Aumento de juro não resolve problema da inflação e agrava situação fiscal, diz Zaia

20.01.2016

A sinalização de que o Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central deve aumentar a taxa básica de juro (Selic) em meio ponto percentual na reunião desta quarta-feira (20), para 14,75% ao ano, só vai aprofundar a crise econômica. A avaliação é do secretário-geral do PPS, deputado estadual Davi Zaia. “Elevar a Selic neste […]

A sinalização de que o Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central deve aumentar a taxa básica de juro (Selic) em meio ponto percentual na reunião desta quarta-feira (20), para 14,75% ao ano, só vai aprofundar a crise econômica. A avaliação é do secretário-geral do PPS, deputado estadual Davi Zaia.

“Elevar a Selic neste momento em que a econômica brasileira está na UTI é um grande erro”, afirma o dirigente. Segundo ele, o aumento do juro é a única alternativa que restou a presidente Dilma Rousseff para controlar a inflação de 10,67% porque o governo do PT não fez “lição de casa”.

“O governo preferiu deixar o ajuste das contas públicas de lado e agora um novo aumento da Selic não vai ser suficiente para reduzir a pressão inflacionária. Isso só vai agravar o problema fiscal com o aumento da dívida pública”, disse.

De acordo com a FGV (Fundação Getúlio Vargas), o IPC-S (Índice de Preços ao Consumidor-Semanal), apresentou forte aceleração da primeira para a segunda quadrissemana de janeiro, de 0,99% para 1,30%.

Além do aumento das mensalidades escolares, da alimentação e do transporte, a energia, cujo preço é administrado pelo governo, está exercendo forte pressão na taxa de inflação.

Outro índice que reforça a tendência de alta da inflação é o boletim Focus, do Banco Central. O INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) subiu pela terceira semana consecutiva, de 6,93% para 7%.

Demagogia

Para Davi Zaia, o Partido dos Trabalhadores age com demagogia ao posicionar-se contra o aumento do juro e as medidas do ajuste fiscal que aguardam votação no Congresso Nacional.

“O PT é contra tudo, mas não apresenta nenhuma proposta para fazer frente a grave crise econômica que seu próprio governo gerou. Daqui a pouco estarão defendendo o retorno de Guido Mantega no comando do Ministério da Fazenda, esquecendo que ele foi demitido por Dilma para agradar o mercado e vencer a eleição com mentiras”, ironizou.

“Um governo que não consegue definir os rumos do País só tem uma solução: o impeachment”, defendeu Zaia.

Fonte: PPS – Portal Nacional
Foto: Sandro Egues

Leia também

Centrais sindicais protestam em SP para pressionar Copom a não elevar juros

Ex-diretores do BC se dizem perplexos com atitude de Tombini em véspera de Copom

Notícias Relacionadas

Feeb SP/MS participa de 51º Encontro Nacional CONTEC

Evento em Uberlândia debateu temas de interesse da categoria bancária e aprovou pautas de reivindicações para a Campanha Nacional dos Bancários. A Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul, representada por seus sindicatos filiados, marcou presença no 51º Encontro Nacional Contec, realizado nos dias 20 e 21 de junho, […]

Leia mais

Trabalhadores do Itaú entregam pauta específica de reivindicações no dia 25

Documento é resultado do encontro nacional, realizado em São Paulo, no dia 6 de junho A Comissão de Organização dos Empregados (COE) vai entregar a minuta específica de reivindicações ao Itaú na próxima terça-feira (25). O documento servirá de base para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) específico do banco. As reivindicações foram […]

Leia mais

Intransigência da Caixa encerra negociações sobre redução de jornada para pais/mães e responsáveis por PcD e neurodivergentes (TEA)

Banco retira da proposta a concessão para empregados PcD, impõe uma série de travas para permitir a redução da jornada para pais/mães/responsáveis de PcD e encerra mesa de negociações após receber questionamentos sobre pontos sensíveis da proposta A reunião que negociaria a redução de jornada para empregadas e empregados da Caixa Econômica Federal com deficiência […]

Leia mais

Sindicatos filiados