Aumenta o número de agências fechadas no sexto dia de greve

24.09.2013

Mais de 1.400 agências foram fechadas na base da Federação nesta terça; no país, número foi de 9.665. A greve dos bancários ganhou ainda mais força nesta terça-feira, 24, e o número de agências fechadas na base da Federação de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SP/MS), que reúne 23 sindicatos filiados, passou […]

Mais de 1.400 agências foram fechadas na base da Federação nesta terça; no país, número foi de 9.665.

A greve dos bancários ganhou ainda mais força nesta terça-feira, 24, e o número de agências fechadas na base da Federação de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SP/MS), que reúne 23 sindicatos filiados, passou de 1.400. Em todo o país, a adesão foi de 9.665 agências e centros administrativos de bancos públicos e privados.

Além das paralisações, as entidades sindicais têm realizado passeatas em várias cidades, em conjunto com outras categorias, visando alertar a população quanto às reivindicações dos trabalhadores e intransigência da representação patronal. 

> Veja a cobertura da Campanha Nacional 2013.

Comando se reúne quinta, às 14h

O Comando Nacional, que representa um total de 143 sindicatos e 10 federações de todo país, irá se reunir nesta quinta-feira, às 14h, em São Paulo, para fazer uma avaliação da primeira semana da greve.

As reivindicações dos bancários

– Reajuste salarial de 11,93%: 5% de aumento real, além da inflação.

– PLR de três salários mais R$ 5.553,15.

– Piso de R$ 2.860,21 (salário mínimo do Dieese).

– Vales alimentação, refeição, 13ª cesta e auxílio-creche/babá: R$ 678 ao mês para cada (salário mínimo nacional).

– Melhores condições de trabalho com o fim das metas abusivas e do assédio moral que adoece os bancários.

– Emprego: fim das demissões, mais contratações, aumento da inclusão bancária, combate às terceirizações, especialmente ao PL 4330 que permite que qualquer atividade seja terceirizada e precariza as condições de trabalho, além da aprovação da Convenção 158 da OIT, que proíbe as dispensas imotivadas.

– Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS): para todos os bancários.

– Auxílio-educação: pagamento para graduação e pós.

– Prevenção contra assaltos e sequestros, com fim da guarda das chaves de cofres e agências por bancários.

– Igualdade de oportunidades para bancários e bancárias, com a contratação de pelo menos 20% de trabalhadores afro-descendentes.

Evolução da greve

 

Notícias Relacionadas

Após repercussão das denúncias de assédio sexual, Pedro Guimarães pede demissão

Testemunhos das vítimas vieram a público na terça-feira (28) e assustam pela quantidade de casos e pelo grau de desrespeito e crueldade; Ministério Público investiga em sigilo O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, entregou seu pedido de demissão na tarde desta quarta-feira (29) ao presidente da república, Jair Bolsonaro. A decisão foi tomada […]

Leia mais

NOTA OFICIAL

NOTA OFICIAL Pelo imediato afastamento de Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, e o acolhimento e preservação das vítimas Nós, bancárias de todo o Brasil, manifestamos nossa indignação pelos atos de assédio sexual praticados por Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, que ganharam repercussão na noite de desta terça-feira, 28/06/2022, ao serem divulgados […]

Leia mais

Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul repudia ações de Pedro Guimarães, acusado de assédio sexual

Além de apuração das denúncias, representação dos empregados pede afastamento do presidente da Caixa Após se tornar pública a acusação de assédio sexual feita por diferentes empregadas da Caixa Econômica Federal ao presidente Pedro Duarte Guimarães, a Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, se solidariza com as vítimas e manifesta […]

Leia mais

Sindicatos filiados