reflete a situação financeira da entidade e a não aprovação pode prejudicar a manutenção da Caixa de Assistência dos funcionários”, explica Elisa Ferreira, representante da Federação dos Bancários dos estados de SP/MS na comissão de empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB).

De acordo com o movimento sindical, a próxima edição do boletim “O Espelho” deve trazer críticas ao serviço prestado aos associados.

Dentre as principais críticas está o objetivo central da instituição que consiste em cuidar da saúde. “Esse é o papel da Cassi e não para acumular dinheiro e fazer disso uma demonstração de eficiência e inovação da gestão”, explica Elisa.

Outra crítica levantada pela categoria é com relação ao serviço de telemedicina oferecido. Para os associados, o atendimento é paliativo e compromete a atenção integral à saúde do trabalhador. “O serviço não pode ser adotado como solução definitiva”, defende Elisa. De acordo com o movimento sindical, o serviço entra em choque com a Estratégia Saúde da Família (ESF), modelo adotado pelos melhores e mais modernos sistemas de saúde do mundo e indicado por consultorias especializadas contratadas pela própria Cassi, como a Accenture que atestou o ESF como melhor estratégia de redução de custos.

Outra crítica é com relação à coparticipação e à disponibilização dos medicamentos. “Como os números demonstram uma situação financeira equilibrada, entendemos que os percentuais de copartipação podem ser reavaliados”. A ampliação do fornecimento de medicamentos de uso contínuo também é defendida. “Existem remédios de alto custo que precisam ser disponibilizados como forma de garantia do tratamento adequado para todos”, considera.
 

Notícias Relacionadas

Após repercussão das denúncias de assédio sexual, Pedro Guimarães pede demissão

Testemunhos das vítimas vieram a público na terça-feira (28) e assustam pela quantidade de casos e pelo grau de desrespeito e crueldade; Ministério Público investiga em sigilo O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, entregou seu pedido de demissão na tarde desta quarta-feira (29) ao presidente da república, Jair Bolsonaro. A decisão foi tomada […]

Leia mais

NOTA OFICIAL

NOTA OFICIAL Pelo imediato afastamento de Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, e o acolhimento e preservação das vítimas Nós, bancárias de todo o Brasil, manifestamos nossa indignação pelos atos de assédio sexual praticados por Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, que ganharam repercussão na noite de desta terça-feira, 28/06/2022, ao serem divulgados […]

Leia mais

Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul repudia ações de Pedro Guimarães, acusado de assédio sexual

Além de apuração das denúncias, representação dos empregados pede afastamento do presidente da Caixa Após se tornar pública a acusação de assédio sexual feita por diferentes empregadas da Caixa Econômica Federal ao presidente Pedro Duarte Guimarães, a Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, se solidariza com as vítimas e manifesta […]

Leia mais

Sindicatos filiados